Fábricas americanas voltam a produzir ao passo que os CEOs retiram a produção da China

- BLOOMBERG - BeeneRyan - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 5 JUL, 2022 -

A fábrica da Intel no Arizona. Fonte: Intel Corp.

A pandemia obrigou as empresas a repensar as suas cadeias de abastecimento

“É somente economia”, disse um executivo que fez as mudanças


Havia uma sensação nos círculos financeiros de que a febre entre os executivos americanos de encurtar as linhas de fornecimento e trazer a produção de volta para casa seria de curta duração. Assim que a pandemia começou a desaparecer, o mesmo aconteceria com a tendência, era assim que se pensava.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


No entanto, dois anos depois, não apenas a tendência ainda está viva, mas parece estar se acelerando rapidamente.


Abalados pela mais recente onda de bloqueios rigorosos da Covid na China, o centro de fabricação de longa data preferido das multinacionais, os CEOs passaram a destacar planos para realocar a produção usando as palavras-chave onshoring, reshoring ou nearshoring com mais frequência em suas manifestações este ano do que eles fizeram nos primeiros seis meses da pandemia, de acordo com uma revisão da teleconferência de resultados e apresentações em conferência transcritas pela Bloomberg. (Em comparação com períodos pré-pandemia, essas referências estão acima de 1.000%).


Voltando para casa


Mudanças na cadeia de suprimentos recebem mais atenção durante apresentações corporativas.

Fonte: dados da Bloomberg

Mais importante, há sinais concretos de que muitos deles estão agindo de acordo com esses planos.


A construção de novas instalações de fabricação nos EUA aumentou 116% no ano passado, superando o ganho de 10% em todos os projetos de construção combinados, de acordo com a Dodge Construction Network. Há enormes fábricas de chips em Phoenix: a Intel está construindo duas nos arredores da cidade; Taiwan Semiconductor Manufacturing está construindo uma também. E fábricas de alumínio e aço que estão sendo erguidas em todo o sul: em Bay Minette, Alabama (Novelis); em Osceola, Arkansas (US Steel); e em Brandenburg, Kentucky (Nucor). Perto de Buffalo, toda essa nova produção de semicondutores e aço está alimentando pedidos de compressores de ar que serão produzidos em uma fábrica da Ingersoll Rand que estava fechada há anos.


Dezenas de empresas menores estão fazendo movimentos semelhantes, de acordo com Richard Branch, economista-chefe da Dodge. Nem todos são exemplos de reshoring. Alguns são projetados para expandir a capacidade. Mas todos eles apontam para a mesma coisa uma grande reavaliação das cadeias de suprimentos na sequência de gargalos nos portos, escassez de peças e custos de envio vertiginosos que causaram estragos nos orçamentos corporativos nos EUA e em todo o mundo.


No passado, diz Chris Snyder, analista industrial do UBS, simplesmente quando “precisávamos de uma nova instalação, ela seria na China”. Agora, ele diz, “isso está sendo pensado de uma maneira nunca vista antes”.


Em janeiro, uma pesquisa do UBS com executivos de nível C revelou a magnitude dessa mudança. Mais de 90% dos entrevistados disseram que estavam no processo de transferir a produção para fora da China ou tinham planos de fazê-lo. E cerca de 80% disseram que estavam pensando em trazer algumas de volta para os EUA. (O México também se tornou uma escolha popular.)


Esta é, naturalmente, uma tendência nascente. E tantos empregos industriais foram perdidos aqui ao longo de tantas décadas cerca de 8 milhões do pico ao vale que quase ninguém argumentaria que a tendência atual marca um retorno àqueles tempos felizes. A ascensão da automação, que eliminou muitos empregos pouco qualificados e mal pagos, significa que as fábricas dos EUA hoje exigem um grupo muito menor de trabalhadores.


Além do mais, o dólar em alta ameaça reduzir a coisa toda que está apenas começando. À medida que o dólar sobe em relação ao yuan, iene, libra e euro, torna-se mais caro fabricar mercadorias nos EUA do que nesses países.


'Melhor e mais barato'


Para Kevin Nolan, CEO da GE Appliances, toda essa preocupação com os altos custos nos EUA é exagerada.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Já faz anos, diz ele. Por volta de 2008, ele percebeu que em itens grandes como, digamos, tamanho da máquina de lavar louça ou acima a economia obtida com a eliminação do envio ao exterior poderia superar o dinheiro extra gasto com mão de obra aqui. A chave, ele determinou, era extrair o máximo de eficiência do chão de fábrica para manter os custos trabalhistas baixos. Um ano depois, ele decidiu testar a tese e transferiu parte da produção de aquecedores de água da GE para Louisville. Outras linhas de produtos se seguiram.


Tudo tem sido um sucesso tão grande para a empresa que agora, ironicamente, é de propriedade da chinesa Haier Smart Home que Nolan está esperando que outros CEOs sigam seu movimento. Foi preciso uma pandemia para convencê-los a fazer isso.


“Eu sempre disse que isso é apenas economia, as pessoas vão perceber que as economias que imaginavam que tinham não são reais”, disse Nolan em uma entrevista, “e será melhor e mais barato fazê-las aqui.”


Para algumas empresas, o primeiro empurrão que tiveram para renovar suas linhas de cadeia de suprimentos veio dois anos antes do Covid, quando o então presidente Donald Trump começou a aplicar tarifas sobre produtos chineses repetidas vezes.


A Generac Holdings, fabricante de geradores de energia, começou a mapear planos para transferir parte da produção da China e, quando a pandemia chegou, esses planos foram sobrecarregados. A empresa agora obtém mais peças de fornecedores nos EUA e no México, produz mais geradores perto de sua sede nos arredores de Milwaukee e administra uma nova fábrica em uma pequena cidade ao norte de Augusta, Geórgia.


“Queríamos estar mais perto de nossos clientes no sudeste”, disse o diretor de operações Tom Pettit. Baixos custos de envio e prazos de entrega rápidos estão sendo um sucesso entre os clientes e abrindo caminho para que a empresa continue crescendo, disse ele. Inaugurada há apenas um ano, as obras de ampliação da fábrica já estão em andamento.


A invasão russa da Ucrânia também chamou a atenção de Pettit.


Não apenas porque a guerra prejudicou ainda mais o comércio global e aumentou os custos de frete, mas porque o lembrou de que a China poderia tentar algo semelhante em Taiwan. E da mesma forma que os negócios terminaram para a maioria das empresas ocidentais na Rússia, também poderiam terminar na China. De repente, aquele cenário geopolítico benigno que ajudou a encorajar tantos executivos a globalizar suas operações nas últimas décadas estava desaparecendo. E isso aumentou seu senso de urgência para mudar as coisas, disse Pettit.


“O presidente Xi Jinping não se acanha em querer reunificar a China e Taiwan”, disse Pettit. “Ainda achamos que a China é incrivelmente competitiva. No entanto, precisamos ter fontes duplas fora da China.”


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.bloomberg.com/news/articles/2022-07-05/us-factory-boom-heats-up-as-ceos-yank-production-out-of-china


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


29 views0 comments