EUA Rumo à Nova Guerra Fria com o regime chinês em meio à crescente agressividade de Pequim

- THE EPOCH TIMES - JM Phelps - 02 OUT - Tradução César Tonheiro -

Um militar guia um J-10 da Corporação de Aeronaves de Chengdu para a Força Aérea do Exército de Libertação do Povo (PLAAF) após seu programa de demonstração de voo na 13ª Exposição Internacional de Aviação e Aeroespacial da China em Zhuhai, na província de Guangdong, sul da China, em 28 de setembro de 2021. (Noel Celis / AFP via Getty Images)

Há um forte caso de que uma nova guerra fria está se formando entre os Estados Unidos, de um lado, e a China com a Rússia, do outro, de acordo com um tenente-coronel aposentado do Exército dos EUA.


Tendo servido como um "Guerreiro Frio" durante as últimas décadas de tensão geopolítica entre os Estados Unidos e a ex-União Soviética, Robert Maginnis disse que a natureza adversária e dominadora de poder do regime chinês e sua aliança com a Rússia o lembram do que ele testemunhou em primeira mão com a ascensão da União Soviética.


“Já vi isso antes e agora estou vendo de novo”, disse ele ao Epoch Times.


Os analistas têm feito essa comparação desde o último estágio da administração Trump, quando os Estados Unidos começaram a tomar ações cada vez mais duras para combater uma série de ameaças representadas pelo regime comunista chinês.


O governo Biden continuou a confrontar o regime por causa de suas agressões, enfatizando a construção de alianças para apresentar uma frente unificada no combate a Pequim. Em setembro, os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e a Austrália lançaram uma nova parceria de segurança, conhecida como “AUKUS”, com foco no Indo-Pacífico, um movimento amplamente visto como um esforço para atingir a assertividade militar do regime na região.


O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, sugeriu recentemente que os Estados Unidos e o regime da China consertem sua relação “completamente disfuncional”, alertando sobre a alternativa de uma nova guerra fria em potencial. Em resposta, a secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, afirmou que os Estados Unidos não buscam uma guerra fria com Pequim e caracterizou a relação como “não de conflito, mas de competição”.


O deputado Mike Gallagher (R-Wis.) discordou, alegando que os Estados Unidos "estão nos estágios iniciais de uma nova guerra fria com a China".


Afastando da Europa


Com relação à parceria AUKUS que viu os Estados Unidos e o Reino Unido apoiarem a aquisição de submarinos nucleares pela Austrália, Maginnis disse: “uma aliança com os australianos não é particularmente surpreendente”. Ele considera a Austrália como "um aliado sólido" no sul do Pacífico, com uma "posição muito boa na região".


O acordo atraiu a ira da França, que acabou perdendo um acordo anterior assinado em 2016 para fornecer submarinos à Austrália. Havia preocupações constantes sobre atrasos, estouros de custo e grandes questões sobre se o submarino atenderia aos requisitos de defesa da Austrália, que haviam sido debatidos publicamente por anos.


No entanto, as consequências diplomáticas fizeram com que alguns analistas sugerissem um fosso cada vez maior entre os países anglófonos e a Europa na sua abordagem à China.


Dan Steiner, coronel aposentado da Força Aérea dos Estados Unidos e estrategista global, disse que parece haver uma “falta de visão” dentro do governo Biden com relação à política externa, mas acrescentou que a parceria com o AUKUS pode ser uma pequena indicação do que está por vir.


Maginnis e Steiner concordaram que há semelhanças entre a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) e o que os Estados Unidos estão formando sob a AUKUS. Maginnis destacou: “A OTAN foi um esforço muito coordenado e sincronizado para desafiar a expansão da União Soviética para o resto da Europa”. Ambos os oficiais militares aposentados disseram que a AUKUS é o começo dos Estados Unidos tentando formar uma “versão da OTAN na Ásia” para conter o regime chinês.


Logo após o lançamento da AUKUS, o presidente Joe Biden organizou uma cúpula em Washington com líderes do Japão, Índia e Austrália. O Diálogo de Segurança Quadrilateral, também conhecido como Quad, também busca abordar o crescente poderio militar e econômico do regime chinês na região do Indo-Pacífico, dizem analistas.


Entre AUKUS e o Quad, Steiner disse que o Partido Comunista Chinês (PCC) pode apresentar um bom argumento de que os Estados Unidos estão abandonando a Europa ao contrário de antigamente.


“O regime chinês pode dizer que o acordo AUKUS e a reunião do Quad são apenas indicativos de que os EUA não se importam mais com a Europa ou a OTAN”, disse Steiner.


Assim, o regime chinês vai aproveitar a fratura que ocorreu entre os Estados Unidos e a França para se adequar à agenda deles, disse ele. “Eles estão dizendo ao mundo, você não pode confiar nos Estados Unidos, e eles vão continuar a divulgar a história de que os EUA estão se afastando da Europa”.


Para Steiner, está claro que os Estados Unidos estão tentando se realinhar com parceiros mais capazes de lidar com o PCCh.


Barreiras à Nova Aliança


Steiner disse que há barreiras para a formação de tal aliança, sugerindo que “o PCCh sabe que muitas das nações com as quais os EUA tentariam formar uma aliança já estão reféns da armadilha econômica da China”.


O regime tem seus “tentáculos na maioria das nações” com os quais os Estados Unidos tentariam se alinhar na Ásia, e isso inclui Indonésia, Japão, Coréia do Sul e Vietnã, de acordo com Steiner.


Em contraste, disse ele, os países que originalmente aderiram à OTAN em 1949 não tinham laços financeiros ou econômicos com a União Soviética.


“Vai ser muito mais difícil formar uma versão asiática da OTAN do que foi formar a OTAN no final da Segunda Guerra Mundial”, disse ele.


Um regime 'explosivo'


Para Maginnis, as alianças emergentes estão “se unindo contra um explosivo exército chinês” em reconhecimento à crescente ameaça representada pelo PCCh.


“O regime chinês considera os Estados Unidos seu inimigo, [acrescentando que] a postura militar tanto dos chineses quanto dos russos está explodindo em todo o mundo”, disse ele.


O PCC está chegando perto do ponto de desafiar os Estados Unidos na esfera nuclear, disse Maginnis, apontando para relatórios de meados do ano sobre a construção de quase 120 novos silos de mísseis perto da cidade de Yumen, no noroeste, e outros 110 silos. na região do extremo oeste de Xinjiang.


Conforme a ameaça do PCC aumenta, Maginnis disse que a relação de aliança entre o regime chinês e a Rússia também se torna uma preocupação crescente, aumentando a perspectiva de uma nova guerra fria. O primeiro exercício naval conjunto ocorreu em 2017 e, mais recentemente, ele disse: China e Rússia também estão alinhando suas posições no Afeganistão”.


O regime chinês está expandindo sua influência em todo o mundo, disse Maginnis. “É diferente de tudo o que se viu no passado.”


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/us-heading-towards-new-cold-war-with-chinese-regime-amid-beijings-rising-aggression-experts_4027869.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


29 views0 comments

Related Posts

See All