Doutrina das '3 guerras' do PCC para se infiltrar no Ocidente

- THE EPOCH TIMES - Cathy He - Tradução César Tonheiro - 28 SET, 2021 -

Soldados do Exército de Libertação do Povo Chinês (PLA) se reunindo durante o treinamento militar nas montanhas Pamir em Kashgar, região noroeste da China de Xinjiang, em 4 de janeiro de 2021. (STR / AFP via Getty Images)

Guerra psicológica. Guerra de opinião pública. Guerra legal.


Conhecida como a doutrina das “três guerras” e relativamente desconhecida no Ocidente, esse conceito serve como estratégia-chave para guiar o Partido Comunista Chinês (PCC) em sua busca para vencer uma guerra contra o mundo livre sem disparar um único tiro.


A guerra psicológica visa desmoralizar o inimigo; a guerra de opinião pública busca moldar os corações e mentes das massas; a guerra legal busca usar sistemas legais para deter ataques inimigos.


Esta explicação foi apresentada em um relatório de 650 páginas lançado recentemente que fornece uma ilustração abrangente das operações de influência global do regime comunista chinês. O relatório em francês foi publicado pelo Instituto de Estudos Estratégicos das Escolas Militares (IRSEM), uma agência independente afiliada ao Ministério das Forças Armadas da França.


Combinada com outra doutrina-chave do PCCh chamada trabalho da “Frente Unida”, esses princípios sustentaram uma campanha de tirar o fôlego do regime chinês para expandir sua influência e infiltração nas democracias ocidentais, afirmou o relatório.


A Frente Unida, descrita pelo primeiro líder do PCC, Mao Zedong, como uma “arma mágica”, é uma política que, de acordo com o relatório, envolve o regime “eliminando seus inimigos internos e externos, controlando grupos que podem desafiar sua autoridade, construíndo uma coalizão em torno do Partido para servir aos seus interesses e projetando sua influência no exterior”.

O relatório surge em meio a uma resistência crescente do Ocidente contra as agressões do PCCh, incluindo seus graves abusos aos direitos humanos, roubo desenfreado de propriedade intelectual, coerção econômica e assertividade militar.


Esforço de varredura


Guiado por tais estratégias, o regime chinês construiu uma infraestrutura extensa com alcance global que consiste em uma ampla rede de atores estatais e não estatais para executar seus planos.


De acordo com o IRSEM, as operações de influência de Pequim no exterior têm dois objetivos principais: “seduzir e subjugar públicos estrangeiros criando uma narrativa positiva da China” e “acima de tudo, infiltrar e coagir”.


“A infiltração visa penetrar lentamente nas sociedades opostas, a fim de impedir qualquer tendência de agir contra os interesses do Partido”, afirma o relatório.


“A coerção corresponde à expansão gradual da diplomacia 'punitiva' ou 'coercitiva' para se tornar uma política de sanção sistemática contra qualquer estado, organização, empresa ou indivíduo que ameace os interesses do Partido.”


Os alvos das campanhas do PCCh abrangem todo o espectro da sociedade. As principais áreas de batalha incluem educação, mídia, política, cultura e mídia social.


Trabalho da Frente Unida em Ação


Muitos dos esforços da Frente Unida no exterior de Pequim são realizados por meio de uma “rede nebulosa de intermediários” vagamente coordenada por órgãos do PCCh, incluindo embaixadas e consulados chineses, e o Departamento de Trabalho da Frente Unida do Partido, afirmou o relatório.


Em um discurso em 2020, o então secretário de Estado assistente para assuntos do Leste Asiático e Pacífico David Stilwell disse que o PCCh alavanca milhares de grupos estrangeiros que realizam operações de influência política, suprimem movimentos dissidentes, reúnem inteligência e facilitam a transferência de tecnologia para a China.


Embora algumas organizações da Frente Unida declarem publicamente sua afiliação a Pequim, "a maioria tenta se apresentar como ONGs de base independente, fóruns de intercâmbio cultural, associações de 'amizade', câmaras de comércio, meios de comunicação ou grupos acadêmicos", disse Stilwell no momento.


Uma investigação de 2020 pela Newsweek encontrou cerca de 600 desses grupos nos Estados Unidos.


Um dos grupos destacados no relatório é a China-United States Exchange Foundation (CUSEF).


A CUSEF é uma organização sem fins lucrativos com sede em Hong Kong, chefiada pelo bilionário e oficial do regime chinês Tung Chee-hwa, que se apresenta como um grupo independente que trabalha para promover diálogos e intercâmbios entre os EUA e a China. Mas, na realidade, "funciona como uma organização de fachada de fato para o governo da RPC [República Popular da China]", afirmou o relatório, citando as descobertas de um estudo de 2020 da Jamestown Foundation, um think tank com sede em Washington. O grupo também está registrado sob a Lei de Registro de Agente Estrangeiro dos EUA (FARA).


O grupo firmou uma série de parcerias com uma série de conceituados think tanks e universidades americanas, que o IRSEM caracterizou como uma tentativa de “lavar” suas atividades de influência. Os parceiros incluem a Johns Hopkins University, o East-West Institute, o Carnegie Endowment for Peace, o Atlantic Council e o Brookings Institution.


No início deste ano, os laços da CUSEF com o Carnegie Endowment for International Peace ficaram sob os holofotes durante a audiência de nomeação do Diretor da CIA, William Burns. Antes de sua nomeação, Burns atuou como presidente do think tank. Enfrentando críticas de legisladores republicanos, Burns disse ao Senado em audiência que havia “herdado” o relacionamento de Carnegie com a CUSEF, mas cortou os laços com o grupo “não muito depois” de iniciar seu mandato em 2015. Burns disse ainda estar “cada vez mais preocupado com a expansão das operações de influência chinesa.”


O grupo também patrocina muitos diálogos de alto nível entre oficiais do PCC e figuras militares e políticas dos EUA, afirmou o relatório.


A mídia norte-americana também foi alvo da CUSEF. Ela organizou viagens à China para mais de 120 jornalistas de quase 50 veículos de comunicação dos EUA desde 2009, relatou anteriormente o Epoch Times .


De 2009 a 2017, o CUSEF também organizou uma série de jantares e reuniões com executivos e editores de 35 veículos, incluindo a revista Time, The Wall Street Journal, Forbes, The New York Times, The Associated Press e Reuters. Os arquivos do grupo FARA descreveram os jantares, oferecidos pelo fundador do CUSEF, Tung, como “inestimáveis por sua eficácia em conseguir o apoio dos líderes da indústria de notícias”.


O Epoch Times entrou em contato com a CUSEF para comentar.


Repressão


Populações de etnia chinesa no exterior, mesmo aquelas que não são cidadãos chineses, se consideram “alvos prioritários” das operações de influência de Pequim, de acordo com o relatório. Um objetivo, de acordo com o IRSEM, é controlar a diáspora de forma que “não represente uma ameaça ao poder”; a outra é “mobilizá-los para servir aos seus interesses”.


Descrito pela Freedom House como o maior perpetrador de repressão transnacional do mundo, Pequim tem como alvo uma série de grupos dissidentes baseados no exterior, incluindo muçulmanos uigures, ativistas de direitos, defensores da democracia de Hong Kong e praticantes do Falun Gong.


As vítimas enfrentam ataques físicos, ameaças, vigilância, assédio e intimidação por agentes chineses ou seus representantes, pessoalmente ou online, afirmou o grupo de defesa em um relatório de fevereiro.


Em um exemplo extremo, a Freedom House observou o caso de Sun Yi, um praticante do Falun Gong que sobreviveu à prisão no famoso campo de trabalho chinês de Masanjia. Falun Gong é uma prática espiritual que tem sido brutalmente perseguida pelo PCCh por mais de duas décadas.

Fotografia de Sun Yi ao lado da norte-americana Julie Keith - Divulgação/ Flying Cloud Productions

Enquanto estava detido, Sun escondeu uma carta SOS em uma decoração de Halloween para exportação. Posteriormente, foi encontrada por uma americana em 2012. Ele filmou um documentário com imagens secretas detalhando suas experiências e fugiu para a Indonésia.


Em 2017, Sun morreu de insuficiência renal repentina. Sua família disse que Sun nunca teve problemas renais e que o hospital não deu detalhes concretos de sua morte e correu para cremar seu corpo. Nenhuma autópsia foi realizada. Essas circunstâncias levaram os apoiadores da Sun a suspeitar de um crime.


Cathy He é uma repórter que mora em Nova York e se concentra em tópicos relacionados à China. Ela já trabalhou como advogada do governo na Austrália. Ela se juntou ao Epoch Times em fevereiro de 2018.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/three-warfares-doctrine-underpins-ccps-sprawling-campaign-to-infiltrate-the-west-report_4021847.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


79 views0 comments