FBI - a cada 10 horas uma nova investigação é relacionada à China

The Epoch Times - Tradução César Tonheiro

07/07/2020



U.S. Federal Bureau of Investigation Director Christopher Wray testifies before the House Judiciary Committee on Capitol Hill in Washington, U.S., Feb. 5, 2020. (Reuters/Tom Brenner/File Photo)

Diretor do FBI: Uma nova investigação relacionada à China é aberta a cada 10 horas

7 de julho de 2020 por Cathy He

O Federal Bureau of Investigation (FBI) está abrindo um novo caso de contrainteligência relacionado à China, uma vez a cada 10 horas, contra a ampla campanha de Pequim para roubar a propriedade intelectual americana (PI) e influenciar os formuladores de políticas, disse o diretor do FBI Christopher Wray em discurso em 7 de julho.


Wray alertou que as operações de contrainteligência e espionagem econômica de Pequim são a “maior ameaça a longo prazo” à segurança nacional e econômica dos Estados Unidos.


O roubo de tecnologia e segredos comerciais dos Estados Unidos é em uma escala "tão maciça que representa uma das maiores transferências de riqueza da história da humanidade", disse ele em discurso proferido no Instituto Hudson, em Washington.


Suas observações são feitas quando o governo Trump reforça sua retórica e ações contra o regime chinês em uma série de questões, desde o encobrimento do surto de vírus do PCC até a pressão cada vez maior em Hong Kong e os riscos à segurança nacional representados pelas empresas de telecomunicações chinesas.


O conselheiro de segurança nacional da Casa Branca, Robert O'Brien,  alertou recentemente que os Estados Unidos atuarão contra as atividades malignas de Pequim. O secretário de Estado Mike Pompeo e o procurador-geral William Barr devem abordar questões semelhantes em discursos nas próximas semanas.


Em um dos discursos mais detalhados de uma autoridade dos EUA sobre as ameaças colocadas pelo Partido Comunista Chinês (PCC), o diretor do FBI detalhou a "ampla e diversa campanha" do regime para roubar Propriedade Intelectual (PI) americana e exercer influência indevida sobre as autoridades americanas em todos os níveis do governo.


"A China está empreendendo toda força-tarefa de estado para se tornar a única superpotência do mundo por todos os meios necessários", disse Wray.


"Ele pode executar essa campanha com eficiência autoritária", acrescentou. "Eles estão calculando, são persistentes, são pacientes e não estão sujeitos às justas restrições de uma sociedade democrática aberta ou ao Estado de direito".


Campanha expansiva


A campanha emprega uma ampla gama de técnicas — de hackers virtuais a aquisições de empresas estrangeiras e roubo físico — e envolve uma ampla gama de atores, abrangendo serviços de inteligência, empresas privadas, estudantes de graduação e pesquisadores, disse o diretor do FBI. As empresas norte-americanas visadas variam de empresas da Fortune 100 a startups, em uma variedade de indústrias, da aviação à agricultura.


As empresas farmacêuticas e os institutos de pesquisa dos EUA foram especialmente alvo durante a pandemia, observou Wray. Ele disse que "não é incomum" o FBI ver invasões cibernéticas voltando à China depois que uma empresa ou órgão de pesquisa faz um anúncio sobre a promissora pesquisa COVID-19 — "às vezes quase no dia seguinte".


Wray disse que quase metade das quase 5.000 investigações de contrainteligência do FBI em todo o país estão ligadas à China, acrescentando que, na década passada, houve um aumento de aproximadamente 1.300% nos casos de espionagem econômica relacionados ao regime.


Nos últimos meses, as autoridades federais reprimiram acadêmicos que supostamente ocultaram seus vínculos com programas de recrutamento apoiados pelo Estado chinês, como o Plano de Mil Talentos — uma política que, segundo Wray, facilita a transferência de tecnologia e conhecimento americanos sensíveis para a China.


O ex-presidente do departamento de química da Universidade de Harvard, Charles Leiber, foi indiciado em junho por acusações de fazer declarações falsas sobre o financiamento que recebeu da China. Os promotores alegam que Lieber mentiu sobre anos de participação no Plano de Mil Talentos enquanto trabalhava em pesquisas americanas sensíveis.


Somente em maio, um ex-pesquisador nascido na China da Cleveland Clinic foi acusado de mentir sobre financiamento da China, incluindo o Thousand Talents Plan, e um professor nascido na Malásia na Universidade do Arkansas também foi acusado de não revelar laços com a China enquanto recebia financiamento da NASA. Além disso, um ex-professor de origem chinesa da Universidade Emory foi condenado por não reportar pagamentos no valor total de pelo menos US $ 500.000 que ele recebeu do Plano Mil Talentos.