Economia da China em 2022: um dragão de papel em chamas?

- THE EPOCH TMES - James Gorrie - Tradução César Tonheiro - 14 JAN, 2022 -

Veículos percorrem uma estrada movimentada passando pelo Templo Jing'an em Xangai, China, em 14 de outubro de 2021. (Hector Retamal/AFP via Getty Images)

Pequim lutará para administrar uma crise econômica que certamente está piorando


Qual será o desempenho da economia da China em 2022?


Sob as atuais perspectivas econômicas, essa questão pesa muito nas mentes dos líderes da China.


Uma resposta curta é: “Depende de para quem você pergunta”. Mas uma muito mais honesta seria: “Muito menos do que Pequim precisa”.


Pequim Gerenciando Expectativas


Claro, se você perguntar ao Partido Comunista Chinês (PCC), a resposta será ambiciosa. Isso porque, como diz a linha oficial do Partido, apenas o PCC pode guiar a nação para um futuro brilhante e próspero. Sem uma economia próspera, o PCC não tem autoridade legítima – e todos sabem disso.


Portanto, não é surpresa que Pequim sempre coloque os relatórios econômicos da melhor maneira possível – mesmo que não seja completamente plausível fazê-lo. Para tanto, a estimativa oficial do crescimento esperado para este ano está na faixa de 5,5% a 6%.


Mas, por mais medíocre que seja para os padrões da China nas últimas décadas, até 5,5% podem ser inatingíveis. Certamente é um rebaixamento significativo em relação à meta de crescimento de 6% ou mais para 2021. De fato, após o salto pós-pandemia no primeiro semestre de 2021, a economia chinesa desacelerou no segundo semestre. Algumas estimativas apontam para 4% no quarto trimestre.


Estagnação pairando sobre o setor imobiliário


Pequim certamente preferiria um número mais espumoso para 2022, mas a ameaça de estagnação nos principais setores econômicos é real e crescente, de modo que até 5,5% parece uma meta difícil de atingir.


Por exemplo, o desenvolvimento imobiliário é um dos principais impulsionadores da economia da China, mas ainda não atingiu o fundo, pois o contágio da Evergrande continua a se desenrolar. As coisas ainda estão piorando nesse setor, não melhorando. Derrubar algumas dezenas de arranha-céus em um empreendimento inacabado não resolverá o problema. Mas pode muito bem prenunciar coisas que estão por vir.


Outras imobiliárias, além da Evergrande, estão em apuros financeiros. Kaisa Group, Fantasia Holdings, Modern Land (China) e outros deixaram de honrar os pagamentos de títulos domésticos e offshore.


Embora o PCC esteja tentando preservar os principais atores do setor com resgates financeiros de uma forma ou de outra, nenhuma quantidade de confusões financeiras será suficiente para salvar uma série de empresas de desenvolvimento extremamente alavancadas.


Mandrakaria não será suficiente para ocultar a crise da dívida


O truque financeiro de Pequim pode, no papel, “salvar” algumas empresas com cortes nas taxas, reestruturação maciça e propriedade estatal – mas é provável que ocorram mais inadimplências, brandas ou não. Nem o PCC será capaz de atenuar o impacto geral do mercado imobiliário em queda na economia como um todo. Espera-se que até um terço das empresas de desenvolvimento se encontrem debaixo d'água em 2022.


Na verdade, o efeito cascata pode ser mais forte e mais difundido do que o previsto. Isso não é novo ou tão especulativo como se poderia imaginar. Lembre-se de como o mercado imobiliário em queda nos Estados Unidos, que representava menos de 10% do PIB, desencadeou uma crise financeira em todo o sistema. O desenvolvimento imobiliário e serviços relacionados representam cerca de 30% do PIB da China.


De acordo com Ting Lu, economista-chefe da Nomura para a China, todo o PIB da China em 2022 pode ser de apenas 4,3%, cerca de 20% menos do que as expectativas reduzidas do Partido.


Quebra de títulos municipais em seguida?


Mas o mercado imobiliário não é a única bandeira vermelha na previsão da economia da China. Os veículos de financiamento do governo local (LGFVs), que são essencialmente emissores de títulos municipais que apoiam propriedades locais sem financiamento e projetos de desenvolvimento regional, também estão profundamente submersos. Até o final de 2020, a dívida não paga era de cerca de US$ 8 trilhões, ou metade do PIB da China. Em 2021, os LGFVs ultrapassaram os desenvolvedores em dívida externa, devendo aos detentores de títulos offshore US$ 31 bilhões em pagamentos de títulos que serão pagos em 2022 .


Vendas de terrenos e preços de moradias continuam caindo


Além disso, as vendas de novos terrenos devem cair mais 20% este ano, mesmo após um ano desastroso em 2021, em que as vendas de terrenos caíram 17% ano a ano, com valores caindo em média 9%. Em um esforço para reforçar o cenário de dívidas horrorosas, os serviços de classificação de risco locais estão falsificando as classificações de crédito.


Quão eficaz isso é, ou quanto tempo essa farsa durará, ainda não se sabe. Mas um exercício tão enganoso em si é bastante revelador sobre onde as coisas estão hoje – e para onde estão indo. Isso é particularmente relevante, considerando que os preços das moradias residenciais caíram em dezembro de 2021 pelo terceiro mês consecutivo e as vendas de casas provavelmente cairão mais 10% este ano.


Há pouca dúvida de que a crise imobiliária está em andamento.


Vírus do PCC chega em casa para se abrigar


Para piorar as coisas, o vírus do PCC voltou para a China bem a tempo dos Jogos Olímpicos de Inverno. Independentemente do breve desvio que os jogos possam trazer, a política de tolerância zero de Pequim significa que bloqueios e outras medidas rigorosas de contenção reduzirão a produtividade. Interrupções na produção, transporte e gastos do consumidor se traduzem em ainda menos atividade econômica.

Pessoas fazem fila para testes de ácido nucleico durante um teste em massa em toda a cidade para o Covid-19 em Tianjin, China, em 9 de janeiro de 2022. (Foto Cns via Reuters)

Com o potencial de surtos adicionais nos próximos meses, as vendas no varejo podem crescer apenas 3,7% este ano, um mísero quarto de crescimento de 13% no ano passado. Isso não se traduz apenas em uma fração da demanda por bens, mas também em uma alta taxa de poupança e sentimento negativo do consumidor. A confiança do consumidor não caiu tão rápido desde o surto do vírus do PCC.


Empresas de tecnologia fugindo da China em meio à repressão


Finalmente, no que é um mau presságio a longo prazo, um número crescente de empresas de tecnologia offshore está deixando a China – para sempre. Estas também não são batatas pequenas. Gigantes como Yahoo!, LinkedIn, Epic Games e outros estão rapidamente saindo da China em resposta à repressão tecnológica de Pequim contra Alibaba, Didi e Meituan. O clima regulatório tornou-se muito mais difícil de operar e as violações proibitivamente caras.


Pequim pode tentar colocar uma boa cara em suas perspectivas econômicas para 2022, e os Jogos de Inverno ajudarão nesse esforço. Mas as consequências na economia como um todo desses e outros fatores ainda não foram totalmente percebidas.


A espiral econômica descendente da China pode ser uma fonte de contágio mais perigosa do que seu laboratório de Wuhan.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele está baseado no sul da Califórnia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinas-2022-economy-a-paper-dragon-burning_4207719.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


22 views0 comments