top of page

Fórum Econômico Mundial abandona o Twitter e diz para os seguidores usarem aplicativos chineses

TECHNOCRACY NEWS & TRENDS - Jordan Schachtel - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 26 DEZ, 2022


De maneira previsível, o Fórum Econômico Mundial deu as costas ao Twitter, adotando os aplicativos de mídia social chineses. A compra e renovação do Twitter por Musk acendeu os holofotes para todas as baratas que estavam escondidas na escuridão e no anonimato. Agora é óbvio que muitos grupos diferentes estavam profundamente envolvidos em práticas desonestas de engenharia social que aconteciam no “velho” Twitter. ⁃ Editor TN


Antes de sua próxima conferência em Davos no próximo mês, o Fórum Econômico Mundial (WEF) parece ter se juntado à campanha de cancelamento contra o Twitter, recomendando aplicativos de mídia social controlados pelo estado chinês para “seguir junto” com Davos Man no futuro.



O Twitter está visivelmente ausente das entidades listadas no panfleto de mídia social “ Como seguir Davos 2023 ” da referida organização, e isso parece não ser por acaso.


Para se manter atualizado com tudo o que está acontecendo atrás das portas somente para convidados da confabulação da classe dominante, o Fórum Econômico Mundial (sigla em inglês WEF) recomenda acompanhar através de um punhado de sites de mídia social. Eles incluem o Facebook, LinkedIn, Instagram e YouTube compatíveis com narrativas dos EUA, juntamente com os aplicativos de mídia social chineses TikTok WeChat e Weibo. O Twitter, que se libertou do domínio dos aplicativos sociais compatíveis com a censura endossados pelo WEF, não está mais incluído.


Por meio de seu fundador Klaus Schwab e de organizações parceiras, o WEF mantém um relacionamento muito próximo com o governo chinês. Davos revelou recentemente que seu escritório na China agora tem 40 funcionários em tempo integral. Além disso, todos os anos, em Pequim, o WEF realiza seu “Encontro Anual dos Novos Campeões”, que facilita parcerias entre empresas internacionais e o Partido da Comunidade Chinesa. Em 2018, o PCC premiou Klaus Schwab com sua Medalha da Amizade pela Reforma da China, uma medalha para pessoas não chinesas que cumprem as ordens do PCC no exterior.

Davos 2023 contará com Shou Zi Chew, CEO da TikTok, no palco. Relatado pela primeira vez pelo The Dossier, ele aparecerá em um evento intitulado “Tackling Harm in The Digital Era” (Enfrentando os danos na era digital).


Caso você tenha perdido, o Dossiê obteve uma lista parcial e antecipada de ambos os eventos e palestrantes confirmados para Davos 2023. Na agenda da conferência de 2023 estão incluídos títulos de eventos como a necessidade de passaportes de bateria liderando a carga através do novo normal da Terra, um salário digno para todos, habilitando uma transição equitativa e além do arco-íris: avançando nos direitos LGBTQ+, entre outros.


O Bird App enfrentou uma feroz campanha de cancelamento após sua mudança de administração. A promessa de Elon Musk de transformar o Twitter em uma plataforma de liberdade de expressão encontrou grande resistência da classe dominante institucional corporativa e governamental. Vários parceiros do WEF, como a BlackRock, se juntaram aos ataques contra o Twitter, boicotando a plataforma em protesto contra suas políticas de “moderação de conteúdo”. Não deveria ser nenhuma surpresa que a narrativa e a loja de ideias favoritas da classe dominante para a tirania tecnocrática tenham surgido depois do Twitter, já que o último aplicativo agora está servindo como a principal plataforma global de mídia social para debate e diálogo abertos.



16 views0 comments
bottom of page