França chama de volta seus embaixadores dos Estados Unidos e da Austrália

- THE EPOCH TIMES - Antonio Graceffo - SEP 21, 2021 - Tradução César Tonheiro -

A França chamou de volta seus embaixadores dos Estados Unidos e da Austrália em protesto contra a nova parceria de segurança nacional da América com o Reino Unido e a Austrália, bem como um acordo de submarino de propulsão nuclear dos Estados Unidos com a Austrália.


A França ficou furiosa porque a Austrália abandonou seu acordo de defesa de $ 65 bilhões de dólares, que forneceria a esta última os submarinos movidos a diesel; e, em vez disso, a Austrália optou por entrar em um acordo com os Estados Unidos e o Reino Unido para submarinos com propulsão nuclear.


O pacto de submarino nuclear dos Estados Unidos com a Austrália e o Reino Unido foi denunciado pela China e pela França. A China não gostou do fato de a Austrália ter melhorado sua capacidade de defesa. A França, por outro lado, está chateada porque vê a cooperação entre os Estados Unidos, Reino Unido e Austrália como uma conspiração anglófona, que está alienando a França. A França também é rápida em apontar que é o aliado mais antigo da América, uma vez que ajudou os Estados Unidos a travar a Guerra da Independência contra a Grã-Bretanha.


Sentimentos magoados à parte, fornecer à Austrália submarinos com propulsão nuclear foi visto como um passo importante para controlar a China. O controle da região do Indo-Pacífico é um componente-chave para as ambições de superioridade global da China, bem como para as tentativas dos aliados de conter a China. E ter submarinos de propulsão nuclear australianos patrulhando a região ajudará a preservar a liberdade de navegação e terá até implicações de longo prazo para a contínua independência democrática de Taiwan.

Um submarino da classe Collins movido a diesel e elétrico da Marinha Real Australiana em Sydney Harbour, Austrália, em 12 de outubro de 2016. (Peter Parks / AFP via Getty Images)

O acordo de submarino nuclear dos EUA com a Austrália é consistente com outros compromissos que os Estados Unidos têm com a Austrália, como o Diálogo de Segurança Quadrilateral (QSD) ou para abreviar “Quad”, que inclui Austrália, Índia, Japão e os Estados Unidos. Da mesma forma, o objetivo do Quad é conter a expansão militar da China na região.


Além de combater a China em geral, cada um dos membros do Quad está enfrentando seus próprios conflitos individuais com a China. O Japão e a China disputam as ilhas Senkaku, bem como as águas territoriais e a liberdade de navegação nos mares do Sul e Leste da China. Tóquio também expressou sua preocupação com as ameaças de Pequim contra Taiwan. A Austrália irritou a China ao pedir uma investigação sobre a origem do COVID-19, fazendo com que a China proibisse bilhões de dólares em importações australianas. A Índia travou várias escaramuças de fronteira com a China, mais recentemente na região de Ladakh.


Comparar o poder de fogo das maiores forças armadas do mundo demonstra o quão grande são as forças armadas da China e por que é importante para as nações democráticas formarem alianças. Qualquer um dos aliados dos EUA, sozinho, não seria páreo para a China. Sem essas alianças, Pequim poderia usar a força para controlar a região Indo-Pacífico, transporte transmundo, comércio global e, claro, poderia capturar Taiwan.


Os Estados Unidos são classificados como os militares mais poderosos do mundo: com 2,2 milhões de pessoas em serviços militares, 1,4 milhões em serviço ativo e um orçamento de defesa elevado de US $ 740 bilhões. A Rússia vem em segundo lugar, com 3,5 milhões de pessoas no serviço militar, cerca de 1 milhão na ativa e um orçamento de defesa de US $ 42 bilhões. A China está em terceiro lugar, com 3,4 milhões de militares, 2,1 milhões na ativa e seu orçamento de defesa de US $ 178 bilhões. A França ocupa a 17ª posição — tem 450.000 militares, 270.000 na ativa e US $ 47,7 bilhões em seu orçamento de defesa. É interessante notar que a Austrália ocupa a 19ª posição — apesar do pequeno tamanho do país, tem 80.000 pessoas no serviço militar e 60.000 na ativa, enquanto seu orçamento de defesa é $ 42,7 bilhões.

Os Grupos de Carrier Strike USS Ronald Reagan (CVN 76, frontal) e USS Nimitz (CVN 68, traseiro) navegam juntos em formação, no Mar da China Meridional, em 6 de julho de 2020. (Especialista em Comunicação de Massa 3ª Classe Jason Tarleton / Marinha dos EUA via AP)

Quando se trata de poder naval, os três primeiros países se alinham de maneira semelhante, exceto que a China tem mais navios, mas não necessariamente mais poder de fogo do que os Estados Unidos. A América tem o maior número de pessoal naval com 400.000 e o maior orçamento naval de US $ 161 bilhões. Outra forma de medir a superioridade naval é por tonelagem bruta. A Marinha dos EUA tem quase quatro vezes mais tonelagem bruta do que a Rússia ou a China. Uma métrica importante para o poder naval de um país é o número de porta-aviões. Existem 44 porta-aviões ativos no mundo. Os Estados Unidos têm 20 deles. Japão e França têm quatro cada um. A China tem dois em comissão, com mais em construção. Outra métrica importante é o número de submarinos de mísseis balísticos nucleares — os Estados Unidos estão em primeiro lugar, com 14. Além disso, todos os submarinos dos EUA, independentemente do armamento, usam propulsão nuclear. A França e o Reino Unido têm quatro cada um. A China tem entre quatro e seis submarinos de mísseis balísticos nucleares.


Apesar de não estar entre os três primeiros países em termos de poder militar ou naval geral, a França tem uma classificação muito alta na região do Indo-Pacífico, onde mantém 7.000 militares ativos em lugares como Polinésia Francesa, Nova Caledônia e Reunião. Portanto, a França está certa ao dizer que tem pele no jogo e não deve ser excluída dos acordos de defesa do Indo-Pacífico. Por outro lado, a França também deve aceitar que os Estados Unidos, como a maior potência militar da região, tenham um papel de liderança nesses acordos. Deve também reconhecer que, para a Austrália e Taiwan, a ameaça à segurança representada pela China é muito real e imediata. Embora a França tenha possessões na região, a maior parte do povo e interesses da França estão no país, a milhares de quilômetros de distância da linha de fogo.


O governo Biden reafirmou seu compromisso com a região do Indo-Pacífico, bem como com a Austrália, aliada dos Estados Unidos, dizendo que o acordo do submarino nuclear fazia parte de sua política externa “A América está de volta”. O governo está mantendo a maior parte das políticas anteriores dos EUA e da China, com maiores compromissos navais e militares com o Indo-Pacífico, bem como a venda contínua de armas para Taiwan e Austrália.


Pareceria um erro secundário da França permitir que uma ofensa percebida prejudicasse seu compromisso de defender a região do Indo-Pacífico. De acordo com o almirante Phil Davidson, comandante do Comando Indo-Pacífico dos Estados Unidos, a China representa a maior ameaça estratégica de longo prazo neste século. Portanto, apoiar, armar e se comprometer com alianças de defesa como o Quad são fundamentais para manter a liberdade das nações, incluindo Austrália, Taiwan, Japão, Índia e, em última instância, França e o mundo.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Antonio Graceffo, Ph.D., passou mais de 20 anos na Ásia. Ele é graduado pela Shanghai University of Sport e possui um MBA na China pela Shanghai Jiaotong University. Antonio trabalha como professor de economia e analista econômico da China, escrevendo para vários meios de comunicação internacionais. Alguns de seus livros sobre a China incluem "Além do Belt and Road: a expansão econômica global da China" e "Um curso rápido sobre a economia chinesa".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/france-angry-over-exclusion-from-us-china-containment-policies_4003797.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/



23 views0 comments