Força-tarefa para fabricar chips semicondutores avançados nos EUA

The Epoch Times - Tradução César Tonheiro

11/05/2020



O representante dos EUA, Michael McCaul (R-Texas), fala à mídia antes de uma sessão fechada diante dos comitês de Inteligência, Relações Exteriores e Supervisão da Câmara em Washington, em 15 de outubro de 2019 (Tasos Katopodis / Getty Images)

Legisladores dos EUA procuram garantir cadeias de fornecimento de semicondutores longe da China

11 de maio de 2020 por Frank Fang


A recém-formada Força-Tarefa da China, um comitê da Câmara composto por 15 parlamentares republicanos, espera manter a vantagem dos Estados Unidos na criação de chips semicondutores avançados - usados para alimentar quase todos os dispositivos eletrônicos, de smartphones e computadores a satélites e sistemas de mísseis.


O deputado Michael McCaul (R-Texas), líder da força-tarefa e presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, pediu ao Congresso que proteja as cadeias de suprimentos de semicondutores "da ameaça representada por atores malignos como o Partido Comunista Chinês".


Ele também pediu ao Congresso que incentivasse os fabricantes a fabricar chips semicondutores avançados nos Estados Unidos.


"Os semicondutores de ponta são fundamentais para a segurança e competitividade econômica futura do país", afirmou ele em comunicado divulgado em 10 de maio.


Empresas de dispositivos eletrônicos como a Apple projetam seus próprios chips antes de enviar as plantas para os empreiteiros para fabricá-los. Atualmente, existem três empresas no mundo capazes de fabricar os chips mais rápidos e avançados: empresa americana Intel, gigante sul-coreana de tecnologia Samsung e TSMC, com sede em Taiwan, a maior fabricante de chips contratada do mundo.


Embora a China esteja atrasada nas capacidades de fabricação de semicondutores — com os fabricantes de chips da China pelo menos duas gerações atrás da TSMC — algumas partes da cadeia de suprimentos estão localizadas na China. Por exemplo, a TSMC e a Samsung têm fábricas de chips na China.


Novas fábricas?


O governo também espera que os fabricantes de chips possam construir fábricas nos Estados Unidos e esteja conversando com a Intel e a TSMC sobre esses planos, de acordo com um relatório do Wall Street Journal de 10 de maio, citando correspondências visualizadas pelo jornal e pessoas não identificadas familiarizadas com as discussões.


A TSMC, em comunicado ao WSJ, disse que estava aberta à construção de uma fábrica fora de Taiwan e China, mas "ainda não há um plano concreto".


Em 16 de abril, o presidente da TSMC, Mark Liu, disse que a empresa "está avaliando ativamente um plano [de fábrica] dos EUA", de acordo com a mídia de Taiwan.

Liu Pei-chen, pesquisador do instituto de pesquisas econômicas de Taiwan, Instituto de Pesquisas Econômicas de Taiwan, disse à NTD Media Media NTD que essa notícia pode ser um sinal de que a indústria global de semicondutores estava se afastando da China, com possíveis mudanças futuras na estratégia de investimentos e reestruturação da cadeia de suprimentos.


De acordo com um relatório da Nikkei Asian Review em janeiro, as autoridades americanas estavam cautelosas com possíveis interferências chinesas e queriam que a TSMC produzisse chips nos Estados Unidos. "O governo dos EUA quer que os chips que entram em projetos militares sejam construídos em solo americano", disse uma publicação oficial do governo de Taiwan à publicação japonesa.


De acordo com Nikkei, a TSMC fabricou chips usados nos caças americanos F-35, bem como chips de “nível militar” aprovados pelo Pentágono para fins militares classificados.


A América do Norte representou 60% da receita líquida da TSMC, de US $ 35,77 bilhões em 2019, de acordo com um documento da SEC (Securities Exchange Commission) dos EUA. A China representou 20%, o Japão 5%, enquanto o restante da Ásia-Pacífico representou 9%.

A TSMC tinha uma participação de mercado de 52,7% no quarto trimestre de 2019, seguida pela Samsung com 17,8%, segundo o pesquisador de mercado TrendForce.


Ações nos EUA


McCaul instou o governo dos EUA a "trabalhar com a indústria, a academia, os governos estaduais e locais e parceiros internacionais para incentivar a fabricação e a pesquisa e desenvolvimento avançados de semicondutores aqui nos Estados Unidos".


Ele acrescentou que a atual pandemia ilustrou a necessidade da auto-suficiência dos Estados Unidos " e da capacidade industrial de fabricar vários produtos vitais para nossa própria segurança".


A pandemia global criou uma escassez de suprimentos médicos nos Estados Unidos, incluindo máscaras de proteção e ventiladores — já que muitos desses itens são produzidos principalmente na China.


vírus do PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus, originou-se na cidade de Wuhan, no centro da China, e causou mais de 79.500 mortes apenas nos Estados Unidos.

Os Estados Unidos tomaram medidas para reforçar sua indústria doméstica de semicondutores. A Lei de Apropriação do Ano Fiscal de 2020, que define o orçamento federal até 30 de setembro deste ano, inclui linguagem que enfatiza a importância da liderança americana em semicondutores, de acordo com a associação comercial dos EUA Semiconductor Industry Association (SIA).


O ato também aloca financiamento para agências federais, como a National Science Foundation e o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia, que apoiam a pesquisa de semicondutores, segundo a SIA.


Além disso, em fevereiro, o Escritório de Política Científica e Tecnológica da Casa Branca anunciou um novo grupo de trabalho interagências para se concentrar na pesquisa e desenvolvimento de semicondutores.


https://www.theepochtimes.com/us-lawmakers-seek-to-secure-semiconductor-supply-chains-away-from-china_3346569.html#

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube