ECOSCIENCE: COMO ACABAR COM APOPULAÇÃO DO PLANETA

Updated: May 13

- PATRIOT UNDERGROUND - JUL 11, 2009 - Tradução e Notas: Heitor De Paola -

O principal consultor de ciência e tecnologia do presidente Obama, John P. Holdren, foi coautor de um livro de 1977 no qual defendia a formação de um "regime planetário" que usaria uma "força policial global" para aplicar medidas totalitárias de controle da população, incluindo abortos forçados, programas de esterilização em massa realizados por meio do abastecimento de água e alimentos, bem como implantes corporais obrigatórios que impediriam os casais de ter filhos.


Os conceitos delineados no livro de Holdren, Ecoscience, de 1977, que ele escreveu em coautoria com colegas próximos Paul Ehrlich e Anne Ehrlich, foram tão chocantes que uma matéria de fevereiro de 2009 na Front Page Magazine sobre o assunto foi amplamente descartada como bizarra porque as pessoas não conseguiam se convencer. acreditar que poderia ser verdade.


Foi só quando outro blog da Internet obteve o livro e postou capturas de tela que a terrível verdade sobre o que Holdren havia realmente escrito começou a ser absorvida.

Esta questão é mais presciente do que nunca porque Holdren e seus colegas estão agora na vanguarda dos esforços para combater as “mudanças climáticas” por meio de programas igualmente insanos focados na geoengenharia do planeta. Conforme relatamos em abril, Holdren defendeu recentemente "projetos de geoengenharia em grande escala projetados para resfriar a Terra", como "lançar partículas de poluição na atmosfera superior para refletir os raios do sol", que muitos apontaram já está ocorrendo por meio de chemtrails[i].

Ecoscience discute uma série de maneiras pelas quais a população global pode ser reduzida para combater o que os autores veem como a maior ameaça da humanidade - a superpopulação. Em cada caso, as propostas sãoformuladas numa retórica acadêmica sóbria, mas a base terrível do que Holdren e seus co-autores estão defendendo é clara. Essas propostas incluem:


- Esterilizar a força, e sem publicidade, toda a população, adicionando medicamentos para infertilidade ao abastecimento de água e alimentos do país.


- Legalizar "abortos obrigatórios", ou seja, abortos forçados realizados contra a vontade das mulheres grávidas, como é comum na China comunista, onde mulheres que já tiveram um filho e se recusam a abortar o segundo são sequestradas nas ruas pelas autoridades antes do procedimento para abortar o bebê a força.


- Bebês nascidos fora do casamento ou de mães adolescentes devem ser retirados a força de suas mães pelo governo e colocados para adoção. Outra medida proposta forçaria as mães solteiras a demonstrar ao governo que podem cuidar da criança, introduzindo efetivamente o licenciamento para ter filhos.


- Implementar um sistema de “controle de natalidade involuntário”, onde tanto homens quanto mulheres seriam obrigados a implantar um dispositivo de infertilidade em seus corpos na puberdade e apenas removê-lo temporariamente se recebessem permissão do governo para ter um bebê.


- Esterilizar permanentemente as pessoas que as autoridades considerem já ter filhos demais ou que tenham contribuído para a “deterioração social geral”.


- Aprovação formal de uma lei que criminaliza ter mais de dois filhos, semelhante à política de um filho na China comunista.


- Tudo isso seria supervisionado por um “regime planetário” transnacional e centralizado que utilizaria uma “força policial global” para fazer cumprir as medidas descritas acima. O “regime planetário” também teria o poder de determinar os níveis populacionais de todos os países do mundo.


As citações do livro estão incluídas abaixo. Também incluímos comentários do autor do blog que forneceu as capturas de tela das passagens relevantes. Capturas de tela das páginas relevantes e as citações em seu contexto completo são fornecidas no final dos trechos. As citações do livro aparecem como recuos de texto e em negrito. As citações do autor do blog estão em itálico[ii].


Página 837: Abortos obrigatórios seriam legais


“Na verdade, concluiu-se que as leis de controle populacional compulsório, mesmo incluindo as que exigem o aborto compulsório, poderiam ser sustentadas pela Constituição existente se a crise populacional se tornasse suficientemente severa para colocar a sociedade em perigo”.


Conforme observado no artigo do FrontPage citado acima, Holdren “se esconde atrás da voz passiva” nesta passagem, dizendo “foi concluído”. Sério? Por quem? Pelos autores do livro, são eles. O que Holdren está realmente dizendo aqui é: “Eu decidi que não há nada de inconstitucional nas leis que forçariam as mulheres a abortar seus bebês”. E, como veremos mais tarde, embora Holdren lamente o fato de que a maioria das pessoas pense que não há necessidade de tais leis, ele e seus coautores acreditam que a crise populacional é tão severa que realmente chegou a hora de “leis de controle populacional compulsório”. Na verdade, eles passam o livro inteiro argumentando que "a crise populacional" já se tornou "suficientemente grave para colocar a sociedade em perigo".


Página 786: Mães solteiras devem ter seus bebês levados pelo governo; ou poderiam ser forçadas a abortar.


“Uma maneira de levar a cabo esta desaprovação pode ser insistir em que todos os bebês ilegítimos sejam colocados para adoção - especialmente aqueles nascidos de menores, que geralmente não são capazes de cuidar adequadamente de uma criança sozinha. Se uma mãe solteira realmente deseja ficar com seu bebê, ela pode ser obrigada a passar pelo processo de adoção e demonstrar sua capacidade de apoiá-lo e cuidar dele. Os procedimentos de adoção provavelmente deveriam permanecer mais difíceis para pessoas solteiras do que para casais, em reconhecimento à relativa dificuldade de criar filhos sozinhos. Seria até possível exigir que mulheres solteiras grávidas se casassem ou fizessem abortos, talvez como uma alternativa à colocação para adoção, dependendo da sociedade”.


Holdren e seus co-autores mais uma vez especulam sobre soluções incrivelmente draconianas para o que eles consideram uma crise de superpopulação. Mas o que é especialmente perturbador não é que Holdren tenha simplesmente feito essas propostas - arrancar bebês dos braços de suas mães e distribuí-los; obrigar mães solteiras a provar em tribunal que seriam suficientes para criá-los; e forçar as mulheres a fazerem abortos, quisessem elas ou não - mas que ele o fizesse de uma forma tão desapaixonada e burocrática. Não se deixe enganar pelo tom inócuo e “equilibrado” que ele assume: as propostas são um pesadelo, por mais eufemisticamente que sejam expressas.


Holdren parece não ter noção do vínculo emocional entre mãe e filho, e do trauma devastador que muitas mulheres sentiriam ao longo da história quando seus bebês lhes foram tirados involuntariamente.


Esse tipo de discussão clínica, quase robótica, das leis que afetariam milhões de pessoas no nível mais pessoal possível é profundamente perturbador, é o tipo de atitude que dá aos cientistas má fama. Lembra-me a frase "banalidade do mal" [iii].


Não que isso importe, mas eu mesmo sou “pró-escolha” - ou seja, acho que o aborto não deve ser ilegal. Mas isso não significa que eu seja pró-aborto - eu particularmente não gosto de abortos, mas acredito que as mulheres deveriam ter a opção de praticá-los. Mas John Holdren aqui propõe retirar essa escolha - forçar as mulheres a fazerem abortos. Não é preciso ser um ativista “pró-vida” para ver o horror dessa proposta - pessoas de todos os lados do espectro político deveriam estar indignadas. Minha objeção ao aborto forçado não é tanto para proteger o embrião, mas sim para proteger a mãe de se submeter a um procedimento médico contra sua vontade. E não qualquer procedimento médico, mas um que ela própria (independentemente de minhas opiniões) pode considerar particularmente imoral ou traumático.


Há um adesivo popular nas áreas liberais que diz: “Contra o aborto? Então não faça”. Bem, John Holdren quer FAZER com que você tenha um, seja você contra ou não.


Página 787-8: Esterilização em massa de humanos por meio de drogas no abastecimento de água está OK, desde que não prejudique o gado.


“Adicionar esterilizante à água potável ou alimentos básicos é uma sugestão que parece horrorizar as pessoas mais do que a maioria das propostas de controle involuntário da fertilidade. Na verdade, isso colocaria algumas questões políticas, jurídicas e sociais muito difíceis, para não falar dos problemas técnicos. Nenhum esterilizante existe hoje, nem parece estar em desenvolvimento. Para ser aceitável,tal substância teria que atender a alguns requisitos bastante rígidos: deve ser uniformemente eficaz, apesar das doses amplamente variadas recebidas pelos indivíduos, e apesar dos vários graus de fertilidade e sensibilidade entre os indivíduos; deve estar livre de efeitos colaterais perigosos ou desagradáveis; e não deve ter efeito sobre membros do sexo oposto, crianças, idosos, animais de estimação ou gado”.


OK, Holdren, agora você está realmente começando a me assustar. Colocando esterilizantes no abastecimento de água? Embora você conjecture corretamente que essa sugestão “parece horrorizar as pessoas mais do que a maioria das propostas”, você aparentemente não está entre as pessoas que ela horroriza. Porque em sua extensa lista de problemas com este possível esquema, não há qualquer menção a preocupações éticas ou questões morais.


Em sua opinião, o único impedimento para a esterilização em massa involuntária da população é que ela deve afetar a todos igualmente e não ter quaisquer efeitos colaterais indesejados ou ferir animais. Mas ei, se pudéssemos esterilizar todos os humanos com segurança sem machucar o gado, seria ótimo!O fato de Holdren não ter escrúpulos morais sobre um esquema tão profundamente invasivo e antiético (além do fato de que seria difícil de implementar) é extremamente perturbador e num mundo são, só por isto o desqualificaria de ocupar uma posição de poder em o governo.


Página 786-7: O governo poderia controlar a reprodução das mulheres esterilizando-as ou implantando métodos anticoncepcionais obrigatórios de longo prazo.


Controle de fertilidade involuntária


“Um programa de esterilização de mulheres após o segundo ou terceiro filho, apesar da dificuldade relativamente maior da operação do que a vasectomia, pode ser mais fácil de implementar do que tentar esterilizar os homens”.


“O desenvolvimento de uma cápsula esterilizante de longo prazo que pode ser implantada sob a pele e removida quando a gravidez é desejada abre possibilidades adicionais para o controle coercitivo da fertilidade. A cápsula pode ser implantada na puberdade e pode ser removida, com permissão oficial, para um número limitado de nascimentos”.


Observe bem a frase “com permissão oficial” na citação acima. John Holdren imagina uma sociedade na qual o governo implante uma cápsula de esterilização de longo prazo em todas as meninas assim que chegarem à puberdade, que então devem solicitar permissão oficial para remover temporariamente a cápsula e ter permissão para engravidar numa data posterior. Como alternativa, ele quer uma sociedade que esterilize todas as mulheres, uma vez que tenham dois filhos. Você quer viver em tal sociedade? Porque eu com certeza não quero.


Página 838: O tipo de pessoa que causa "deterioração social" pode ser compelida a não ter filhos.


“Se alguns indivíduos contribuem para a deterioração social geral pela superprodução de crianças, e se a necessidade for urgente, eles podem ser obrigados por lei a exercer a responsabilidade reprodutiva - assim como podem ser obrigados a exercer responsabilidade em seus padrões de consumo de recursos - desde que sejam garantidas as proteções de igualdade”.


Para mim, esta é de certa forma a frase mais horrível de todo o livro - e teve muita competição. Porque aqui Holdren revela que julgamentos morais estariam envolvidos na determinação de quem é esterilizado ou é forçado a abortar seus bebês. Pessoas decentes e adequadas serão deixadas em paz - mas aqueles que “contribuem para a deterioração social” podem ser “forçados a exercer a responsabilidade reprodutiva”, o que só pode significar uma coisa - aborto obrigatório ou esterilização involuntária. Que outra alternativa haveria para “forçar” as pessoas a não ter filhos? Os monitores do governo ficarão nos quartos das pessoas irresponsáveis para garantir que eles usem preservativos? Vamos trazer de volta o cinto de castidade? Não - a única maneira de “forçar” as pessoas a não engravidar ou permanecer grávidas é esterilizando-as ou fazendo-as abortar.


Mas que tipo de insanidade é essa? “Deterioração social”? Holdren está sugerindo seriamente que “algumas” pessoas contribuem para a deterioração social mais do que outras e, portanto, devem ser esterilizadas ou forçadas a fazer abortos, para evitar que propaguem sua espécie? Isso não é eugenia, pura e simples? E a eugenia não é universalmente condenada como uma prática grotescamente má?


Já percorremos esse caminho antes. Num dos episódios mais vergonhosos da história da jurisprudência dos Estados Unidos, a Suprema Corte decidiu no infame caso Buck v. Bell de 1927 que o Estado da Virgínia tinha o direito de esterilizar uma mulher chamada Carrie Buck contra sua vontade, com base exclusivamente nos critérios (espúrios) de que ela era "débil mental" e promíscua, com o juiz Oliver Wendell Holmes concluindo: "Três gerações de imbecis são suficientes." Hoje em dia, é claro, olhamos para trás para essa decisão com horror, já que a eugenia como conceito foi desacreditada para sempre. Na verdade, as Nações Unidas agora consideram a esterilização forçada um crime contra a humanidade.


A frase em itálico no final (desde que sejam garantidas as proteções de igualdade), que Holdren parece pensar que o livra da acusação de eugenia, refere-se à 14ª Emenda (como você verá na versão mais completa desta passagem citada abaixo), o que significa que o programa de eugenia não seria de base racial ou discriminatório - apenas baseado no capricho e nas avaliações dos burocratas do governo que decidem quem é e quem não é indesejável. Se algum funcionário público na América de Holdren determinar que você está “contribuindo para a deterioração social” por ser promíscua, grávida ou ambos, os agentes do governo arrombarão sua porta e a arrastarão para a clínica de aborto chutando e gritando? Na verdade, o caso da Suprema Corte Skinner v.Oklahoma já determinou que a Cláusula de Proteção Igualitária da 14ª Emenda proíbe distintamente a esterilização sancionada pelo estado sendo aplicada de forma desigual a apenas certos tipos de pessoas.


Não, não, você diz, Holdren não está afirmando que algum tipo de pessoa contribui para a deterioração social mais do que outros; em vez disso, ele está afirmando que qualquer pessoa que produza crianças em excesso contribui para a deterioração social e precisa ser impedida de ter mais filhos. Se sim - como isso é mais palatável? Parece que Holdren e seus co-autores não pensaram muito sobre isso, porque o que eles estão sugerindo é uma sociedade totalitária de pesadelo. O que ele imagina: todas as mulheres que cometem o crime de ter mais de dois filhos sejam arrastadas pela polícia para os centros de esterilização do governo? Ou - o mais perturbador de tudo - talvez Holdren esteja perfeitamente bem com o tipo de sociedade distópica que ele visualiza neste livro.


Claro, eu poderia imaginar um bando de caras bêbados sentados balançando a brisa, expressando esses tipos de pensamentos proibidos; quem entre nós não olhou exasperado para uma mãe apressada que comprava barras de chocolate e refrigerante para sua imensa ninhada de crianças rebeldes e pensou: Senhora, por que você ainda não ligou as trompas? Mas é uma questão diferente quando o Czar da Ciência dos Estados Unidos sugere a mesma coisa oficialmente impressa. Deixa de ser uma fantasia inofensiva e, de repente, surge a possibilidade de que possa se tornar uma política governamental. E então não é mais tão engraçado.


Página 838: Nada há de errado ou ilegal sobre o governo ditar o tamanho da família.


“No mundo de hoje, entretanto, o número de filhos numa família é uma questão de profunda preocupação pública. A lei regula outros assuntos altamente pessoais. Por exemplo, ninguém pode legalmente ter mais de um cônjuge de cada vez. Por que a lei não pode impedir uma pessoa de ter mais de dois filhos?”


Por quê?


Vou te dizer por quê, John. Porque o princípio do habeas corpus sobre o qual assenta a nossa nação torna automaticamente inconstitucional qualquer esquema de aborto compulsório, pois garante a liberdade do corpo de cada indivíduo de detenção ou interferência, até que essa pessoa seja condenada por um crime. Ou você está sugerindo seriamente que, caso os burocratas decidam que o país está superpovoado, o mero ato da gravidez seria considerado crime?


Não sou um estudioso do direito, mas parece que John Holdren é ainda menos estudioso do direito do que eu. Muitos dos esquemas bizarros sugeridos em Ecoscience contam com raciocínios jurídicos seriamente falhos. O livro não é tanto sobre ciência, mas sim sobre reinterpretar a Constituição para permitir medidas totalitárias de controle da população.

Página 942-3: Um “Regime Planetário” deve controlar a economia global e ditar pela força o número de crianças que podem nascer.


Rumo a um regime planetário


“Talvez essas agências, combinadas com o PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente) e as agências de população das Nações Unidas, possam eventualmente ser desenvolvidas num Regime Planetário - uma espécie de superagência internacional para população, recursos e meio ambiente. Esse regime planetário abrangente poderia controlar o desenvolvimento, administração, conservação e distribuição de todos os recursos naturais, renováveis ou não renováveis, pelo menos na medida em que existam implicações internacionais. Assim, o Regime poderia ter o poder de controlar a poluição não apenas na atmosfera e nos oceanos, mas também em vias de água doce, como rios e lagos que cruzam as fronteiras internacionais ou que desaguam nos oceanos. O Regime também pode ser uma agência central lógica para regular todo o comércio internacional, talvez incluindo assistência de DCs (Develped Countries) aos LDCs (Least Developed Countries), e incluindo todos os alimentos no mercado internacional”.


“O Regime Planetário pode ser responsabilizado por determinar a população ótima para o mundo e para cada região e por arbitrar as participações de vários países dentro de seus limites regionais. O controle do tamanho da população pode continuar a ser responsabilidade de cada governo, mas o Regime teria algum poder para fazer cumprir os limites acordados”.

Caso você esteja se perguntando quem exatamente aplicaria essas leis de aborto forçado e esterilização em massa: Ora, será o “Regime Planetário”! Claro! Deveríamos ter visto aquele chegando.


O resto desta passagem fala por si. Depois de somar todas as coisas que o Regime Planetário (que tem um belo toque de ficção científica, não é?) controlará, torna-se bastante claro que ele terá poder total sobre a economia global, já que, de acordo com Holdren, este regime planetário controlará "todos os recursos naturais, renováveis ou não renováveis" (que basicamente significa todos os bens), bem como todos os alimentos e comércio nos oceanos e quaisquer rios "que deságuam nos oceanos" (ou seja, 99% de todos os rios navegáveis). O que sobrou? Não muito.


Página 917: Teremos de entregar a soberania nacional a uma força policial internacional armada.


“Se isso pudesse ser feito, a segurança poderia ser fornecida por uma organização internacional armada, um análogo global de uma força policial. Muitas pessoas reconheceram isso como um objetivo, mas o caminho para alcançá-lo permanece obscuro num mundo onde o partidarismo parece estar aumentando. O primeiro passo envolve necessariamente a entrega parcial da soberania a uma organização internacional” (o “Regime Planetário”, presumivelmente), que estará armada e terá a capacidade de agir como uma força policial. E vimos na citação anterior exatamente quais regras essa força policial internacional armada estará aplicando: o controle da natalidade obrigatório e todas as atividades econômicas.

Seria ridículo se Holdren não fosse tão mortalmente sério. Você quer que este homem seja o responsável pela ciência e tecnologia nos Estados Unidos? Porque ele já está no comando.

Página 749: Atitudes pró-família e pró-nascimento são causadas pelo chauvinismo étnico.

“Outra questão relacionada que parece encorajar uma atitude pró-natalista em muitas pessoas é a questão da reprodução diferencial de grupos sociais ou étnicos. Muitas pessoas parecem estar possuídas pelo medo de que seu grupo possa ser superado por outros grupos. Americanos brancos e sul-africanos estão preocupados de que haverá muitos negros e vice-versa. Os judeus em Israel estão incomodados com as altas taxas de natalidade dos árabes israelenses, os protestantes estão preocupados com os católicos e os libaneses com os haussas[iv]. Obviamente, se todos tentarem superar todos os outros, o resultado será uma catástrofe para todos. Este é outro caso da “tragédia dos comuns”, em que o “comum” é o planeta Terra. Felizmente, parece que, pelo menos nas DCs, praticamente todos os grupos estão exercendo contenção reprodutiva”.


Essa passagem não é particularmente digna de nota, exceto pela inclusão da estranha frase “atitude pró-natalista”, que Holdren passa grande parte do livrotentando minar. E o que exatamente é uma “atitude pró-natalista”? Basicamente, significa o desejo de ter filhos e de gostar de bebês. Se pudéssemos suprimir o desejo natural das pessoas de querer filhos e constituir família, poderíamos resolver todos os nossos problemas!


O que me preocupa é a atitude incrivelmente paternalista e culturalmente imperialista que ele demonstra aqui, basicamente agindo como se tivesse o direito de dizer a todos os grupos étnicos do mundo que eles deveriam permitir sua extinção ou pelo menos não aumentar mais suas populações. Como nos sentiríamos se os habitantes da Ilha de Andaman aparecessem nos degraus do Capitólio em Washington,DC e anunciassem que simplesmente havia muitos americanos e, portanto, somos ordenados a parar de reproduzir imediatamente? Imagina-se que a atitude de todas as etnias do mundo em relação à proposta de John Holdren seria: Enfia no rabo, John. Pare de nos dizer o que fazer.


Página 944: Em 1977, enfrentamos uma catástrofe de superpopulação global que deve ser resolvida a todo custo até o ano 2000.


“A humanidade não pode se dar ao luxo de vagar pelo resto do século vinte; os riscos são muito grandes e as apostas muito altas. Esta pode ser a última oportunidade de escolher o nosso próprio destino e o de nossos descendentes. Deixar de escolher ou fazer escolhas erradas pode levar à catástrofe. Mas nunca deve ser esquecido que as escolhas certas podem levar a um mundo muito melhor”.


Este é o parágrafo final do livro, que incluo aqui apenas para mostrar o quão embaraçosamente imprecisas eram suas projeções “científicas”. Em 1977, Holdren pensou que estávamos à beira de uma catástrofe global e propôs a implementação de regras e leis fascistas para evitar o desastre iminente. Felizmente, ignoramos seus avisos, mas o mundo conseguiu sobreviver de qualquer maneira sem a necessidade de nos punir com a sociedade opressora que Holdren propôs. Sim, ainda existe superpopulação, mas os problemas que ela causa não são tão moralmente repugnantes quanto as “soluções” que John Holdren queria que adotássemos.


É importante ressaltar que John Holdren nunca se distanciou publicamente de nenhuma dessas posições nos 32 anos desde que o livro foi publicado pela primeira vez. De fato, como você pode ver na primeira foto que acompanha este artigo[v], Holdren exibe com destaque umacópia do livro em sua biblioteca pessoal e fica feliz em ser fotografado com ela.

Também é importante enfatizar que essas não são apenas as opiniões de um homem. Como documentamos exaustivamente, mais recentemente em nosso ensaio, The Population Reduction Agenda For Dummies, as posições adotadas neste livro ecoam aquelas defendidas por várias figuras públicas proeminentes na política, na academia e no movimento ambientalista durante décadas.


Considere o fato de que pessoas como David Rockefeller, Ted Turner e Bill Gates, três homens que têm laços integrais com o movimento eugenista, se encontraram recentemente com outros "filantropos" bilionários em Nova York para discutir "como sua riqueza poderia ser usada para retardar o crescimento da população mundial”, de acordo com uma reportagem do London Times.


Ted Turner[vi] defendeu publicamente programas chocantes de redução da população que eliminariam a população humana em impressionantes 95%. Ele também pediu uma política de uma só criança, no estilo comunista a ser comandada pelos governos do Ocidente.

Claro, Turner falha completamente em seguir suas próprias regras sobre como todos os outros deveriam viver suas vidas, tendo cinco filhos e possuindo nada menos que 2 milhões de acres de terra.


No terceiro mundo, Turner contribuiu literalmente com bilhões para a redução da população, nomeadamente através de programas das Nações Unidas, abrindo caminho para gente como Bill & Melinda Gates e Warren Buffet (o pai de Gates é há muito um importante membro do conselho da Planned Parenthood e um eugenista top).


A noção de que esses elitistas desejam apenas desacelerar o crescimento populacional para melhorar a saúde é totalmente imprópria. Retardar o crescimento da população mundial e, ao mesmo tempo, melhorar sua saúde são dois conceitos irreconciliáveis para a elite. A estabilização da população mundial é um subproduto natural de padrões de vida mais elevados, como foi comprovado pela estabilização da população branca no oeste. Elitistas como David Rockefeller não têm interesse em “desacelerar o crescimento da população mundial” por métodos naturais, sua agenda está firmemente enraizada na pseudociência da eugenia, que trata de “abater” a população excedente por meio de métodos draconianos.

O legado de David Rockefeller não é derivado de um desejo “filantrópico” bem-intencionado de melhorar a saúde nos países do terceiro mundo, ele nasce de um impulso malthusiano para eliminar os pobres e aqueles considerados racialmente inferiores, usando a justificativa do darwinismo social.


Como está documentado no filme seminal de Alex Jones, Endgame, o pai de Rockefeller, John D. Rockefeller, exportou a eugenia para a Alemanha desde suas origens na Grã-Bretanha financiando o Instituto Kaiser Wilhelm que mais tarde formaria um pilar central na ideologia do Terceiro Reich. Após a queda dos nazistas, os principais eugenistas alemães foram protegidos pelos aliados enquanto as partes vitoriosas disputavam quem iria desfrutar de sua “expertise” no mundo do pós-guerra.


A justificativa para a implementação de medidas draconianas de controle populacional mudou para se adequar aos modismos e tendências contemporâneas. O que antes mascarado de preocupações em torno da superpopulação agora voltou sob a forma de mudança climática e movimento de aquecimento global. O que não mudou é o fato de que, em sua essência, isso representa nada mais do que a pseudociência arcana da eugenia, criada pela primeira vez pela elite norte-americana e britânica no final do século 19 e posteriormente adotada pelo líder nazista Adolf Hitler.


No século 21, o movimento eugênico mudou mais uma vez, manifestando-se por meio da agenda do imposto global de carbono e da noção de que ter muitos filhos ou desfrutar de um padrão de vida razoavelmente alto está destruindo o planeta com o aquecimento global, criando o pretexto para mais regulamentação e controle sobre todas as facetas de nossas vidas.


O fato de que o principal assessor científico do Presidente dos Estados Unidos, um homem com o dedo na política ambiental, uma vez defendeu abertamente a esterilização em massa do público americano por meio do abastecimento de água e alimentos, junto com a abundância de outros propostas nojentas destacadas em Ecoscience, é uma perspectiva assustadora que não estaria fora de lugar em algum tipo de filme de terror de ficção científica futurista, e uma acusação surpreendente da verdadeira fonte do que se manifesta hoje como o ambiente elitista controlado de cima para baixo.


Somente trazendo à luz os chocantes e draconianos planos de controle populacional de Holdren podemos realmente alertar as pessoas para os horrores que a elite planejou para nós por meio de programas de controle populacional, esterilização e abate genocida que já estão em andamento.


---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- [i]A teoria da conspiração sobre a chemtrail (do inglês, chemical trail: 'trilha química') alega que os rastros deixados por alguns aviões são, na verdade, agentes químicos ou biológicos deliberadamente pulverizados a grandes altitudes, com propósitos desconhecidos do público, causando danos à saúde da população. [ii]Este parágrafo foi mantido apesar de não se adequar à tradução. [iii]De autoria de Hanna Arendt [iv]Os hauçás ou haúças (em inglês: Hausa) são um povo do Sael africano ocidental que se encontra principalmente no norte da Nigéria e no sudeste do Níger. [v]Na versão em Inglês [vi]Fundador da CNN, ex-marido de “HanoiJnae” (Jane Fonda)


Para acessar o Conteúdo abaixo, acesse a Home Page aqui.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

http://patriotunderground.blogspot.com/2009/07/obamas-top-science-advisor-called-for.html


74 views0 comments