Fake news from China

19/03/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro


Especialistas dizem que não há credibilidade na China de novos casos de vírus do PCC

19 de março de 2020 por Bowen Xiao


O regime chinês está promovendo uma nova narrativa sobre a pandemia global, alegando nos últimos dias que não houve novas infecções locais pelo vírus PCC, comumente conhecido como o novo coronavírus, em uma campanha de desinformação cada vez mais agressiva.


Como parte desse impulso de propaganda, o Partido Comunista Chinês (PCC) também está alegando que agora enfrenta uma ameaça maior — infecções importadas do exterior. Várias mídias estatais, muitas das quais com versões em inglês de seus sites, estão divulgando essas histórias, e alguns meios de comunicação norte-americanos estão repetindo essas histórias literalmente.


Uma manchete de 19 de março publicada no porta-voz do PCC, Xinhua, disse que "não havia novas infecções do novo coronavírus" em Wuhan, a origem do vírus, acrescentando que a notícia envia "uma mensagem de esperança a um mundo que enfrenta a pandemia". Um artigo de 18 de março no The New York Times relatou a mesma narrativa, com uma manchete intituladaChina atinge um marco no coronavírus: nenhuma nova infecção local”.


Especialistas dizem que a comunidade internacional não deve acreditar em números saindo da China devido aos esforços do regime para encobrir o surto. Documentos internos do governo obtidos pelo Epoch Times destacaram como o regime subnotificou propositalmente casos do vírus PCC e  censurou as discussões  relacionadas ao surto, ajudando a alimentar sua propagação.


"A máquina de propaganda chinesa nos dirá o que eles querem que o resto do mundo ouça e não necessariamente o que é fato", disse o Rep. Jim Banks (R-Ind.) Ao Epoch Times.

O PCC deve expulsar jornalistas norte-americanos com  sede na China que trabalham para o New York Times, o Wall Street Journal e o Washington Post.


"Foi um ato de informar o resto do mundo que eles [a China] não pretendem ser transparentes", disse Banks. "Qualquer estatística ou qualquer coisa que você leia saindo da China deve ser prontamente descartada simplesmente por causa disso."


"Eles não querem que a história real seja contada porque sabem que são culpados e sabem que esse coronavírus estará sempre associado ao regime atual e à liderança do PCCh na China hoje".


O conselheiro de segurança nacional dos EUA Robert O'Brien,  durante um discurso  no The Heritage Foundation de Washington, em 11 de março, disse que o regime havia inicialmente tentado censurar os médicos que tentavam falar sobre o surto, “para que a palavra desse vírus pudesse não saia. Ele disse que provavelmente "custou à comunidade mundial dois meses para responder".


Li Wenliang, um dos oito denunciantes que divulgou pela primeira vez informações sobre um surto de "SARS" em dezembro de 2019, foi repreendido pelas autoridades chinesas por "espalhar boatos". Li foi forçado a assinar uma "declaração de confissão" na qual prometeu que não cometeria mais "atos ilícitos". Em fevereiro, ele morreu do vírus do PCC.


“O histórico da China de suprimir notícias ou conversas sobre tópicos relacionados ao regime é uma prática de longa data”, disse John Schaus , membro do Programa de Segurança Internacional do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, ao Epoch Times por e-mail.

"A resposta antecipada das autoridades locais e on-line está alinhada com suas práticas consistentes de censura".


Sob a alegação de zero novos casos, Schaus disse: "Em um país com 1,3 bilhão de pessoas, seria notável se houvesse 100% de certeza em tal número".


Em outro exemplo do encobrimento do regime, os diretores de funerárias na cidade chinesa de Jining descobriram que alguns hospitais locais tinham atestados de óbito marcados com "pneumonia não identificada" como a causa da morte.


Na semana passada, um funcionário do departamento de estado dos EUA  convocou o embaixador chinês  para os Estados Unidos, depois que um alto funcionário de Pequim empurrou a alegação de conspiração de que o vírus PCC veio do Exército dos EUA.


"Esta não é uma questão partidária", disse Banks. "Trata-se dos esforços da China para parar a América e impedir que a América se prepare para isso — e, finalmente, como eles devem ser responsabilizados por esse tipo de comportamento".


A campanha de desinformação tem como principal objetivo desviar a culpa do manejo malfeito do regime chinês pelo vírus do PCCh e retratar a imagem de que o regime está sob controle.


No início deste mês, uma equipe de autoridades chinesas, incluindo o vice-primeiro-ministro chinês Sun Chunlan, visitou um complexo residencial em Wuhan. Eles foram recebidos por moradores locais que estavam trancados por mais de um mês, gritando de dentro de seus edifícios, com uma mulher gritando pela janela: "É falso, tudo é falso!"


"Os EUA devem combater essa mensagem [propaganda] com uma determinada campanha de informação", disse o autor e especialista chinês  Gordon Chang  ao Epoch Times.


O Epoch Times refere-se ao novo coronavírus, que causa a doença COVID-19, como o vírus do PCC, porque o encobrimento e o mau uso do Partido Comunista Chinês permitiram que o vírus se espalhasse por toda a China e criasse uma pandemia global.



https://www.theepochtimes.com/experts-say-chinas-claim-of-no-new-ccp-virus-cases-not-credible_3278295.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online