Empresas chinesas recorrem à Suíça para captação de recursos

- THE EPOCH TIMES - Kathleen Li - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 23 AGO, 2022 -

O logotipo da Hong Kong Exchanges & Clearing Ltd. (HKEX) é visto no distrito financeiro central de Hong Kong, China, em 14 de setembro de 2020. (Tyrone Siu/Reuters)

As empresas chinesas de Ações A começaram a ser listadas na Suíça, enquanto a Bolsa deValores de Hong Kong (HKEX) registrou um baixo recorde de financiamento em IPOs.


O fraco mercado de IPOs de Hong Kong


De acordo com seus últimos resultados provisórios (pdf), no primeiro semestre de 2022, a HKEX registrou uma queda de 27% no lucro e uma queda de 18% nas

receitas e lucros em comparação com o mesmo período do ano passado. A captação de recursos do IPO caiu de HK$ 211,7 bilhões (cerca de US$ 27,5 bilhões) para HK$ 19,7 bilhões (cerca de US$ 2,6 bilhões), caindo 91% em relação ao período anterior.


Com seu sentimento de mercado fraco recorde no primeiro semestre de 2022, a HKEX saiu do top cinco global em captação de recursos de IPO. Nos últimos 13 anos, Hong Kong foi o principal local de IPO do mundo sete vezes, e sua classificação global mais baixa foi a quarta em 2012 e 2021.


A queda no mercado de IPO afetou o desempenho da HKEX. De acordo com os resultados provisórios de 2022, a receita do negócio principal caiu 11% em comparação com o primeiro semestre de 2021. A queda na receita reflete as “menores taxas de negociação e compensação impulsionadas pelo menor ADT Headline e menores taxas de depósito de aplicativos de e-IPO”.


O valor médio diário do volume de negócios (ADT) é calculado dividindo o valor total da negociação de ações pelo número de dias de negociação durante o ano, conforme definido pela Federação Mundial de Bolsas. Headline ADT significa ADT negociado no HKEX.


No entanto, de acordo com a notícia financeira estatal chinesa CLS, a HKEX continua a ser “a principal escolha para IPOs de retorno em meio à crescente incerteza para as empresas chinesas serem listadas nos EUA”.


Lista de empresas chinesas na Suíça


Enquanto isso, quatro empresas chinesas de ações A em julho emitiram Global Depository Receipts (GDRs) na Suíça (também chamados de GDRs suíços). Desde então, mais empresas chinesas seguiram seus passos para arrecadar fundos no exterior.


De acordo com a Investopedia, GDR é um certificado emitido por um banco que representa ações de uma ação estrangeira em dois ou mais mercados globais.

Pessoas passam por uma tela que exibe o índice de ações Hang Seng fora da Bolsa de Hong Kong, em Hong Kong, em 19 de julho de 2022. (Lam Yik/Reuters)

As quatro empresas chinesas levantaram US$ 1,6 bilhão listando seus GDRs suíços em 28 de junho. As empresas são Keda industrial Group, Ningbo Shanshan, GEM e Gotion High-tech.


“Para que as empresas chinesas listem GDRs na Suíça, a estrutura regulatória existente para GDRs foi revisada, alterada e entrou em vigor em 25 de julho de 2022”, de acordo com a SIX Swiss Exchange (SIX).


Nove empresas chinesas estão se candidatando para listar os GDRs suíços, enquanto a Joincare Pharmaceutical e a Lepu Medical Technology já receberam aprovações condicionais da SIX, informou o Securities Daily chinês em 19 de agosto.


Em resposta à tendência da RDA suíça para as empresas chinesas, Albert Song, comentarista de assuntos atuais e especialista no sistema financeiro chinês, disse ao Epoch Times que as empresas chinesas buscam financiamento no exterior principalmente para arrecadar fundos e expandir a influência estrangeira das empresas.


“Com o Partido Comunista Chinês (PCC) controlando as reservas cambiais, tornou-se cada vez mais difícil para as empresas chinesas obter moeda estrangeira para expandir negócios no exterior, então o financiamento no exterior é uma via”, disse Song.


“A perspectiva de abrir o capital nos Estados Unidos está se tornando cada vez mais difícil devido às regras mais rígidas emitidas pela Comissão de Valores Mobiliários dos EUA, e as empresas chinesas estão enfrentando o fechamento de capital por fraude financeira e relutância em fornecer relatórios de auditoria. Portanto, a Europa se tornou uma alternativa preferida e acredito que haverá uma concentração de empresas chinesas listadas em Londres no futuro.”


As reservas em moeda estrangeira da China (pdf) eram de US$ 3,1041 trilhões no final de julho, o que caiu US$ 117,561 bilhões desde janeiro. Para manter a taxa de câmbio do yuan, a China reduziu suas participações em títulos do Tesouro dos EUA por sete meses consecutivos desde dezembro passado, para um total de US$ 113 bilhões, levando suas participações em títulos do Tesouro dos EUA ao menor nível em 12 anos.


“As empresas chinesas que arrecadam fundos no exterior contribuem com suas imagens. Algumas empresas podem obter mais crédito dos bancos, facilitando a captação de recursos. Alguns também têm vínculos com os governos locais, e ter ativos e recursos financeiros no exterior pode ajudar a resolver questões jurídicas estrangeiras”, disse Song, acrescentando que levantar capital estrangeiro também ajuda as empresas chinesas a levantar fundos domésticos.


“O clima atual da HKEX reflete a deterioração do ambiente político e de negócios de Hong Kong sob a lei de segurança nacional. A cidade não é mais um centro financeiro internacional. Muitas empresas emigram [para listar na Suíça], embora o PCC [Partido Comunista Chinês] espere que as empresas chinesas sejam listadas na HKEX”, acrescentou Song quando perguntado sobre o futuro da HKEX.


Deterioração da imagem e status de Hong Kong


Hong Kong está enfrentando um êxodo de trabalhadores qualificados e expatriados em uma escala não vista desde o início da década de 1990 devido à implementação da lei de segurança nacional de Pequim (NSL) e às duras medidas anti-COVID de dois anos na cidade.

Manifestantes cantam slogans e gesticulam durante uma manifestação contra uma nova lei de segurança nacional em Hong Kong em 1º de julho de 2020. (Anthony Wallace/AFP via Getty Images)

Desde sua promulgação em 2020, a NSL teria levado à prisão de mais de 200 pessoas, incluindo 12 jovens. O Comitê de Direitos Humanos das Nações Unidas emitiu alertas severos sobre a deterioração da situação dos direitos humanos em Hong Kong e instou o governo de Hong Kong a abolir a lei e libertar os dissidentes que prendeu, incluindo aqueles presos durante os protestos pró-democracia de 2019.


A rápida deterioração dos direitos humanos e o êxodo em massa de trabalhadores instruídos impactaram a autonomia da cidade e muitas de suas funções, tornando o outrora florescente centro financeiro internacional menos atraente para o capital estrangeiro.


De acordo com o Financial Reporting Council (FRC), regulador de auditoria de Hong Kong, a emigração de funcionários experientes resultou na escassez de auditores qualificados na cidade, impactando seriamente seu trabalho de auditoria.

Além disso, uma pesquisa recente mostrou que os expatriados que vivem em Hong Kong não estão satisfeitos com finanças pessoais, custo de vida e ambiente urbano.


Kathleen Li contribui para o Epoch Times desde 2009 e se concentra em tópicos relacionados à China. Ela é engenheira, formada em engenharia civil e estrutural na Austrália.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinese-companies-turn-to-switzerland-for-fundraising-as-hong-kongs-ipo-market-deteriorates_4680573.html


10 views0 comments