Crise PCC vírus: uma oportunidade para aumentar a dependência global 'Made in China'

23/03/2020


- NATIONAL INTEREST -

Tradução César Tonheiro


Competição encontra crise: a oportunidade perversa da China e uma resposta estratégica


Pequim transformou a crise do coronavírus em uma competição. Os Estados Unidos devem investir não apenas para curar, mas para vencer.

23 de março de 2020 por por Emily de La Bruyere Nathan Picarsic


O coronavírus, também conhecido como COVID-19, surgiu pela primeira vez na China. A divulgação tardia, inadequada e distorcida de informações de Pequim acelerou a disseminação global do vírus. A manipulação de informações na China continua a dificultar os esforços de resposta. Agora, à medida que o mundo luta contra a pandemia e seus custos humanos, econômicos e sociais Pequim vê uma oportunidade e está manobrando para aproveitá-la.   


Pequim pretende usar o deslocamento e a desaceleração globais para atrair investimentos estrangeiros, capturar participação e recursos estratégicos de mercado especialmente aqueles que forçam a dependência, e proliferar redes, padrões e plataformas globais. Pequim pretende reverter os recentes esforços dos EUA para proteger contra a presença internacional subversiva da China; ao mesmo tempo, para afastar as relações EUA-Europa. Em resumo, Pequim pretende usar o coronavírus para acelerar sua ofensiva estratégica de longa data.


Tian Feilong, do Comitê de Revisão Administrativa de Pequim, resume bem o plano: "A epidemia vai aprofundar a dependência ocidental da China". "Apoiará a expansão do poder brando e duro da China". "Aprofundará a cooperação Sino-Europa 5G", enquanto "reduzirá estruturalmente a força política e econômica dos EUA". "A economia dos EUA vai declinar."  

 

Segundo Pequim, essa oportunidade é semelhante à da crise financeira de 2008, porém maior. A China usou a abertura apresentada pela crise econômica de 2008 para alcançar a paridade. No coronavírus, Pequim vê a chance de vencer. Desta vez, a China se beneficia de uma posição estratégica quase igual. Também se beneficia do status de pioneiro. A China tem a vantagem temporal: o coronavírus começou na China (para registro, na mesma cidade que abriga o principal instituto de pesquisa em virologia de Pequim , um laboratório de referência da Organização Mundial da Saúde que armazena e estuda uma variedade de patógenos graves). A China diz que seus trabalhadores já estão voltando ao trabalho. Eles estão posicionados para superar seus pares globais e capturar a demanda global assim que as economias desenvolvidas retornarem on-line meses atrás da China. 


Fontes chinesas autorizadas são explícitas e quase unânimes sobre o assunto. A frase “aproveite a oportunidade” foi codificada na política oficial do nível nacional ao local. Essa política mostra Pequim manobrando rapidamente. 


A aposta da China começa no nível industrial, com movimentos para estimular a produção e exportação de bens estratégicos: produtos farmacêuticos e suprimentos médicos, mas também microeletrônica, materiais de fabricação e produtos agrícolas. O objetivo, como Han Jian da Academia Chinesa de Ciências coloca, é “transformar a crise em uma oportunidade para aumentar a dependência global sobre 'Made in China'”.  


O próximo passo é "aproveitar a oportunidade" para proliferar os sistemas chineses informação, transporte, financeiro. O Comitê Central do Partido e o Conselho de Estado pedem à China pós-epidemia “que promova vigorosamente a construção 5G, UHV, trilhas urbanas de alta velocidade, transporte ferroviário urbano, veículos ferroviários novos, veículos de energia nova, big data em infraestrutura, inteligência artificial e Internet industrial”. Tarefas de nível local em Chengdu abrem novas rotas aéreas, ferroviárias, de frete e hubs à medida que as operações são fechadas em outros lugares. Um relatório de um dos mais conceituados grupos de reflexão financeira da China descreve os benefícios das medidas de resposta a crises para "Internacionalização do Yuan (moeda da China  ¥)" e "economia digital". 


Pequim também está se preparando para exportar internacionalmente os sistemas domésticos de monitoramento, vigilância e informações que estabeleceu para a epidemia, reunidos sob esforços de "assistência". Pequim respondeu ao coronavírus em casa com um sistema de controle e coleta de informações sem precedentes mesmo para os padrões chineses : os data centers locais de "turismo" rastreiam movimentos de "populações sensíveis" de cidade em cidade; verificações de temperatura nos sistemas de transporte público classificam as pessoas; o reconhecimento facial nos locais de trabalho sinaliza quem tira a máscara. Todos se conectam ao sistema de crédito social. Isso, explicam especialistas chineses, "se tornará a base para futuras construções de cidades inteligentes". O Centro de Informações do Instituto de Segurança e Proteção Ambiental da China já está criando um banco de dados para "rastrear a epidemia no exterior". [vida de gado sob o novo-estado-da-vigilancia-global]


Pequim está realizando essa visão com subsídios direcionados, empréstimos, resgates, créditos à exportação para campeões nacionais. Também está lançando novos caminhos e medidas simplificadas para o investimento estrangeiro, a fim de atrair capital global e direcioná-lo. Está implantando transações com dinheiro do povo, também conhecidas como transações Yuan, nos sistemas econômicos chineses. Está espalhando uma narrativa factual de estabilidade; um retrato de si mesmo como o único participante global saudável. A China também está suspendendo os prazos de divulgação de informações firmes garantindo o controle de sua narrativa econômica doméstica. 


Nem a intenção nem as ferramentas são novas. Pequim está simplesmente acelerando uma visão e abordagem estratégica existente, baseada em redes, padrões e plataformas cooptando para assumir a hegemonia global [subornando pessoas e instituições]. América está em baixo. Pequim está chutando. E está se valendo de todo o arsenal de ferramentas que não são de mercado.


Então, o que os Estados Unidos devem fazer?


Primeiro, as medidas de socorro precisam lidar com a crise imediata de saúde pública. Tempos sem precedentes exigem medidas sem precedentes. Os Estados Unidos devem considerar medidas semelhantes à mobilização em tempo de guerra, incluindo a imposição de um feriado nacional temporário que fecha mercados, comércio e fronteiras e ativa a atenção industrial necessária às necessidades críticas de suprimento.  


O próximo ponto de alívio é o apoio industrial além do imediato. E esse deve ser elaborado de maneira competitiva: medidas para restaurar nossos sistemas corporativos, cadeias de suprimentos e indústrias livres devem ser informadas pela tentativa do adversário de derrubá-los; deve basear-se não apenas na ameaça da epidemia, mas também na da China. É aqui que os EUA aprendem a aceitar que Pequim transformou a crise em uma competição. Os Estados Unidos devem investir não apenas para curar, mas para vencer.


Independentemente da propaganda de Pequim, a crise de hoje deve ressaltar, globalmente, que a China não é uma participante do mercado. Pequim não é, nunca foi e não tem intenção de se tornar a "parte interessada responsável" que prometeu ser quando recebida na Organização Mundial do Comércio. A integração com esse ator tem um custo severo. Não pode mais ser ignorado. A Itália, a primeira grande pedra angular do Cinturão e Rota na Europa, está percebendo esse custo em tempo real. As cadeias de suprimentos biomédicas dos EUA revelam os mesmos custos proliferados nos segmentos mais críticos do mercado americano.  


Os Estados Unidos não podem se dar ao luxo de negociar títulos de longo prazo por lucros de curto prazo. Após a recuperação, nossos mercados financeiros devem atualizar sua lógica para punir os atores industriais que ignoram os riscos materiais da dependência de um ator autoritário e não pertencente ao mercado, seja como fornecedor ou cliente. Os líderes de "Big Tech", produtos farmacêuticos, telecomunicações, energia e indústrias de próxima geração (Internet das coisas, manufatura avançada, veículos de energia nova) devem resolver definir um futuro afirmativo que beneficie trabalhadores americanos, economias aliadas e valores comuns que criam paz e prosperidade quando as partes interessadas globais agirem com responsabilidade.  


E o governo dos EUA deve dar um impulso inicial agora, em um momento de crise. Não se trata de escolher vencedores e perdedores. Trata-se de escolher os Estados Unidos, nossos aliados e parceiros de confiança e nossos valores compartilhados os valores que animarão nossa resiliência nas próximas semanas desafiadoras e não mais permitindo a flexão de regras se sentem à mesa.



Emily de La Bruyère e Nathan Picarsic são co-fundadores da Horizon Advisory , uma empresa de pesquisa que ajuda líderes empresariais, de investimento e governamentais a entender e responder a mudanças geopolíticas, econômicas e tecnológicas.

https://nationalinterest.org/feature/competition-meets-crisis-china%E2%80%99s-perverse-opportunity-and-strategic-response-136227

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube