Crises de alimentos, combustíveis e inflação resultam de políticas globalistas

- THE EPOCH TIMES - Patrícia Adams e Lawrence Solomon - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 31 MAI, 2022 -

Um policial especial é visto no telhado do hotel do Congresso durante uma sessão na reunião anual do Fórum Econômico Mundial (WEF) em Davos, em 24 de maio de 2022. (Fabrice Coffrini/AFP via Getty Images)

As elites globais deixaram Davos na semana passada depois de lidar com soluções para as profundas crises que o mundo enfrenta. Elas saíram como chegaram, sem se dar conta que as crises são inteiramente de sua própria autoria.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Veja a energia, onde a escassez levou aos preços mais altos da gasolina na história dos EUA e do Reino Unido e à pobreza que afeta milhões de pessoas. Se não fosse o espectro das mudanças climáticas – durante décadas uma das preocupações centrais dos globalistas – a situação energética do mundo seria radicalmente diferente.


As areias betuminosas do Canadá não teriam sido demonizadas e o país teria construído o oleoduto Keystone XL e outros oleodutos para transportar quantidades cada vez maiores de energia através do continente e além.


Instalações de gás natural liquefeito nas costas do Atlântico e do Pacífico da Ásia, Américas e Europa teriam sido construídas para transportar e receber gás natural em abundância.


As políticas “Zero Carbono” não prejudicariam o financiamento de novas instalações de combustíveis fósseis. Os impostos sobre o carbono não tornariam a energia cada vez mais cara.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Da mesma forma que os Estados Unidos rapidamente se tornaram o maior exportador de petróleo e gás do mundo, uma vez que o governo Trump reduziu as regulamentações relacionadas ao clima, a Europa estaria inundada de energia se as proibições de fraturamento hidráulico (extração de gás natural ou óleo de xisto) e desenvolvimento offshore de combustíveis fósseis fossem suspensas para permitir desenvolvimento de suas imensas reservas de petróleo e gás. Em vez de pobreza de combustível, a Europa experimentaria abundância de combustível.


Os globalistas que pressionam as políticas de mudança climática nos dizem que não há escolha se o planeta deve ser salvo de uma catástrofe daqui a muitas décadas, senão séculos. O que eles não nos dizem é que suas profecias de destruição são baseadas em modelos climáticos de computador, os quais provaram ser falsos até hoje.


Nem uma única afirmação – se as calotas polares do Ártico derreteriam ou as populações de ursos polares diminuiriam ou os tornados aumentariam – se materializou. Pessoas razoáveis podem contestar se as profecias de destruição se materializarão no futuro. Pessoas razoáveis não podem contestar que as decisões passadas dos globalistas de anular o livre mercado criaram a atual crise energética.


Apesar das políticas de mudança climática dos globalistas, o dióxido de carbono na atmosfera – agora em 400 partes por milhão – atingiu níveis recordes. Isso foi uma benção para o planeta porque o CO2 – também conhecido como fertilizante da natureza – produziu uma abundância de colheitas abundantes. A Austrália relata colheitas recordes de trigo, cevada e canola e colheitas quase recordes de sorgo. A Índia, o segundo maior produtor mundial de trigo, espera um recorde de exportações este ano. O Brasil espera milho recorde. A Rússia, com outra safra recorde, será o maior exportador mundial de trigo.

Uma colheitadeira colhe trigo em um campo perto da vila de Suvorovskaya, na região de Stavropol, na Rússia, em 17 de julho de 2021. (Eduard Korniyenko/Reuters)

No entanto, a fome está aumentando. As Nações Unidas alertam que estamos no meio de uma “crise alimentar global” na qual “44 milhões de pessoas em 38 países estão em níveis de fome de emergência”. Aqui, também, a responsabilidade recai sobre as políticas globalistas que tornam os alimentos inacessíveis.


Um contribuinte dominante para a fome são as interrupções na cadeia de suprimentos causadas pela decisão dos globalistas de abandonar as respostas tradicionais às pandemias em favor de um bloqueio experimental de grande parte da economia mundial. O caos e os custos dessa decisão dos governos de aplicar sua teoria de bloqueio do COVID-19 derrubaram os sistemas de distribuição de alimentos do mundo e aumentaram o custo dos alimentos. A inflação criada quando os governos imprimiram dinheiro para apoiar indústrias e indivíduos marginalizados durante os bloqueios tornou os preços dos alimentos ainda mais proibitivos.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


Exacerbar as interrupções na cadeia de suprimentos foi a decisão dos globalistas de perpetuar a guerra Rússia-Ucrânia, fornecendo à Ucrânia bilhões em armamentos, um desvio da norma anterior de pressionar os combatentes a resolver suas diferenças por meio de negociações. Como resultado, a produção agrícola na Ucrânia, antes conhecida como o celeiro da Europa, entrou em colapso, com a produção de trigo caindo 44% e a de milho 39%.


Pessoas razoáveis podem contestar se os governos ocidentais foram sábios em implementar e financiar os bloqueios ou perpetuar a guerra Rússia-Ucrânia, mas não podem contestar que suas ações estimularam o aumento da fome que o mundo está enfrentando hoje.


Os globalistas podem acreditar que o mundo precisa de sua nova ordem mundial. Mas eles também exemplificam o ditado de que o caminho para o inferno é pavimentado com boas intenções.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Patrícia Adams é economista e presidente da Energy Probe Research Foundation e da Probe International, um think tank independente no Canadá e em todo o mundo. Ela é a editora dos serviços de notícias da Internet Three Gorges Probe e Odious Debts Online e autora ou editora de vários livros. Seus livros e artigos foram traduzidos para chinês, espanhol, bengali, japonês e bahasa indonésio. Ela pode ser contatada em patriciaadams@probeinternational.org


Lawrence Solomon é colunista do Epoch Times, autor de 7 livros e diretor executivo do Consumer Policy Institute de Toronto. Ele pode ser contatado em LS@lawrencesolomon.ca


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/food-fuel-and-inflation-crises-all-stem-from-globalist-policies_4501145.html


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS LIVROS DE MINHA AUTORIA >>>

https://www.heitordepaola.online/meuslivros


20 views0 comments