top of page

'Dominância mental': a guerra de desinformação do PCC nas redes sociais dos EUA

THE EPOCH TIMES - Andrew Thornebrooke - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 31 DEZ, 2022


Aglomerados de novos perfis de mídia social surgem e interagem com contas há muito inativas, aparentemente trocando pontos de vista de todo o espectro político americano.

Os logotipos do Facebook, Google e Twitter são vistos nesta foto combinada. (Reuters)

Alguns exibem bandeiras americanas para fotos de perfil; outros têm imagens de mulheres bonitas. Quase todos são anônimos, embora alguns se façam passar por pessoas reais.


Em tweets, postagens e mensagens, eles divulgam suas opiniões. Algumas defendem com veemência o direito da mulher ao aborto, outras o direito à vida. Alguns defendem a segunda emenda, outros defendem veementemente o Black Lives Matter. Alguns afirmam que os Estados Unidos estão caindo em uma tirania esquerdista. Ainda outros dizem que está indo em direção ao fascismo.



Acima de tudo, eles postam memes depreciando os partidos políticos e as instituições governamentais dos Estados Unidos. Aqui encontra-se um meme do presidente Joe Biden com uma legenda criticando o slogan Build Back Better. Aqui se encontra um meme do senador Marco Rubio (R-Fla.) insinuando que o legislador tem laços financeiros com a Rússia de Putin.


Seria fácil concluir que esses grupos de contas são uma representação perfeita da polarização política que tomou conta dos Estados Unidos nos últimos anos. Mas seria um equívoco.


Nenhuma dessas contas é operada por americanos.


Eles fazem parte de uma ampla série de operações de influência interconectadas conduzidas em benefício do regime comunista da China e são apenas a ponta do iceberg.


O Partido Comunista Chinês ( PCC ), que governa a China como um estado de partido único, está manipulando cada vez mais o que os americanos vêem e acreditam, semeando discórdia e rancor nas redes sociais. Tais operações de influência, longe de serem mera propaganda, são implantadas na busca da maior ambição estratégica do PCCh de minar e deslocar os Estados Unidos como líder da ordem internacional.


Certamente, a ambição do PCCh de substituir o Ocidente democrático por um autoritarismo sinocêntrico não é nova. Mas os métodos que o regime está empregando em suas operações de influência no exterior são novos.


De acordo com o testemunho de especialistas em segurança, legisladores e vários relatórios, o PCCh está adaptando sua estratégia de guerra psicológica contra as fraquezas das sociedades abertas e está evoluindo suas campanhas de influência de corny propaganda (simplória) sobre a glória do comunismo para formas mais sutis e insidiosas campanhas de desinformação destinadas a fazer os americanos desistirem de seu próprio país.


Rubio, que foi alvo de um meme em uma dessas operações de influência, disse que o esforço estava inextricavelmente ligado ao desejo do regime de minar e destruir os Estados Unidos.


“O Partido Comunista Chinês está focado em minar e, finalmente, derrubar os Estados Unidos”, disse o senador da Flórida ao Epoch Times em um e-mail. “Está fazendo hora extra para dominar e influenciar os americanos na academia, na tecnologia, bem como no governo local e federal.”


“Os Estados Unidos não devem ser ingênuos a essa ameaça e começam a reconhecer e proibir as empresas, organizações e softwares que o PCCh usa para influenciar os americanos.”


Guerra da China na mente americana


Para entender por que o PCC está explorando a mídia social para semear a divisão entre o público americano, é necessário entender o que o regime acredita que suas operações de influência buscam.


O Relatório de Poder Militar da China de 2022 do Pentágono ( pdf ), que seleciona as avaliações mais confiáveis do Departamento de Defesa sobre a estratégia e as capacidades da China, destaca o desenvolvimento de um novo método de guerra psicológica emergente entre a liderança político-militar do regime.


O relatório diz que a ala militar do PCCh, o Exército Popular de Libertação (sigla em inglês PLA), está expandindo e desenvolvendo seus métodos para conduzir a guerra mental em um esforço para obter vantagem militar real.


“À medida que o PLA busca expandir o alcance de suas operações de influência em todo o mundo e obter o domínio da informação no campo de batalha, ele está pesquisando e desenvolvendo a próxima evolução da guerra psicológica chamada operação [ões] de domínio cognitivo (sigla em inglês CDO) que alavanca mensagens subliminares, deep fakes, propaganda aberta e análise do sentimento público”, afirmou o relatório.


Um jovem em um cyber café senta-se diante de um computador. (Cancún Chu/Getty Images)

O relatório descreve o CDO como “uma forma mais agressiva de guerra psicológica” destinada a “afetar a cognição, a tomada de decisão e determinado comportamento alvo”.


Em suma, o CDO é a nova metodologia do regime para quebrar a determinação de um adversário, ou então manipulá-lo para se comportar de uma maneira mais afeiçoada com os desejos do regime.


“O objetivo do CDO é alcançar o que o PLA chama de 'domínio da mente', definido como o uso da propaganda como uma arma para influenciar a opinião pública para efetuar mudanças no sistema social de uma nação, provavelmente para criar um ambiente favorável à China e reduzir a resistência civil e militar às ações do PLA”, disse o relatório.


“Os artigos do PLA no CDO afirmam que obter o domínio da mente no domínio cognitivo e subjugar o inimigo sem lutar é o domínio mais elevado da guerra.”


A razão pela qual o PCC está colocando os americanos uns contra os outros ao inflamar a polarização é bastante simples: uma nação em guerra consigo mesma dificilmente é capaz de lutar contra a China comunista.


Sam Kessler, consultor geopolítico da empresa de gerenciamento de riscos North Star Support Group, disse que as novas operações de influência do PCC devem ser consideradas dentro do contexto mais amplo de suas doutrinas e estratégias militares.


A principal delas é a doutrina do regime de “Guerra Irrestrita”, por meio da qual o PCC compromete todos os aspectos da sociedade para alcançar a vitória, bem como sua estratégia de alavancar as “Três Guerras” de guerra legal, de mídia e psicológica.


“[O PCC] está implementando uma guerra cognitiva e assimétrica, que são operações subversivas destinadas a causar medo, confusão, perturbação e polarização na sociedade americana, bem como em outros países-alvo”, disse Kessler.


PCCh provoca 'colapso social' nos EUA


Ao enquadrar como os americanos discutem as questões da época e ao polarizá-los a ponto de serem incapazes de trabalhar uns com os outros, Kessler acredita que o PCC está preparando o terreno para garantir que os Estados Unidos sejam incapazes de enfrentar uma crise e mais propensos a cair em uma espiral de morte nacional.


“O objetivo é enfraquecer a base de uma sociedade e suas instituições, empregando um tipo de estratégia de jogo de longo prazo que geralmente visa indivíduos e grupos inocentes”, disse Kessler.


“Isso pode ser implementado para causar desconfiança nas instituições americanas … Uma vez que essas coisas ficam contaminadas e corroídas a longo prazo, geralmente é muito difícil repará-las. Como resultado, a história mostrou que esses métodos [são] altamente eficazes em causar colapso social, se não apenas caos, quando permitidos por um longo período de tempo”.


Talvez em nenhum lugar essa ambição seja mais clara do que no caso de “DRAGONBRIDGE”, uma operação de influência maligna recentemente descoberta e conduzida em apoio ao PCCh e seus objetivos.


A empresa de inteligência Mandiant, que descobriu a operação em andamento, revelou que a campanha busca minar agressivamente os interesses dos EUA, desencorajando os americanos a votar, inflamando as tensões políticas e alegando que os Estados Unidos são secretamente responsáveis pelo que na verdade é a agressão do PCC.


A operação DRAGONBRIDGE faz isso personificando grupos legítimos, plagiando e alterando artigos de notícias e se passando por cidadãos americanos ansiosos para criticar o histórico dos Estados Unidos em questões raciais e de justiça social.

Segundo Kessler, tais esforços são parte integrante da estratégia do regime para enfraquecer os Estados Unidos por dentro.


“De muitas maneiras, a guerra cognitiva é mais eficaz em drenar a capacidade de uma sociedade de estar pronta para responder quando há mais confusão, moral baixa e resistência mental esgotada”, disse Kessler.


“Afinal, se a espinha dorsal interna de uma sociedade está enfraquecida, cansada e mentalmente exausta por meio dessas campanhas de influência direcionada, ela fica mais suscetível a ser manipulada e controlada por adversários estrangeiros como China, Rússia e Irã.”

O logotipo do aplicativo de vídeo chinês TikTok é visto na lateral do novo escritório da empresa no campus C3 em Culver City, no lado oeste de Los Angeles, Califórnia, em 11 de agosto de 2020. (CHRIS DELMAS / AFP via Getty Imagens)

Operações de influência do PCC aumentando em frequência e sofisticação


Não estava claro nos anos anteriores se o regime tomaria medidas diretas contra essa espinha dorsal. O regime tem historicamente visado membros da diáspora chinesa com propaganda pró-comunista, e há uma curva de aprendizado íngreme de tais operações para semear mais amplamente a inimizade política entre os cidadãos americanos em massa.


No entanto isso mudou. Em questão de apenas três ou quatro anos, o regime e seus atores patrocinados parecem ter se empenhado em criar o caos internacionalmente, como está documentado em vários relatórios publicados pela empresa de inteligência Recorded Future.


Um relatório de 2019 ( pdf ), por exemplo, descobriu que, de 2016 a 2019, as operações de influência do PCC diferem fundamentalmente de outras nações adversárias, como a Rússia.


As operações da Rússia dependem de redes de bots e “fazendas de trolls” que operam em campanhas de influência on-line coordenadas com o objetivo de desestabilizar nações-alvo por meio do aumento de conflitos intranacionais. Tais campanhas criam desconfiança e confusão entre os eleitores em sociedades democráticas e, assim, corroem a capacidade da sociedade de responder às ameaças mais evidentes da nação que dirige a operação de influência.


Antes de 2019, o PCC explorou amplamente o ambiente de mídia aberta dos Estados Unidos para promover visões positivas da China e do comunismo. Seus influenciadores apoiados pelo estado usaram publicidade paga e redes de bots para obter visualizações favoráveis no exterior.


Em 2022, no entanto, outro relatório ( pdf ) descobriu que o PCCh havia migrado com sucesso para uma nova fase de operações de influência, marcada por mensagens direcionadas a públicos bem definidos que eram segmentados com base em dados demográficos granulares, não muito diferente do usado por agências globais de marketing e pesquisa.


“2019 marcou um ponto de virada no uso da desinformação online pela China, com a propaganda computacional voltada para o exterior aumentando rapidamente”, afirmou o relatório.


“No período pós-2019, campanhas inautênticas e personalidades online se tornaram a base da propaganda do PCCh. YouTube, Facebook e outras plataformas globais de mídia social removeram dezenas de milhares de contas suspeitas de manipulação inautêntica atribuída à China nos últimos três anos”.


Essas novas contas, de acordo com a Recorded Future, provavelmente recebem orientação ou apoio material do Departamento de Trabalho da Frente Unida do PCC, uma agência poderosa encarregada de supervisionar as operações de influência global, e da principal agência de inteligência do regime, o Ministério da Segurança do Estado.


Além do mais, a rápida evolução em táticas e estratégias pode indicar que o regime está aprendendo a conduzir a guerra psicológica de um parceiro mais sênior como a Rússia, cujas próprias táticas cibernéticas são muito parecidas com os novos métodos chineses.


“A China e a Rússia estabeleceram uma parceria muito próxima que evoluiu muito durante as últimas três décadas”, disse Kessler. “É muito possível que testemunhemos uma aliança estratégica formalizada entre a China e a Rússia para combater os EUA e o Ocidente mais diretamente em algum momento de nossas vidas, se isso já não tiver ocorrido.”


“Como resultado, Pequim e Moscou melhoraram seus laços de defesa e segurança, além de outras coisas como economia, infraestrutura, energia e recursos naturais. Isso inclui especialmente parcerias cibernéticas entre a China e a Rússia em termos de cooperação e coordenação em relação à segurança da informação e operações entre os dois.”


Dados no centro das campanhas de influência do PCCh


Dado o foco recém-descoberto do regime em operações de domínio cognitivo e seu comportamento cada vez mais estridente na tentativa de minar os interesses dos Estados Unidos, os americanos podem se perguntar com razão o que alimenta a máquina da desinformação da China.


A resposta é dados.


De fato, o regime está alavancando vastos tesouros de dados sobre cidadãos americanos todos os dias como parte de seu esforço para perturbar os Estados Unidos por dentro.


O relatório Record Future 2022 descobriu que a implantação do PCC de “comunicação precisa”, um meio de conduzir operações de influência com base em públicos-alvo, exigia uma quantidade extraordinária de dados aprofundados organizados no nível de indivíduos, comunidades e nações, e mais adaptado para levar em conta cultura, economia, religião e interesses pessoais, entre outros fatores.


“A implementação dessa estratégia na China requer uma compreensão profunda do público-alvo, que está sendo alcançado – com a ajuda de empresas internacionais – por meio de pesquisas de estudos de área, pesquisas no país e dados comportamentais online”, disse o relatório.


Além disso, disse o relatório, os braços de propaganda do regime eram quase certamente clientes da China Data Matrix, uma empresa de monitoramento de mídia com sede na China “que afirma ter 'cobertura completa' do Facebook, Pinterest, Instagram, Linkedin, YouTube, Line e outras principais plataformas, portais da web, comunidades, fóruns e blogs de mais de 100 países e 10 idiomas.”


Talvez não seja surpreendente, então, que as leis do PCC categorizem os dados como um recurso nacional, sujeito à coletivização comunista e, portanto, determinem que todos os dados armazenados no país ou por empresas chinesas devem ser entregues ao Partido mediante solicitação.


Essa necessidade de dados para alimentar as operações de influência do regime também torna problemática a presença de empresas chinesas nos Estados Unidos.


O tipo de dados que podem ser obtidos da gigante da mídia social TikTok por meio de sua controladora chinesa ByteDance, por exemplo, pode ser usado para informar diretamente a construção de uma campanha de influência pelas autoridades comunistas.


O deputado Michael McCaul (R-Texas), que presidirá o Comitê de Relações Exteriores da Câmara quando os republicanos obtiverem a maioria em janeiro, está perfeitamente ciente do problema. Ele acredita que a capacidade do regime de obter os dados dos usuários americanos por meio de empresas como a TikTok é uma peça fundamental do quebra-cabeça.


“Infelizmente, não é surpresa que o PCC esteja trabalhando para semear a discórdia política entre o povo americano”, disse McCaul ao Epoch Times por e-mail. “Os EUA não estão levando a sério a ameaça do PCC.”


“A Bytedance, uma empresa controlada pelo PCC, opera a rede de mídia social mais popular entre os jovens americanos, e as entidades do PCC estão compilando nossos dados confidenciais. Uma Câmara liderada pelos republicanos vai atacar essas ameaças de frente”.


Defender um sistema aberto é difícil, mas possível


O PCC busca moldar o comportamento dos americanos em detrimento dos Estados Unidos. O objetivo é fazer isso explorando a abertura da sociedade americana e das plataformas de mídia social baseadas nos EUA. A ameaça de crise doméstica decorrente de operações de influência está aumentando.


Os desenvolvimentos nos últimos meses mostram que o PCC está ganhando em sua busca para polarizar os americanos e minar o sistema político americano.


Em novembro, bots apoiados pela China enviaram spam ao Twitter, assumindo hash tags e bloqueando pesquisas regionais para impedir que os usuários vissem os protestos contra o bloqueio ocorrendo em toda a China.


Em outubro, um relatório descobriu que o TikTok falhou em impedir 90% da desinformação eleitoral dirigida aos americanos antes das eleições de 2022, incluindo publicidade que continha informações explicitamente falsas destinadas a impedir os americanos de votar.


Em setembro, a Meta desmantelou várias operações de influência baseadas na China, cujo conteúdo foi descrito na abertura desta narrativa.


Atores baseados na China tentaram influenciar as eleições dos EUA, tentaram minar a estabilidade dos EUA criando inimizade racial e tentaram desacreditar e até mesmo atacar os dissidentes chineses que concorreram ao Congresso.


De acordo com outro relatório Recorded Future ( pdf ) publicado em outubro, esses esforços só aumentarão nos próximos anos.


“É quase certo que os influenciadores patrocinados pelo Estado da China estão conduzindo operações de influência maligna visando o público americano de língua inglesa e chinesa com conteúdo multimídia político divisivo nas mídias sociais”, afirmou o relatório.


Nem tudo está perdido, no entanto. De acordo com Kessler, há esperança na transparência, e a capacidade dos agentes do PCC de atiçar o ácido sulfúrico político e minar a segurança nacional dos EUA diminui cada vez que tal esforço se torna claro.


Para esse fim, Kessler disse que o futuro do TikTok será apenas um cata-vento que se poderá usar para dizer para que lado o vento sopra.


“Recentemente, houve maiores esforços para impedir o nível de influência que o TikTok tem na mídia americana”, disse Kessler. “Ele [esforços] continuará a crescer à medida que mais legisladores, autoridades federais e investigadores associarem o TikTok à mídia estatal chinesa, além de ser uma ferramenta de espionagem chinesa”.


“Tratá-lo como uma ferramenta de espionagem e guerra subversiva eliminará o TikTok da mídia americana ou pelo menos o reformará completamente com algoritmos que não serão projetados para prejudicar o tecido social do país e seus filhos”.



 
Andrew Thornebrooke é um repórter do Epoch Times que cobre questões relacionadas à China com foco em defesa, assuntos militares e segurança nacional. Ele tem mestrado em história militar pela Norwich University.


11 views0 comments

Related Posts

See All
bottom of page