Espionagem chinesas nos EUA estão 'fora da escala'

- THE EPOCH TIMES - Oct 6, 2020 -

Cathy He - Tradução César Tonheiro -



As operações de espionagem chinesas nos EUA estão 'fora da escala', diz analista

6 de outubro de 2020 por Cathy He

As operações de espionagem do regime chinês em todo o mundo têm se acelerado na última década e agora estão “fora da escala”, alerta um analista.


Seu comentário ocorre em um momento em que os promotores federais dos EUA anunciam um novo caso relacionado à China quase todas as semanas.


Nos últimos dois meses, um policial da cidade de Nova York foi preso e acusado de espionar a comunidade tibetana para o Consulado Chinês; cinco cidadãos chineses foram acusados de supostamente hackear mais de 100 empresas e entidades em todo o mundo; um pesquisador chinês da UCLA (Universidade da Califórnia em Los Angeles) foi acusado de destruir evidências (um disco rígido) para impedir uma investigação sobre se ele havia transferido software confidencial para a China; um pesquisador da NASA foi preso e acusado de esconder seu financiamento da China; e um ex-oficial da CIA foi preso por supostamente espionar para a China durante uma década.


Nicholas Eftimiades, um ex-oficial sênior da inteligência dos EUA que tem analisado as atividades de espionagem de Pequim por cerca de três décadas, detalhou suas descobertas em um livro de 1994 , “Chinese Intelligence Operations”.


“Quando escrevi o primeiro livro, era notável e estava ativo. E foi quase sempre ignorado pelos Estados Unidos e outros países ocidentais ”, disse Eftimiades ao Epoch Times.

“Mas agora está um pouco fora da escala”, disse ele, observando que um banco de dados que mantém sobre casos de espionagem chinesa relatados em todo o mundo lista atualmente mais de 600 casos — a maioria deles registrados nos últimos 10 anos. Os casos abrangem amplamente o roubo de segredos comerciais, exportação ilegal de tecnologias essenciais para a segurança nacional, cyberhacking e espionagem tradicional. O analista publicou recentemente uma monografia, a primeira de uma série de três, como uma atualização de seu livro.


Quase não há como saber a verdadeira escala do programa de espionagem global do regime, disse Eftimiades, observando que pode “facilmente” variar de dezenas de milhares em até centenas de milhares de casos.


Ao contrário da espionagem tradicional, o regime chinês adotou uma abordagem de “toda a sociedade” para adquirir propriedade intelectual (PI) estrangeira, pois “energiza toda a sociedade para apoiar os objetivos de desenvolvimento nacional, econômico e militar”, disse Eftimiades. Os espiões variam de agências e empresas estatais a empresas privadas e pesquisadores.


Grande parte do roubo de IP se concentrou em tecnologias avançadas nas áreas aeroespacial, tecnologia da informação, energia e novos materiais — setores mencionados na política industrial “Made in China 2025” do regime. O plano identifica 10 setores para um desenvolvimento agressivo para transformar o país em uma potência de manufatura de alta tecnologia até 2025.


Acordando


Eftimiades, que desde a década de 1990 vem alertando sobre a ameaça chinesa, disse que, na época, “ninguém se importou” com o assunto, a não ser alguns parlamentares. Essa preocupação não pegou nas administrações dos EUA, que estavam focadas na Rússia e, após os ataques de 11 de setembro, no terrorismo, até o governo Trump, disse ele.


“Portanto, por décadas, temos (…) carecido de qualquer tipo de resposta às ações econômicas extremamente agressivas da China”, disse ele.


Como o foco não mudou para a China até cerca de quatro anos atrás, as agências de inteligência e fiscalização dos EUA tiveram que tentar recuperar o atraso, disse Eftimiades. O FBI agora tem mais de 2.000 investigações conectadas à China, disse o diretor Christopher Wray em julho. Na última década, houve um aumento de cerca de 1.300% nos casos de espionagem econômica vinculados ao regime, acrescentou Wray.


Eftimiades apontou vários casos de oficiais de inteligência ocidentais recrutados pelo regime chinês como uma indicação de que “não fomos muito bons em nossa resposta” à espionagem de Pequim.


Por exemplo, o ex-oficial da CIA Jerry Chun Shing Lee — um cidadão americano naturalizado que nasceu em Hong Kong e cresceu no Havaí — foi condenado em novembro de 2019 a 19 anos de prisão; ele se confessou culpado por conspirar entrega de informações confidenciais à inteligência chinesa depois que deixou a agência em 2010. Em setembro de 2019, o ex-oficial da Agência de Inteligência de Defesa Ron Rockwell Hansen foi condenado a 10 anos por tentativa de espionagem em nome da China.


Na França, dois ex-oficiais da agência de inteligência estrangeira daquele país (equivalente à CIA) foram condenados em julho a longas penas de prisão por espionagem para a China. Um deles teria servido como chefe da estação em Pequim nos anos 1990, antes de ser chamado de volta à França depois de ter um caso com a intérprete de chinês do então embaixador francês.


“A probabilidade é que ainda estejamos muito, muito profundamente penetrados”, disse Eftimiades. Mas ele disse que os Estados Unidos estão começando a entender a ameaça.


Na semana passada, os democratas do Comitê de Inteligência da Câmara divulgaram um relatório no qual concluíram que as agências de inteligência dos EUA não conseguiram se adaptar às táticas do regime chinês.


"As apostas são altas. Se o CI não caracterizar e contextualizar com precisão a intenção de Pequim, os líderes americanos não conseguirão entender os fatores que motivam a tomada de decisão chinesa”, afirmou o relatório, referindo-se a uma sigla para Comunidade de Inteligência.


O regime não tem explorado apenas agentes humanos, mas também inovou ao combinar espionagem humana e cibernética, “em muitos casos, executada com maestria”, observou Eftimiades.


Por exemplo, uma filial da principal agência de inteligência da China, o Ministério da Segurança do Estado, supostamente coordenou uma rede de hackers, pesquisadores de segurança e cidadãos chineses que trabalham em empresas estrangeiras para roubar segredos da aviação, inclusive da General Electric, de acordo com um relatório de 2019 por Crowdstrike, empresa americana de segurança cibernética. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos anunciou três acusações relacionadas, incluindo uma contra um ex-engenheiro da GE por supostamente roubar a tecnologia de turbinas da empresa para beneficiar Pequim.


Enquanto isso, o despertar gradual das agências governamentais não ocorreu no setor comercial, disse Eftimiades. Ele diz que está “rotineiramente surpreso” com a resposta “indiferente” das indústrias, especialmente empresas que não trabalham na defesa, como as firmas do Vale do Silício.


“As indústrias ocidentais como um todo continuam bastante ignorantes do que está acontecendo”, disse ele.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinese-spy-operations-in-us-are-off-the-scale-analyst-says_3526883.html

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube