Crise histórica de fertilizantes ameaça a segurança alimentar

- YAHOO FINANCE - Elizabeth Elkin e Samuel Gebre - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - MAI 1, 2022 -


(Bloomberg) -- Pela primeira vez, agricultores de todo o mundo - tudo ao mesmo tempo - estão testando os limites de quão pouco fertilizante químico eles podem aplicar sem devastar seus rendimentos na época da colheita. As primeiras previsões são sombrias.


No Brasil, maior produtor de soja do mundo, um corte de 20% no uso de potássio pode trazer uma queda de 14% nos rendimentos, segundo a consultoria do setor MB Agro. Na Costa Rica, uma cooperativa de café que representa 1.200 pequenos produtores vê a produção cair até 15% no próximo ano se os agricultores perderem até um terço da aplicação normal. Na África Ocidental, a queda no uso de fertilizantes reduzirá a colheita de arroz e milho deste ano em 1/3, de acordo com o Centro Internacional de Desenvolvimento de Fertilizantes, um grupo sem fins lucrativos de segurança alimentar.



“Provavelmente os agricultores vão cultivar o suficiente para se alimentarem. Mas a questão é o que eles terão para alimentar as cidades”, disse Patrice Annequin, especialista sênior do mercado de fertilizantes do IFDC com sede na Costa do Marfim. Quando você adiciona o aumento da fome na África Ocidental aos riscos existentes, como o terrorismo, “isso é absolutamente perigoso para muitos governos em nossa região”.


Para os bilhões de pessoas ao redor do mundo que não trabalham na agricultura, a escassez global de fertilizantes acessíveis provavelmente parece um problema distante. Na verdade, não deixará nenhum lar ileso. Mesmo no cenário menos disruptivo, o aumento dos preços dos nutrientes sintéticos resultará em colheitas mais baixas e preços mais altos nos supermercados para tudo, desde leite a carne bovina e alimentos embalados por meses ou até anos no mundo desenvolvido. E nas economias em desenvolvimento que já enfrentam altos níveis de insegurança alimentar? A redução do uso de fertilizantes corre o risco de gerar desnutrição, agitação política e, em última análise, a perda de vidas humanas evitáveis.


“Estou reduzindo o uso de fertilizantes neste ciclo da cultura. Não posso pagar preços tão estratosféricos”, disse Marcelo Cudia, 61, agricultor da região produtora de arroz de Central Luzon, nas Filipinas, fora do pedaço de terra que cultiva nos últimos 13 anos. A cerca de 12.000 milhas de distância, o produtor de soja brasileiro Napoleão Rutilli está enfrentando as mesmas escolhas difíceis. “Se os fertilizantes forem caros, usaremos menos fertilizantes. Se usarmos menos, produziremos menos”, disse o agricultor de segunda geração, 33 anos. “Os preços dos alimentos aumentarão e todos sofrerão”.


Por que os preços dos fertilizantes estão subindo?


Os agricultores comerciais dependem de uma combinação de três nutrientes essenciais – nitrogênio, fósforo e potássio – para alimentar suas colheitas. Esses insumos sempre foram fundamentais, mas foi apenas cerca de um século atrás que a humanidade aprendeu a fabricar nutrientes à base de amônia produzidos em massa. A descoberta do método Haber-Bosch no início de 1900, que ainda é usado para fazer fertilizantes hoje, permitiu que os agricultores aumentassem muito seus rendimentos. Desde então, a indústria agrícola passou a depender – até mesmo de – fertilizantes artificiais. Embora as necessidades do solo sejam diferentes de região para região, a tendência geral é bastante indiscutível: mais uso de fertilizantes traz mais produção de alimentos.


Mas como os custos dos nutrientes sintéticos dispararam – na América do Norte, um indicador de preços é quase o triplo de onde estava no início da pandemia – os agricultores tiveram que começar a reduzir o uso, às vezes drasticamente. Isso colocou o mundo em território desconhecido.


“Os preços dos fertilizantes aumentaram em média 70% em relação ao ano passado”, disse Timothy Njagi, pesquisador do Instituto Tegemeo de Política e Desenvolvimento Agrícola no Quênia, referindo-se aos preços no país. “O fertilizante está disponível localmente, mas está fora do alcance da maioria dos agricultores. Pior, muitos agricultores sabem que não podem recuperar esses custos.”


Os preços vêm subindo há mais de um ano por uma série de razões: preços descontrolados do gás natural, a principal matéria-prima para grande parte dos fertilizantes nitrogenados do mundo; sanções a um grande produtor de potássio da Bielorrússia; tempestades consecutivas no final do verão na Costa do Golfo dos Estados Unidos que interromperam temporariamente a produção na região; além das restrições do Covid-19 que interromperam todas as cadeias de suprimentos globais, incluindo produtos químicos.


Esse aperto no mercado de fertilizantes físicos galvanizou a China, o maior produtor de fosfato, a restringir as remessas de saída para construir um estoque em casa, exacerbando ainda mais a escassez global. Acrescente a invasão da Ucrânia pela Rússia, que efetivamente cortou quase 1/5 das exportações mundiais de nutrientes, e a indústria de fertilizantes e seus mecanismos de preços estão mais quebrados do que nunca.


“As vendas de fertilizantes estão muito, muito baixas, a ponto de desesperadamente baixas, e esta deve ser tradicionalmente a época mais movimentada do ano”, disse Jo Gilbertson, chefe de fertilizantes da Agricultural Industries Confederation, uma associação comercial com sede no Reino Unido. “As sementes do problema estão sendo plantadas agora.”


Como o Fertilizante Inferior Usará a Saída de Acertos?


"Minha maior preocupação é que acabemos com uma grave escassez de alimentos em certas áreas do mundo", disse Tony Will, presidente-executivo da maior empresa de fertilizantes nitrogenados CF Industries Holdings Inc., em entrevista em março.


Nas Filipinas, a ureia – um fertilizante nitrogenado essencial – agora custa cerca de 3.000 pesos (cerca de US$ 57) por saca, e ainda mais quando transportada para os campos. Isso é mais de três vezes o preço nesta época do ano passado, disse Roger Navarro, presidente da Philippine Maize Federation Inc. 10% de queda nos rendimentos. “É muito triste, mas é a realidade.”


A perspectiva de rendimento é ainda pior em outros lugares. A indústria agrícola do Peru enfrenta um déficit de 180.000 toneladas métricas de ureia, e a produção de alimentos básicos como arroz, batata e milho pode cair até 40%, a menos que mais fertilizantes estejam disponíveis. O International Rice Research Institute previu que os rendimentos das colheitas podem cair 10% na próxima temporada, o que significa que haverá 36 milhões de toneladas a menos de arroz – o suficiente para alimentar 500 milhões de pessoas. Na África Subsaariana, a produção de alimentos pode cair cerca de 30 milhões de toneladas em 2022, o equivalente à necessidade de alimentos de 100 milhões de pessoas, disse o IFDC em dezembro – e essa previsão foi feita antes da guerra na Ucrânia empurrar os preços para novos recordes nesta primavera.


Há também uma preocupação crescente de que o menor uso de fertilizantes resultará em colheitas de qualidade inferior. Basta perguntar a Gary Millershaski, que cultiva cerca de 4.000 acres de trigo e cerca de 3.000 acres de milho e sorgo no sudoeste do Kansas. Também presidente da Comissão do Trigo do Kansas, Millershaski disse que o “maior medo” da comissão nesta primavera é que os agricultores possam ter deixado de aplicar nitrogênio quando o trigo emergiu da dormência do inverno há várias semanas. Se o fizessem, isso poderia prejudicar o teor de proteína do grão e resultar em uma “classe inferior de trigo”.


Com quase metade do trigo dos EUA exportado para outros países, esse é um problema que afetará os consumidores em todo o mundo. A colheita do trigo de inverno vermelho duro, a classe mais cultivada nos EUA e o grão usado para fazer farinha de trigo, começará em junho.


Como o uso de fertilizantes mais baixos atingirá a inflação?


Sem dúvida, os alimentos produzidos serão mais caros. Os preços globais dos alimentos já estão subindo no ritmo mais rápido de todos os tempos, à medida que a guerra na Ucrânia atinge o suprimento de safras, com um índice das Nações Unidas de custos mundiais de alimentos subindo mais 13% em março.


“A segurança alimentar está em perigo”, disse o secretário de Agricultura das Filipinas, William Dar, em mensagem de texto à Bloomberg News.


O aumento dos preços dos alimentos, sem um aumento correspondente na renda, tem uma longa história de desencadear agitação social. Em 2008 e 2011, o aumento da inflação desencadeou distúrbios alimentares em mais de 30 países da Ásia, Oriente Médio e África, ajudando a alimentar revoltas na Primavera Árabe.


“Essa é a grande preocupação: os altos preços dos alimentos terão uma reação bumerangue?” disse Gideon Negedu, secretário executivo da Associação de Produtores e Fornecedores de Fertilizantes da Nigéria e membro da Iniciativa Presidencial de Fertilizantes. “Os mercados de alimentos podem começar a reagir a esses preços porque não há aumento proporcional na renda média das famílias.”


O que os agricultores podem fazer?


Os agricultores não estão sentados de braços cruzados. Aqueles que conseguiram garantir fertilizantes antes da última corrida estão sendo mais estratégicos sobre o quanto usam, incluindo a “agricultura de precisão”. Isso significa coletar mais dados em seus campos, monitorar as colheitas para aumentar a eficiência e lançar outras ferramentas de análise de dados. Os agricultores estão cada vez mais testando o solo em busca de nutrientes remanescentes e aplicando exatamente a quantidade de fertilizante necessária, em vez de uma estimativa excessivamente generosa – uma prática que está em uso em alguns lugares como os EUA e partes do Brasil há décadas, mas ainda não é comum em outras partes do mundo.


Se um solo apresenta alto teor de fósforo ou potássio, “muitas vezes pouco ou nenhum fertilizante é necessário”, disse Carrie Laboski, professora e cientista de solos da Universidade de Wisconsin-Madison. Para algumas culturas como o milho, os produtores podem aplicar um pouco de “fertilizante inicial” quando estão plantando, o que é como um seguro se os solos estiverem com níveis elevados de nutrientes para as culturas. Quando se trata de nitrogênio, “eles não deveriam eliminá-lo, mas reduzir”, disse ela.


Leia mais: Como os agricultores do mundo estão aprendendo a crescer com menos

Algumas fazendas também estão explorando formulações de liberação controlada, como pequenas cápsulas de nutrientes que se dissolvem lentamente ao longo do tempo. Embora não seja uma solução para muitas fazendas comerciais, devido às suas grandes escalas, outras estão explorando alternativas aos fertilizantes químicos, incluindo resíduos animais (esterco).


“O composto e o lodo de esgoto e os biossólidos ou nutrientes orgânicos se tornam mais valiosos”, disse Mark Topliff, analista-chefe de economia agrícola do Conselho de Desenvolvimento da Agricultura e Horticultura no Reino Unido.


Alguns agricultores estão até se afastando completamente de culturas com alto teor de fertilizantes, como milho, em favor de plantações de menor demanda, como feijão.


Tregg Cronin, um agricultor norte-americano no centro de Dakota do Sul que escolhe entre cultivar trigo, milho, girassol, aveia e soja, se viu em uma situação invejável: a seca do ano passado deixou o solo de Cronin com excesso de nitrogênio. Então ele está optando por plantar 10% mais acres de girassóis – que precisam de nitrogênio mais do que a soja. Mas se os preços dos fertilizantes continuarem altos nos próximos meses, no ano que vem ele vai investir em mais soja. Outros estão fazendo cálculos semelhantes – e esperando que estejam apostando na direção certa.


“Se você realmente quer jogar xadrez em 3D”, disse ele, “você precisa pensar em sua rotação no próximo ano mais do que neste ano”.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://finance.yahoo.com/news/world-feed-itself-historic-fertilizer-120018356.html#:~:text=World%20Feed%20Itself%3F-,Historic%20Fertilizer%20Crunch%20Threatens%20Food%20Security,Early%20predictions%20are%20bleak.

106 views0 comments

Related Posts

See All