Efeitos negativo da pandemia no setor de serviços

AP NEWS - Tradução César Tonheiro

2 Ago, 2020



Em uma foto de julho de 2020 fornecida por Wolf's Ridge Brewing, o proprietário Bob Szuter, os funcionários Allison Randolph e Alicia Herrmann, o sub-chefe da cozinha Andy Zamagias, o gerente geral Corey Schlosser e o empregado Andy Powell, da esquerda, se reúnem na choperia do restaurante em Columbus, Ohio. Szuter diz que está tentando descobrir novas maneiras de gerar receita, concentrando-se mais no lado cervejeiro do negócio até que seja seguro ter uma sala de jantar completa. (Charlie Wilkerson / Wolf's Ridge Brewing via AP)

Sem o dinheiro do empréstimo, os restaurantes ficam à mercê do coronavírus


02 de agosto de 2020 Por Joyce M. Rosenberg 


NOVA YORK (AP) - O cheque chegou e os proprietários de restaurantes sitiados em toda a América estão olhando para baixo em suas carteiras vazias.


Os empréstimos do governo na primavera face o coronavírus  ajudaram os estabelecimentos de alimentação a recontratar funcionários demitidos e a superar o aumento inicial da pandemia e a onda de pedidos de desligamento.


Mas esse dinheiro do Paycheck Protection Program (PPP) já foi gasto por muitos restaurantes, deixando-os na mesma posição precária em que estavam nos primeiros dias do surto: milhares de restaurantes estão sendo forçados a fechar novamente com mandatos de autoridades estaduais e locais que combatem o ressurgimento do vírus, particularmente no sul e oeste.


E mesmo em partes do país onde o surto parece contido, a receita dos restaurantes está muito abaixo do normal, porque os requisitos de distanciamento social — e clientes desconfiados — significam menos mesas, menos clientes e horários limitados.


John Pepper usou um empréstimo PPP para pagar funcionários e reabrir quatro de seus oito restaurantes Boloco quando Massachusetts suspendeu sua ordem de fechamento no início de maio. Mas com o dinheiro gasto e negócios nos restaurantes em até 70%, Pepper teve que fechar novamente dois locais. A equipe de 125 pessoas que ele tinha antes do surto de vírus caiu para 50.


"Muito disso está fora de nossas mãos neste momento", diz Pepper. "Neste momento, não vejo minha folha de pagamento cheia de volta."


O Congresso está debatendo outro projeto de assistência que potencialmente terá mais ajuda para pequenas empresas, mas mesmo com mais empréstimos ou doações, os restaurantes permanecerão à mercê do vírus que dizimou seus negócios.


O ressurgimento do vírus levou autoridades da Califórnia, Texas, Flórida e outros estados a pedir que os restaurantes fossem fechados novamente. No Nordeste e em outras partes do país, onde as taxas de infecção parecem mais estáveis, ninguém espera que os limites para refeições sejam levantados em breve.


Os restaurantes geralmente têm uma margem de lucro baixa, entre 5% e 6%, e só conseguem isso se tiverem uma casa cheia praticamente todos os dias, diz Sean Kennedy, vice-presidente executivo da Associação Nacional de Restaurantes. Eles também tendem a ter apenas duas semanas com dinheiro em mãos, tornando-os altamente vulneráveis quando suas vendas caem.



“Eles não foram projetados para ter um interruptor on-off. Eles foram projetados para serem usados sete dias por semana, 14 a 15 horas por dia, com 100% da capacidade ”, diz Kennedy.

Gerry Cea foi forçado a fechar seu restaurante em Miami, o Cafe Prima Pasta, de março a maio, quando o surto começou. Agora, ele novamente fechou a sala de jantar enquanto as autoridades locais tentam conter o vírus; a área de Miami / Dade é uma das mais atingidas pelo vírus da Flórida.

Cea ainda é capaz de atender clientes do lado de fora, mas o intenso calor do sul da Flórida e as frequentes chuvas de verão o limitam a cerca de 40 pessoas por noite, em vez das centenas que ele servia antes da pandemia. E Cea está ciente de que o pico da temporada de furacões ainda está por vir.


“Com o dinheiro da PPP que recebemos, fomos capazes de pagar 48 funcionários, mas isso agora acabou, então ficamos com muito poucas alternativas” de financiamento, diz Cea. Ele espera mais ajuda do governo, mesmo que seja um empréstimo que deva ser pago.


Enquanto isso, Cea diz: "a única razão pela qual estamos praticamente sobrevivendo é porque somos donos do imóvel", diz ele.


A pandemia devastou um setor que esperava ter vendas de quase US $ 900 bilhões este ano. Antes do surto, o Departamento do Trabalho contava com 12 milhões de trabalhadores em bares e restaurantes, e quase dois terços trabalhavam em pequenas empresas com menos de 500 funcionários. Em abril, o emprego em bares e restaurantes de todos os tamanhos havia sido reduzido pela metade ante o fechamento de estabelecimentos fins em todo o país.


Os restaurantes estavam entre as pequenas empresas que o Paycheck Protection Program pretendia ajudar, mas alguns proprietários dizem que o uso é limitado.


Até agora, o programa concedeu cerca de US $ 42 bilhões em empréstimos a bares, restaurantes e empresas hoteleiras. Mas muitos restaurantes consumiram os empréstimos rapidamente porque os termos originais do programa exigiam que usassem o dinheiro dentro de oito semanas para se obter perdão dos empréstimos. Muitos estabelecimentos não puderam reabrir, mas pagaram funcionários para não trabalhar de qualquer maneira. Então, quando reabriram com receita limitada devido ao distanciamento social, não estavam em plenas condições financeiras para pagar suas respectivas folhas de pagamento. O Congresso alterou o requisito de gastos para 24 semanas no início de junho, mas isso foi tarde demais para muitos restaurantes.


Ainda não se sabe qual será a ajuda das pequenas empresas em qualquer pacote de auxílio, embora o secretário do Tesouro Steven Mnuchin tenha mencionado a possibilidade de que pequenas empresas com grande queda de receita possam obter um segundo empréstimo de PPP.


Mas os restaurantes precisam de uma solução de longo prazo que atenda às suas necessidades específicas, diz Kennedy. Por exemplo, permitindo que as famílias que recebem assistência com cupons de alimentos usem seus benefícios nos restaurantes.

"Vamos mancar ou desligar completamente" sem ajuda a longo prazo, diz Kennedy.


Stephanie Williams ainda não reabriu totalmente duas de suas cafeterias Bennu em Austin, Texas, e continua a operar apenas com serviço e entrega na calçada; um terceiro local aberto no fim de semana que tem assentos socialmente distanciados. Williams gastou o dinheiro da PPP que obteve no início de maio — ela se lembrava de trabalhadores em licença, mas com receita de uma loja pela metade e a outra com quase dois terços, Williams teve que dispensar 20 funcionários novamente.


“Presumimos que, ao final de oito semanas, isso terminará. Mas aqui no Texas, as coisas estão drasticamente piores do que quando fechamos em março ”, diz Williams. Como outros estados onde o vírus ressurge, o Texas viu os casos aumentarem após o término dos pedidos de desligamento no início de maio.


Mesmo em áreas onde o vírus parece estável e os restaurantes podem ter refeições, eles estão tendo problemas. A Wolf's Ridge Brewing, um restaurante e cervejaria de Columbus, Ohio, teve que fechar sua sala de jantar e retornar ao serviço de delivery, tendo usado seu dinheiro de PPP, e devido ao distanciamento social não conseguiu receita suficiente. "O que o PPP fez nos colocou em uma posição em que trouxemos as pessoas de volta antes que tivéssemos [rendimento] nos negócios suficientes para apoiá-las", diz o co-fundador Bob Szuter. Ele está tentando descobrir novas maneiras de gerar receita, concentrando-se mais no lado cervejeiro do negócio até que seja seguro ter uma sala de jantar completa.


O restaurante de Jason Brauner, Bourbon Bistro, esgotou seu empréstimo de PPP e está operando com 50% da capacidade, não está fazendo o suficiente para cobrir suas despesas. Brauner está preocupado que o ressurgimento do vírus force o estabelecimento de Louisville, Kentucky, a fechar; ele fechou completamente por duas semanas em março antes de mudar para o atendimento na calçada e depois reabriu gradualmente. Ele pagou toda a sua equipe.

Brauner espera obter uma doação da cidade e gostaria de receber outro empréstimo de PPP. Um empréstimo separado da SBA para desastres econômicos lhe dá algum espaço para respirar, mas também apresenta um dilema. Como muitos donos de restaurantes, Brauner se preocupa em manter dívidas de longo prazo quando o futuro é incerto.


"Estou quase tentado a devolvê-lo", diz ele. "Apenas temos que ver como tudo acontece."


https://apnews.com/60a4e9a873593cc149975c936ef9cf44

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube