Estados advertem BlackRock para parar de empurrar agenda política

- THE EPOCH TIMES - Alex Newman - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 16 AGO, 2022 -

Uma placa da BlackRock Inc. instalada no prédio da empresa em Nova York em 16 de julho de 2018. (Lucas Jackson/Reuters)

Uma crescente coalizão de governos estaduais está contra a maior gestora de ativos do mundo, dizendo que ela está colocando sua agenda política acima dos interesses dos clientes e até mesmo da segurança nacional dos EUA.


Em Breve: "O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL" em livro IMPRESSO.

Uma versão completa e atualizada!

Na semana passada, um grupo de 19 States Attorneys General (AGs) [procuradores-gerais estaduais] de estados de tendência republicana enviou uma carta com palavras fortes ao CEO da BlackRock, Larry Fink, exigindo o fim dessa agenda e o retorno ao cumprimento de seus deveres fiduciários, sugerindo que as ações da empresa podem até ser ilegais.


Investigações e outras ações legislativas podem ser as próximas, disseram autoridades estaduais envolvidas ao Epoch Times.


“Nosso estado está fortemente investido em organizações como a BlackRock, e essas organizações têm um dever fiduciário com o estado de Montana de investir nosso dinheiro da melhor maneira possível para obter retornos”, disse o procurador-geral de Montana, Austin Knudsen, em entrevista por telefone. “Isso não inclui pressionar uma agenda liberal.”


Dizendo que a empresa e seus aliados não conseguiram convencer as legislaturas a apoiar suas ideias, Knudsen criticou o que argumentou ser o esforço da empresa para impor “ideias idealistas, verdes, utópicas e progressistas” aos americanos por meio de pressão econômica.


“Acho que empresas como essa estão realmente à beira de violar suas obrigações fiduciárias”, acrescentou Knudsen, dizendo que investigações e ações do legislativo seriam os próximos passos.


De fato, várias leis estaduais exigem que fiduciários como a BlackRock operem “exclusivamente” no interesse de seus beneficiários, com os “fins exclusivos” de favorecer esses beneficiários, observaram os funcionários. Em outras palavras, seu único trabalho é ganhar dinheiro – não promover agendas alternativas.


Mas, em vez de se concentrar simplesmente no risco e no retorno dos investimentos, conforme exigido, a carta acusa a BlackRock de se engajar em “ativismo” e até mesmo sacrificar os melhores interesses de clientes, contribuintes e pensionistas, concentrando-se em sua “agenda climática” e outros objetivos políticos.


“Se os motivos mistos surgem do desejo de salvar o mundo ou atrair investimentos de fundos de pensão europeus ou de esquerda, é irrelevante para a violação legal”, disseram os procuradores-gerais estaduais do Arizona, Nebraska, Alabama, Arkansas, Geórgia, Idaho, Indiana, Kansas, Kentucky, Louisiana, Mississippi, Missouri, Montana, Ohio, Oklahoma, Carolina do Sul, Texas, Utah e West Virginia.

“Nossos estados não vão ficar de braços cruzados com as aposentadorias de nossos pensionistas serem sacrificadas pela agenda climática da BlackRock”, alertaram.


O procurador-geral de Indiana, Todd Rokita, um dos signatários, disse ao Epoch Times que tem a obrigação de intervir.


“Como procurador-geral, tenho a responsabilidade de proteger os consumidores de restrições à produção e manipulação ilegal de mercado”, disse Rokita em um e-mail.


“Grandes bancos e gestores de dinheiro estão coordenando esforços para suprimir o investimento em energia”, acrescentou. “O objetivo deles é fechar as usinas de carvão e gás natural para impulsionar sua agenda política.”


De acordo com Rokita, as próprias declarações e compromissos públicos da BlackRock indicam que ela usou os ativos dos cidadãos para “pressionar as empresas a eliminar os combustíveis fósseis, aumentar os preços da energia, impulsionar a inflação e enfraquecer a segurança nacional dos Estados Unidos”. Outros AGs ecoaram essas preocupações.


“A BlackRock e outras empresas de gestão de ativos defendem afirmativamente esse domínio de mercado”, acrescentou.


BlackRock: um gigante econômico


Com mais de US$ 10 trilhões em ativos sob sua gestão, a BlackRock é uma das entidades mais poderosas do mundo. Gerencia mais riqueza do que o PIB anual de todos os países do mundo, exceto Estados Unidos e China, segundo dados citados na carta.


A BlackRock também possui grandes participações – em muitos casos, a maior participação – em uma enorme variedade de empresas nos Estados Unidos e no mundo. Isso geralmente inclui possuir participações em empresas que são concorrentes ostensivas.


Como tal, a empresa sediada em Nova York tem grande influência na determinação das políticas dessas empresas, além das políticas governamentais em todo o mundo.


Atual e ex-funcionários da BlackRock também têm um relacionamento muito próximo com altos funcionários do governo Biden e do Federal Reserve System. Alguns críticos chegam a argumentar que existe uma “porta giratória” entre a empresa e o governo.


Biden selecionou Brian Deese, chefe global de investimentos sustentáveis da BlackRock, para liderar seu Conselho Econômico Nacional. Deese atuou anteriormente como consultor sênior do presidente Barack Obama e da ex-secretária de Estado Hillary Clinton.


O ex-estrategista-chefe global de investimentos da BlackRock e ex-funcionário de Obama, Michael Pyle, agora atua como consultor econômico-chefe da vice-presidente Kamala Harris.


Outro alto funcionário do governo Biden, o vice-secretário do Tesouro Adewale Adeyemo, já atuou como chefe de gabinete de Fink, CEO da BlackRock.


Fink, um democrata de longa data, também está muito bem relacionado, fazendo parte do conselho do imensamente poderoso Conselho de Relações Exteriores, que reúne funcionários do governo, empresas de mídia e grandes interesses comerciais.


Fink também faz parte do conselho do mais conhecido Fórum Econômico Mundial. Ambas as organizações promovem políticas de sustentabilidade apoiadas pela ONU e alinhadas com a agenda da BlackRock. A empresa é criticada há muito tempo por prejudicar a segurança nacional e a competitividade econômica dos EUA ao direcionar investimentos estrangeiros para a China comunista.


A BlackRock também foi criticada por seu papel na operação de vários programas do Federal Reserve que, segundo críticos, despejaram dinheiro dos contribuintes em empresas bem conectadas dispostas a impulsionar a agenda da empresa.


Por exemplo, o braço de consultoria da BlackRock supervisionou o programa de compra de ativos de emergência do Federal Reserve em 2020 no que parecia ser um contrato sem licitação. A BlackRock também supervisionou o programa do Fed que lida com ativos do Bear Stearns e da AIG durante a crise econômica que começou em 2007.


Mas agora as autoridades estaduais estão atacando os líderes da gigante corporativa usando a influência da BlackRock para impor suas visões políticas e econômicas às empresas americanas e à economia americana de forma mais ampla.


Em particular, os principais homens da lei em seus estados criticaram os esforços da BlackRock para promover as métricas “ESG”, que se concentram no perfil “Ambiental, Social e Governança” de uma empresa em vez de apenas em sua lucratividade e risco.


A influência exercida pela BlackRock e um punhado de outras titãs corporativas causou uma proliferação global de investimentos e interesses ESG, além de uma forte mudança nas posições ambientais e políticas adotadas por empresas em todo o mundo.


Em uma declaração fornecida ao Epoch Times por e-mail, o diretor administrativo de comunicações corporativas da BlackRock, Ed Sweeney, defendeu a empresa e suas políticas.


“Somos fiduciários para nossos clientes, ajudando-os a navegar pelos riscos e oportunidades de investimento para que possam alcançar seus objetivos financeiros de longo prazo”, disse ele.


“O dinheiro que administramos não é nosso”, continuou ele. “Pertence aos nossos clientes, muitos dos quais tomam suas próprias decisões de alocação de ativos e construção de portfólio. Oferecemos uma gama de produtos e estratégias para alcançar os resultados desejados. É a escolha deles. Muitos de nossos clientes estão optando por investir em uma combinação de empresas tradicionais de energia, infraestrutura de gás natural, energias renováveis e novas tecnologias de descarbonização devido às oportunidades de investimento decorrentes de seu papel crucial na economia.”


“No início deste ano, expandimos ainda mais a escolha de clientes, oferecendo aos clientes institucionais interessados, incluindo todos os clientes de pensão pública dos EUA, a capacidade de votar diretamente em suas ações”, concluiu Sweeney. “Os clientes que nos confiam US$ 530 bilhões, mais de 1/4 dos ativos do índice de ações de nossos clientes institucionais, deciram por essa opção.”


Violações legais


No entanto, os legisladores estaduais não estavam convencidos. O procurador-geral de Montana, Knudsen, disse que a empresa ainda não emitiu uma resposta formal à carta.


Mas quando perguntado sobre os comentários da empresa ao Epoch Times, Knudsen disse que uma declaração como essa “não era totalmente surpreendente”. Ainda assim, ele chamou de “deflexão muito boa” e uma “não resposta”.


“Tenho certeza de que eles estão enfrentando muita pressão de Montana e de muitos outros estados que estão analisando o que eles estão fazendo”, disse Knudsen ao Epoch Times. “Esse é um risco bastante grande para a BlackRock, então espero que eles tentem recuar o máximo que puderem.”


Na carta, os procuradores gerais (AGs) do estado alertaram sobre uma ampla gama de possíveis violações legais que pediram que Fink e BlackRock abordassem – entre elas, considerando fatores fora dos melhores interesses financeiros dos clientes em sua tomada de decisão.


“Embora expresso em linguagem sobre valor de longo prazo, o alinhamento das prioridades de engajamento da BlackRock com objetivos ambientais e sociais, como os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, sugere no mínimo um motivo misto”, disseram eles na carta.


Operar com um “motivo misto”, advertiu a carta, indica uma “violação desenfreada” das leis que exigem que um fiduciário opere apenas no interesse dos clientes.


"Uma responsabilidade fiduciária exige colocar os interesses de seu cliente à frente de qualquer agenda política", disse o procurador-geral do Arizona, Mark Brnovich, o republicano que ajudou a organizar o esforço. “Ajudar a garantir aposentadorias financeiramente seguras deve ser a primeira prioridade desse gestor de ativos.”


Especificamente, a carta citava o papel da BlackRock em uma rede corporativa global conhecida como Net Zero Managers Alliance (Carbono-zero), que pede a seus membros que ajudem a alcançar as emissões líquidas zero dos chamados gases de efeito estufa para ajudar a alcançar as metas estabelecidas no Acordo de Paris das Nações Unidas.


De fato, a própria aliança descreve em seu site a visão de que “todos os ativos sob gestão atinjam emissões líquidas zero até 2050 ou antes”.


A empresa também está trabalhando para “reprimir completamente os pontos de vista opostos” sobre questões climáticas e o Acordo de Paris da ONU, disseram os AGs.


“Em vez de ser um espectador apostando no jogo, a BlackRock parece ter vestido uma camisa de quarterback e entrado ativamente em campo”, disseram os procuradores-gerais na carta de 4 de agosto. “Reprimir o discurso político é a ação de um ativista cuja mente está decidida, não a de um fiduciário neutro buscando 'diálogo'”.


Além disso, a coalizão de chefes de aplicação da lei alertou sobre possíveis violações antitruste sobre manipulações do mercado de energia. Entre outras preocupações, eles disseram que “boicotes de grupo”, “restringir o comércio” e “recusas combinadas de negociar” todos “claramente” entram em conflito com as leis antitruste.


Todas essas questões afetaram negativamente os estados e seus fundos de pensão, disseram os chefes de aplicação da lei.


O procurador-geral de Montana, Knudsen, apontou, como exemplo, a devastação que atinge a indústria de carvão e os produtores de energia em seu estado por causa das políticas “verdes” adotadas pelas instituições financeiras.


“Sob a lei de Montana, nosso Conselho de Investimentos e aqueles contratados com ele têm a obrigação legal de ganhar dinheiro”, disse Knudsen. “Não há obrigação de se preocupar com as emissões de carbono, não é isso que nossa lei diz.”


“Quando você começa a sacrificar suas obrigações para promover ideias verdes e agendas climáticas, é aí que procuradores-gerais como eu têm problemas”, acrescentou.


Alertando que “falar é barato”, Knudsen disse que ele e outros procuradores-gerais estão ansiosos para receber uma resposta da BlackRock e obter mais informações.


“O próximo passo é a investigação”, continuou ele, acrescentando que as políticas vinham da liderança da BlackRock. “Precisamos ver até onde eles foram nessa toca de coelho. É aí que entra meu escritório; podemos investigar um pouco disso.”


É provável que o legislador também aja. “Eu ficaria chocado se nossa legislatura estadual não levasse isso em consideração na próxima sessão e tomasse alguma ação sobre isso”, disse Knudsen, acrescentando que havia conversas com o governador e o conselho estadual de investimentos que também precisavam ocorrer.


“Para a BlackRock, eu digo: pare de interferir nessas empresas e faça seu trabalho”, concluiu.


Cortando Laços e Visando Resultados Financeiros Positivos


Enquanto os procuradores-gerais lançaram sua salva de abertura contra a BlackRock na semana passada, uma coalizão de 16 tesoureiros estaduais já havia começado a trabalhar nessas questões no início de 2022.


Liderados pelo tesoureiro da Virgínia Ocidental, Riley Moore, altos funcionários financeiros de mais de uma dúzia de estados alertaram que seus estados parariam de fazer negócios com a BlackRock e outras grandes instituições financeiras, a menos que parassem de seguir políticas “acordadas”, como travar guerra contra fontes tradicionais de energia.


No mês passado, o escritório de Moore colocou cinco instituições financeiras líderes na “Lista de Instituições Financeiras Restritas” de seu estado. Eles agora estão proibidos de contratos bancários com a Virgínia Ocidental devido a “conflitos de interesse” envolvendo ataques às empresas de energia.


As instituições da lista são BlackRock Inc., Goldman Sachs Group Inc., JPMorgan Chase & Co., Morgan Stanley e Wells Fargo & Co. Um grande banco evitou ser colocado na lista ao encerrar sua proibição de empréstimos a empresas que lidam com energia de “combustível fóssil”, uma indústria crítica na Virgínia Ocidental.


Em uma entrevista por telefone com o Epoch Times, Moore elogiou os procuradores gerais do estado por sua carta e por seus esforços para fazer cumprir a lei.


Ecoando os AGs estaduais, Moore disse que as instituições financeiras devem fazer o que são obrigados por lei a fazer: ganhar dinheiro para os clientes, que em muitos casos incluem governos estaduais e fundos de pensão, em vez de buscar agendas políticas.


“Eles não deveriam se preocupar com todo esse absurdo”, disse Moore, referindo-se ao que ele descreve como políticas “acordadas” que são impulsionadas exclusivamente pela esquerda política. “Eles estão fazendo política com nosso dinheiro, tentando empurrar sua agenda política para o país.”


“Nosso próprio dinheiro está sendo usado como arma contra nós”, acrescentou.


O objetivo da coalizão de tesoureiros é fazer com que “os bancos ajam como bancos”, continuou Moore, pedindo às instituições que “saiam do absurdo político e parem de tentar matar nossas indústrias”.


“Eles estão recebendo dólares de impostos da indústria de combustíveis fósseis e, ao mesmo tempo, tentam matar a indústria”, disse ele.


As consequências das ações dos bancos incluem o aumento dos preços da energia que contribuem para o rápido aumento da inflação, a crescente dependência do Partido Comunista Chinês (PCC) para baterias de veículos elétricos e equipamentos de energia eólica e solar, menos empregos disponíveis para cidadãos da Virgínia Ocidental e americanos e muito mais.


Mesmo os esforços na Virgínia Ocidental para extrair minerais de terras raras – um setor industrial crítico atualmente dominado pelo PCC – não podem acessar capital devido às políticas “acordadas” dos bancos, disse ele.


“Todos nós estamos pagando por esse experimento social que eles estão empurrando para nós”, acrescentou o Tesoureiro do Estado da Virgínia Ocidental. “Eles preferem que confiemos na China.”


Os bancos emitiram declarações condenando Moore e suas ações. “Isso me incomoda zero”, disse Moore, ignorando os ataques.


Como os procuradores-gerais por trás da carta, Moore disse que espera que muitos outros estados – incluindo estados importantes como o Texas – sigam políticas semelhantes.


“Fomos os primeiros, mas há um exército atrás de mim”, disse ele. “As próximas sessões legislativas em todo o país verão muitos projetos de lei sobre essa questão.”


A BlackRock recebeu prazo até 19 de agosto para responder à carta AG.


Alex Newman é um colaborador freelance. Newman é um premiado jornalista internacional, educador, autor e consultor que co-escreveu o livro “Crimes of the Educators: How Utopians Are Using Government Schools to Destroy America's Children”. Ele é o diretor executivo da Public School Exit, atua como CEO da Liberty Sentinel Media e escreve para diversas publicações nos Estados Unidos e no exterior.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/states-warn-blackrock-to-stop-pushing-political-agenda_4669124.html


15 views0 comments

Related Posts

See All