Desastre para todos: China se isola do mundo

- NEWSWEEK - Gordon G. Chang - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 25 AGO, 2022 -


No dia 12 deste mês, cinco das maiores empresas estatais da China anunciaram sua intenção de retirar ações da Bolsa de Valores de Nova York. Os anúncios ocorreram em meio ao impasse entre os reguladores americanos e chineses sobre o direito do Conselho de Supervisão de Contabilidade de Empresas Públicas de inspecionar papéis de trabalho de auditoria de empresas chinesas listadas nas bolsas americanas.


As empresas citaram um baixo volume de negócios para as deslistagens voluntárias, mas Pequim aparentemente forçou as empresas a deixar os EUA. As autoridades chinesas estão determinadas a impedir que terceiros estrangeiros tenham acesso a dados corporativos. Em vez disso, Pequim está promovendo ofertas nas bolsas domésticas chinesas.


Por que esse desenvolvimento é significativo? Não porque a China queira acumular informações, o que está claro.


A medida é significativa porque o governante chinês Xi Jinping , enquanto se autodenomina o principal defensor da globalização do planeta, está na realidade cortando os laços da China com o mundo. Ele está, infelizmente, revertendo o gaige kaifang — "reformando e abrindo" as políticas de Deng Xiaoping, o líder da "segunda geração" da China comunista e sucessor de Mao Zedong.


Xi não está deixando nenhum aspecto da sociedade intocado, tentando incansavelmente eliminar as influências estrangeiras na China. Ele está, para promover esse objetivo, alardeando as Quatro Confianças, a última das quais é a confiança na cultura da China. "Confiança cultural" é agora um tema consistente de seus discursos.


Na prática, essa promoção ostensiva de coisas chinesas acabou sendo uma campanha legitimando – e até glorificando – a xenofobia.


Campanhas de "sinização" patrocinadas pelo governo atacaram, entre outros alvos, o cristianismo. No entanto, Xi Jinping, o ateu, está indo atrás de mais do que apenas a religião ocidental. Papai Noel está de fora, assim como outros símbolos seculares associados a um feriado estrangeiro.


Personagens de desenhos animados não são seguros. O Ursinho Pooh, por exemplo, é tratado como um criminoso. Pode-se argumentar que a proibição de Pooh é de origem política, porque internautas chineses inteligentes compararam Xi ao urso gordo e o presidente Obama ao magro Tigrão em uma fotografia dos dois líderes em uma cúpula de 2013.


Mas e a Peppa Pig? O Partido Comunista em 2018 foi atrás do adorável personagem de desenho animado, que se tornou, como disse o The Guardian, o “focinho inimigo do Estado chinês”. O pecado de Peppa? Os preguiçosos chineses adotaram a criatura do chiqueiro como sua heroína.


E na China de Xi, nenhum livro estrangeiro é bom o suficiente. Xi restringiu a distribuição de livros infantis estrangeiros, esperando deter o "influxo de ideologia".

Pessoas reais também sentiram o peso da campanha de Xi. A China, não surpreendentemente, encerrou a maioria dos intercâmbios entre seus acadêmicos e os de outros países. Além disso, professores estrangeiros estão sendo expulsos de instituições chinesas – mesmo aqueles nas supostas “regiões administrativas especiais” autônomas. Na Universidade de Ciência e Tecnologia de Macau, por exemplo, os estrangeiros que saíram de férias por vezes não puderam regressar ao campus para ensinar. Ao tentarem embarcar em voos de volta, ouvi dizer, eles ficam sabendo que seus vistos foram cancelados.


A busca abrangente do regime pela pureza cultural é um sinal de que a calamidade está chegando. Ao longo da história imperial da China, os governantes cortaram os laços com o exterior quando pensaram que o contato com o estrangeiro ameaçava seu domínio.


Paradoxalmente, esses imperadores, ao cortarem os laços da China com o mundo, sustentavam que detinham o Mandato do Céu para governar tianxia, "Tudo Sob o Céu". Mao Zedong, o primeiro governante da República Popular, também adotou a noção de domínio chinês mundial, embora sob diferentes teorias.


Mao, tirando uma página da história imperial, fechou a China com sua "Cortina de Bambu" e, livre para fazer o que quisesse, embarcou em programas anormais. Por exemplo, sua Revolução Cultural cruelmente antiestrangeira, a campanha de uma década iniciada em 1966, matou milhões, quase destruiu o estado comunista chinês e fez o país retroceder décadas.


Xi Jinping, que reverencia Mao e o imita sempre que possível, agora está promovendo vigorosamente a tianxia e, ao mesmo tempo, fazendo o possível para isolar a China, evocando os piores períodos da história chinesa.


Então, Xi está patrocinando uma retirada temporária do mundo ou uma separação completa dos maoístas?


"A ascensão de Xi reflete um fechamento historicamente significativo da China, já que o partido-Estado, pela lógica do regime de tianxia, decidiu que seu interesse político exige uma redução da já seletiva 'abertura', mesmo à custa de selar novamente. China em isolamento", disse Fei-Ling Wang, da Escola Sam Nunn de Assuntos Internacionais do Instituto de Tecnologia da Geórgia, à Newsweek . "Não é um recuo momentâneo."


O sistema tianxia da China sempre causou sofrimento. Ele tem, escreveu Wang em The China Order: Centralia, World Empire, and the Nature of Chinese Power, "um registro de desempenho abaixo do ideal que apresenta governança despótica, longa estagnação da economia, asfixia da ciência e tecnologia, retardo das atividades espirituais, alocação de recursos, grande depreciação da dignidade humana e da vida, padrões de vida baixos e em declínio para as massas e morte e destruição em massa periódica e frequentemente”.


No passado, os governantes chineses prejudicaram apenas a China com seus movimentos isolacionistas. Desta vez, no entanto, Xi Jinping não pode fechar uma China interconectada sem afetar também o mundo.


O desastre da China, com toda a probabilidade, se tornará o desastre do mundo.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio autor.


Gordon G. Chang é o autor de The Coming Collapse of China. Siga-o no Twitter


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.newsweek.com/disaster-everyone-china-cuts-itself-off-world-opinion-1736656


26 views0 comments