Forum destaca as ambições hegemônicas da China e a resolução de Trump

10/12/2019


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro




WASHINGTON - "A China conseguiu controlar a narrativa sobre o que os americanos pensam sobre a China", disse Michael Harrison, editor da revista TALKERS, em 10 de dezembro no National Press Club.


Harrison se juntou ao Epoch Times ao patrocinar um fórum para discutir o estado atual das relações EUA-China. Participaram do painel especialistas em China do Epoch Times, incluindo a Dra. Dana Cheng, fundadora do jornal, e o apresentador de talk show da Salem Radio Network, Sebastian Gorka, ex-consultor do presidente Donald Trump.


A narrativa sobre a ameaça da China pode agora estar de volta nas mãos dos Estados Unidos.


Com ambos os partidos políticos em total acordo sobre o alcance e a amplitude da ameaça da China para os Estados Unidos, a questão é defendida pela própria Casa Branca.


Vários membros do painel descreveram a China como uma tentativa de se tornar a hegemonia mundial, deslocando os Estados Unidos. O resultado, dizem eles, daria ao mundo um modelo de governo muito mais autoritário, com as outras nações do mundo se tornando dependentes da China.


Gorka disse que Trump estava à frente do tempo ao ver a ameaça representada pela China.

"Veja os discursos que Donald Trump fez" décadas atrás, disse Gorka. "A mensagem dele não mudou."


A mensagem de Trump contrasta com a esperança injustificada que dominava a política dos EUA em relação à China. "Nós estávamos convencidos de que a liberdade econômica começaria a cair como dominó" na China, disse Larry O'Conner, da estação de rádio WMAL, em Washington.


O erro de cálculo ocorreu devido à má interpretação do exemplo da queda da União Soviética, que finalmente sucumbiu em grande parte sob a pressão de tentar acompanhar militarmente os Estados Unidos.


Sobrevivência da China à custa da América


A China, que não estava sob essa pressão dos Estados Unidos na época, todavia está sob outro tipo de pressão hoje.


O'Conner observou que "se todas as empresas americanas deixassem a China, a China seria destruída".


Gorka ecoou esse sentimento.


“A China está com problemas. Ele precisa manter taxas de crescimento de dois dígitos nos próximos 30 anos”para sobreviver, disse ele.


"A maior ameaça para a China", disse Gorka, "é um colapso interno".


Enquanto a China vive sob tremendas pressões domésticas, o regime em Pequim tenta descarregar parte desse fardo, aumentando suas capacidades e base de recursos no exterior, principalmente nos Estados Unidos.


A pressão da China em quase todas as indústrias dos Estados Unidos tem sido incomparável. E, dizem os participantes, vão além do escopo de uma simples competição.

"De uma maneira muito específica, a China vem comprando os meios de produção de alimentos", disse Doug Stephan, do DJV Show.


Após a compra da Smithfield pela China, maior produtor mundial de carne suína, há três anos, Pequim agora está de olho em outras grandes marcas e produtores de alimentos.

"A China está prestes a comprar a Bumblebee”, disse Stephan. Isso inclui não apenas o produto de atum, mas também os produtos de frango e caranguejo. Os produtores de frango são os próximos, diz ele.


"Os chineses começaram a ter discussões de contato com a Tyson Foods e Perdue Farms" para cultivar frangos para a China.


As aquisições de empresas e contratos de longo prazo estão entre as táticas usadas pela China para obter vantagem econômica.


O envolvimento chinês na indústria de alimentos dos EUA também tem um propósito político.

“É do interesse chinês irritar os agricultores [dos EUA]. A China quer atrapalhar os agricultores porque a China não quer que Trump vença”as eleições presidenciais do próximo ano.

Toda a cadeia de suprimentos dos Estados Unidos foi alvo, de acordo com John Fredericks, da John Fredericks RadioEntre outras táticas, Pequim subsidia os setores até que eles possam colocar seus concorrentes estrangeiros em risco, disse ele.


"A aliança profana de todos os tempos é Washington e Nova York, com Goldman Sachs, Dow Jones, Wall Street e China todos conspirando para destruir nossa cadeia de suprimentos", disse Fredericks.


"O que o presidente [Trump] está tentando é trazer de volta a cadeia de suprimentos."

Fredericks argumenta que somente com a restauração da cadeia de suprimentos dos EUA é que se "reduzirá a sua meta de longo prazo".


Então, "recuperaremos o controle de nosso destino geoeconômico".


Assuntos Estratégicos


Cheng destacou uma questão maior.


“A guerra comercial não é sobre dois países. É sobre um mundo livre e um regime comunista.”


Sabemos que houve milhares de protestos na China nos últimos anos, continuou Cheng.

“Mas quantos protestos existem agora?” Ela perguntou.


Com a desaceleração econômica, é provável que aumentaram, mas "não há mais relatórios sobre eles".


A censura na China a assuntos sensíveis, como tumultos na China, não é apenas uma função da mídia chinesa que adere aos ditames do Partido Comunista Chinês.


"Temos que quebrar essa cultura suicida na América, onde o Google não trabalha com o Pentágono, mas com o Partido Comunista Chinês", disse Gorka.


"Trump não é neoconservador ou intervencionista", continuou Gorka. Ele também "não é um presidente para ser motivo de piada ou posto à prova".


O líder chinês Xi Jinping talvez pense que pode "brincar" com Donald Trump, mas Gorka diz: "sabemos do que ele [Xi] tem medo, e Donald Trump sabe como tirar proveito".



https://www.theepochtimes.com/epoch-times-forum-highlights-chinas-hegemonic-ambitions-and-trumps-resolve_3170851.html

Notícias Conservadoras

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online