top of page

Democratas de Nova York Votam Para Dar Liberdade ao Estado Sobre Crianças Menores de Idade

- GATEWAY PUNDIT - Cara Castronuova - 23 MAIO, 2023 - TRADUÇÃO GOOGLE -

O chamado “Comitê de Saúde” da Assembleia de Nova York vota SIM para permitir que menores de idade USE DROGAS SEM CONSENTIMENTO DOS PAIS! VÍDEO IMPERDÍVEL de pais furiosos repreendendo HACKS POLÍTICOS na audiência!


Os democratas na Assembléia do Estado de Nova York estão empenhados em dar rédea solta ao governo para injetar em seu filho o que o Big Brother julgar necessário.


Por que esses democratas, muitos deles pais, dariam ao governo o poder de injetar até mesmo seus próprios filhos pelas costas? Por favor, leia o artigo abaixo dos escritores convidados Michael Kane de “Teachers for Choice” e John Gilmore de “Autism Action Network”. Lembre-se, isso pode acontecer fora de Nova York e da Califórnia se VOCÊ não se envolver no governo local e ficar por dentro das leis que esses políticos comprometidos estão invadindo.


Pela primeira vez, os pais de Nova York serão completamente impedidos de saber quais vacinas são injetadas em seus filhos, se o Projeto de Lei A276B da Assembleia se tornar lei.


"O EIXO DO MAL LATINO AMERICANO E A NOVA ORDEM MUNDIAL"

Em 16 de maio, o Assembly Bill A276B foi aprovado pelo Comitê de Saúde em Albany, NY. O projeto de lei permite que menores de idade consintam em qualquer vacina ou medicamento relacionado à prevenção de DST sem o conhecimento ou consentimento dos pais. Isso inclui a controversa vacina contra o HPV Gardasil, que não é necessária para frequentar nenhuma escola em Nova York. Este projeto de lei existe há quase 14 anos e foi aprovado pela deputada Amy Paulin o tempo todo, mas nunca foi capaz de passar por uma votação do comitê.


Por favor, veja os cidadãos de Nova York enfurecidos com os hacks políticos do chamado “Comitê de Saúde” depois de terem votado SIM neste projeto de lei inconstitucional:



Mas agora que Paulin é a presidente do comitê, ela está trabalhando duro para aprová-lo faltando menos de 3 semanas para o final da sessão, sem período de comentários públicos ou debate agendado, em um ano sem eleições. Até agora, apenas um comitê foi aprovado, mas, a menos que haja conscientização pública, o projeto de lei se tornará lei nas próximas semanas.


Assista aos democratas mascarados votarem sim no projeto de lei no vídeo abaixo, para desgosto de “We The People” na sala.



Após a votação, Moe Oliver, que era um professor veterano de 23 anos em Nova York demitido por recusar a vacinação cobiçosa, expressou seu desgosto com o fato de todas as mulheres negras no Comitê de Saúde terem votado para retirar os direitos dos pais. Moe observou que “não havia homens negros” no comitê (sendo ele mesmo um homem negro) e que “algo está errado no mundo” quando os funcionários eleitos descartam os direitos dos pais com tanta facilidade.


Não há idade mínima definida para esta nova “lei” ilegal. Qualquer criança está em risco. Os registros podem ser ocultados dos pais.


Imagens da votação do Comitê de Saúde da Assembleia se tornaram virais no Twitter, mostrando a votação real no Comitê de Saúde, bem como algumas das consequências da votação.


A controversa vacina contra o HPV.


Muitos ativistas de longa data pela liberdade médica em Nova York ficaram muito chocados com o voto da deputada Rodneyse Bichotte, cujo histórico de votação sempre apoiou os direitos das pessoas e dos pais de decidir quais vacinas tomar ou não tomar. votou contra a revogação da isenção religiosa à vacinação na Comissão de Saúde e no plenário da Assembleia. Naquela época, ela falou no chão sobre como foi vacinada contra o sarampo quando criança, mas foi infectada com a doença duas vezes depois disso. Ela também se manifestou publicamente em apoio aos trabalhadores de Nova York que não queriam tomar a vacina para manter seus empregos. Ela afirmou que as decisões pessoais de saúde devem ser deixadas para os indivíduos decidirem “o que é certo para eles e o que é certo para suas famílias”.


Esse voto de “sim” de Bichotte para permitir que as crianças sejam vacinadas pelas costas dos pais vai contra esses comentários que ela fez há menos de dois anos, no auge do COVID.


Uma emenda irritante de última hora ao projeto de lei A276B permite que as parteiras administrem vacinas sem o conhecimento ou consentimento dos pais. A única vacina contra DST que uma parteira pode administrar é a vacina HEP-B, que é administrada rotineiramente no primeiro dia de nascimento. Isso abre a questão de saber se um bebê recém-nascido pode “consentir” com um procedimento médico. A pessoa que determina se uma criança pode consentir com base na forma como esta lei está escrita é a pessoa que aplica a vacina, neste caso, a parteira ou o médico supervisor. Embora isso possa parecer uma linha de questionamento absurda a ser considerada, nada neste projeto de lei deixa claro que esse cenário não é permitido.


-
PUBLICAÇÃO ORIGINAL >



8 views0 comments
bottom of page