Desacordo entre as facções do PCC

01/10/2019


1 de outubro de 2019 por LUO YA E ZHANG DUN



- THE EPOCH TIMES -

Tradução de César Tonheiro




O líder chinês Xi Jinping enfrenta uma tremenda pressão dos protestos de Hong Kong, da guerra comercial EUA-China e das crises domésticas, revelaram duas fontes internas ao Epoch Times antes do Dia Nacional, o 70º aniversário da tomada do Partido Comunista pela China em 1º de outubro. Além disso, duas facções da liderança chinesa, que estão em desacordo umas com as outras, intensificaram suas críticas ao manejo de Xi nos principais assuntos políticos.


Os dois membros são filhos de idosos do Partido e conversaram com o Epoch Times em língua chinesa sob a condição de anonimato.


Protestos em Hong Kong


Os protestos implacáveis em Hong Kong representam um dos maiores desafios políticos para Pequim. No fim de semana antes de 1º de outubro, os manifestantes de Hong Kong organizaram duas atividades em grande escala, com o tema “Oponha-se ao autoritarismo, abrace o amanhecer”.


A Frente de Direitos Humanos Civis de Hong Kong também planejou uma marcha em massa para o Dia Nacional, que deve ser o maior dos protestos de quatro meses até agora, para expressar as frustrações de Hong Kong nas autoridades chinesas: o Dia Nacional não é um dia de comemoração, mas um dia de luto.


Um dos participantes disse ao Epoch Times que Xi não está disposto a mostrar uma postura dura em relação aos protestos de Hong Kong quando Pequim comemora o 70º aniversário do Dia Nacional, mas, ao mesmo tempo, ele não quer fazer concessões das demandas dos Hongkongers, especialmente a demanda por sufrágio universal.


“Xi decidiu não reprimir os protestos antes do Dia Nacional, e basicamente ninguém na alta liderança o desafiaria. O que me preocupa é o que ele fará depois do Dia Nacional. Se a linha de fundo de Xi não for 'disparar contra manifestantes e nenhuma morte for permitida', não haverá outra repressão semelhante à Praça da Paz Celestial; ele continuaria com as táticas atuais - você pode chamá-las de táticas descaradas ou algo assim. Do mesmo modo, o campo pró-democracia de Hong Kong organizará protestos e manifestações em todos os feriados”, disse o informante.


“No entanto, se o Partido Comunista Chinês (PCC) decidir reprimir os protestos após o Dia Nacional de uma maneira brutal, está condenado a ser um desastre para o PCCh, porque o Presidente Trump apenas deixou claro nas Nações Unidas que os Estados Unidos Os Estados não chegarão a um acordo com a China nas negociações comerciais bilaterais se a China não lidar com a questão de Hong Kong de maneira humanitária. Além disso, a União Européia, o Japão, a Austrália e a Nova Zelândia declararam adotar posições semelhantes ”, acrescentou.


“Acredito que essa seja a maior pressão que Xi está enfrentando, pois a perda que ele teria que enfrentar seria insuportável se ele ousasse ofender todos esses países democráticos livres. Ele também deve considerar as perdas que isso pode acarretar para Hong Kong. Portanto, não acho que ele se atreva a reprimir os protestos em Hong Kong com intervenção militar. Eu realmente espero que ele não tome a decisão errada, porque ele sofreria grandes perdas, e também haveria grandes perdas para Hong Kong e o povo de Hong Kong”, disse a fonte.


Polícia do Continente em Hong Kong


A fonte também revelou que há muitas polícias chinesas do continente entre a força policial de Hong Kong.


O número de policiais reais de Hong Kong é de apenas 30.000. Eles não têm capacidade para lidar com essas manifestações de massa. A polícia da China cont

inental está por toda parte, vestindo uniformes da polícia de Hong Kong, segundo a fonte.

Além disso, ele apontou que, nos 22 anos seguintes à transferência de Hong Kong para a China, o PCCh já se infiltrou com sucesso na força policial de Hong Kong por meio de sua campanha Azul-Ouro-Amarelo (BGY).


O PCC executa a chamada campanha BGY para ampliar seu controle fora da China. Azul significa censura na Internet e lavagem cerebral, ouro significa influência monetária, amarelo significa sedução sexual e chantagem para coagir a cooperação quando necessário.


Oponentes Intensificam as Críticas


Outra fonte revelou que as diferentes vozes direcionadas a Xi dentro da liderança chinesa estão se tornando cada vez mais intensas. Por exemplo, em 15 de setembro, a revista Qiushi, a principal revista teórica do PCC, publicou um discurso de Xi em 2014 no qual ele aboliu o sistema anterior de posse da vida (emprego vitalício) para altos oficiais do PCC e implementou o sistema de posse fixa (emprego com prazo determinado).


Isso contrasta fortemente com a revisão de Xi da Constituição no 19º Congresso Nacional em 2017, quando Xi removeu os limites de mandato presidencial para o "Presidente Chinês" e o "Vice-Presidente", buscando se tornar um "presidente vitalício".


"As diferentes vozes [visando Xi] dentro do Partido tornaram-se cada vez mais fortes, e essas pessoas costumam usar as declarações passadas de Xi para desaprovar o que ele está fazendo agora."


A fonte explicou ainda que isso está acontecendo porque Xi não se saiu bem ao lidar com os protestos de Hong Kong, com a guerra comercial China-EUA e "criou problemas difíceis de resolver", tornando-se vulnerável a ataques.


No mês passado, os líderes do PCCh realizaram sua reunião anual em Beidaihe. A reunião isolada à beira-mar geralmente inclui altos funcionários atuais e aposentados do Partido, e as várias facções do PCCh tentam chegar a um consenso antes que as principais decisões sejam anunciadas nas sessões plenárias do Partido.


A fonte também revelou que, na reunião de Beidaihe no mês passado, Jia Qinglin, ex-membro do Comitê Permanente do Bureau Político, escreveu uma carta aberta a todos, intitulada: "Ainda vamos ter uma reunião em Beidaihe no próximo ano?"


Jia levantou questões críticas na carta, como: "Com que diabos planejamos resolver a questão de Hong Kong?" Além disso, a relação EUA-China piorou para esse nível, e a economia chinesa continua em declínio: "Podemos nós [PCC] sobrevivemos até o próximo ano?”


A fonte também confirmou as informações que o Epoch Times obteve anteriormente sobre a reunião de Beidaihe, ou seja, os líderes chineses estão divididos sobre a questão de Hong Kong e a guerra comercial EUA-China, e os dois grupos opostos não chegaram a um acordo na reunião.


“Na verdade, os dois grupos opostos não gostam da maneira como Xi trata dos assuntos de Hong Kong e das relações EUA-China. Um grupo o critica por não fazer concessões, o outro grupo o critica por não tomar uma posição difícil.”


“A situação atual, em relação aos assuntos de Hong Kong e às relações EUA-China, é terrível em todos os sentidos. Portanto, ambos os grupos têm motivos para se oporem a Xi”, acrescentou.



Artigo original:

https://www.theepochtimes.com/xi-jinping-faces-mounting-pressure-on-the-regimes-70th-founding-anniversary-insiders-reveal_3102626.html

0 views

Notícias Conservadoras

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online