Crise Evergrande pressagia uma economia chinesa "drasticamente" em desaceleração

- THE EPOCH TIMES - Eva Fu - Tradução César Tonheiro - 19 OUT, 2021 -

Homens andam de bicicleta perto de canteiros de obras perto da sede do Grupo Evergrande da China em Shenzhen, província de Guangdong, China, em 26 de setembro de 2021. (Aly Song / Reuters)

A economia chinesa está no caminho de uma desaceleração acentuada nos próximos anos, enquanto Pequim enfrenta a crise da dívida de Evergrande, alertou um analista econômico, acrescentando que a queda que se aproxima deve servir como um despertar para outras partes do globo.


A retração da economia do país, no entanto, pode não se tornar aparente imediatamente, disse Leland Miller, presidente-executivo da empresa de previsões econômicas China Beige Book International. Com o terceiro mandato antecipado do líder chinês Xi Jinping e as Olimpíadas de Inverno de Pequim em jogo, o regime fará o possível para adiar qualquer notícia politicamente prejudicial até pelo menos o próximo ano, disse ele.


Mas é apenas uma questão de tempo antes que tal resultado se torne mais evidente, de acordo com Miller.


“Será uma decisão política” se isso acontecer nos próximos dois ou três anos ou ao longo de uma década, mas “o crescimento vai desacelerar e de forma bastante dramática”, disse Miller em um recente painel virtual organizado pelo Hudson Institute.


“Estamos em um caminho unidirecional em direção a um crescimento mais lento, não importa o que esteja acontecendo no futuro”, disse ele.


Uma economia em desaceleração


A economia da China está crescendo no ritmo mais lento em um ano, à medida que o país enfrenta cortes de energia, gargalos de fornecimento, surtos esporádicos e desaceleração do setor imobiliário. O crescimento de 4,9% do Produto Interno Bruto (PIB) durante o terceiro trimestre foi 3 pontos percentuais abaixo do trimestre anterior, e pior do que as projeções já revisadas para baixo que os analistas deram.


O grupo Evergrande, um desenvolvedor imobiliáriochinês líder em uma indústria que contribui com quase um terço do PIB do país, está lutando com mais de US $ 300 bilhões em dívidas e perdeu três rodadas de pagamentos de títulos em menos de um mês.


Embora os riscos de um colapso iminente potencial possam ser contidos, a crise é um sinal claro de que o modelo de crescimento chinês está mudando para um ritmo mais lento, disse Miller.


Ao contrário do resto do mundo, a China tem um sistema financeiro não comercial no qual o governo assume o controle sobre todas as entidades corporativas, disse ele.


No curto prazo, Pequim tem a capacidade de injetar crédito para manter a economia ou ditar às empresas estatais que absorvam dívidas pendentes, evitando que o colapso de uma empresa se transforme em um “momento Lehman” que sobrecarrega todo o mercado financeiro. Mas, a longo prazo, colocar capital em empresas zumbis e “perseguir o dinheiro bom atrás do ruim” estagnaria o crescimento, de acordo com Miller.


Não existe uma solução óbvia. Embora a mídia estatal chinesa tenha promovido por anos uma transição para um modelo econômico alimentado pelo consumo de um alimentado pelo investimento, essas mensagens são apenas falácias e “o governo não está fazendo nada estruturalmente para que isso aconteça”, disse ele.


Uma forma de criar uma onda de consumo, de acordo com Miller, é fortalecer a moeda, dando às famílias mais poder de compra.


As autoridades também poderiam transferir ativos do Estado para mãos privadas e ampliar os programas de bem-estar social para os necessitados. Mas a maioria das políticas de Pequim está tendo o efeito oposto de levar a China a uma economia voltada para o consumo, acrescentou.


'Esquema Ponzi'


O grupo Evergrande, disse Miller, está essencialmente operando em um esquema Ponzi. Ele financia dinheiro prometendo um número cada vez maior de apartamentos para famílias chinesas e, em seguida, usa o dinheiro para pagar empréstimos embalados como investimentos a juros altos.


Mas esse modelo de endividamento para crescer foi interrompido depois que as autoridades suspenderam as políticas em agosto de 2020, limitando a quantidade de dívidas que as imobiliárias podem suportar.

O estádio de futebol Guangzhou em construção pela Evergrande em Guangzhou, na província de Guangdong, no sul da China, em 17 de setembro de 2021. (STR / AFP via Getty Images)

Se a Evergrande sobreviverá ou não, é irrelevante, de acordo com Miller, mas a questão-chave é “até que ponto o governo intervirá” para conter qualquer precipitação e quem arcará com as perdas.


Nas próximas semanas ou meses, pode haver empresas chinesas patrióticas “levantando a mão e dizendo: 'Vamos construir esses apartamentos. Deixe-nos assumir essas responsabilidades. Deixe-nos ajudá-lo a pagar esses detentores de títulos”, disse ele.


“É totalmente voluntário? Não. ... esses são atores que agem por ordem do governo, acima de transações puramente comerciais”.


Em 15 de outubro, um funcionário do Banco Popular da China declarou que os problemas da Evergrande são "controláveis", quebrando o silêncio de Pequim sobre o assunto. Chamando a crise da dívida da empresa de um “fenômeno isolado”, o funcionário disse à Evergrande para intensificar os esforços na alienação de ativos e prometeu financiamento para apoiar a retomada dos projetos de construção da empresa.


Mudando o Pacto Social


Miller vê a desalavancagem do setor habitacional em grande parte em linha com a repressão generalizada do regime aos gigantes da tecnologia e o impulso de "prosperidade comum" de Xi , que ele descreveu como parte de um pacto social em mudança entre o Partido e o público chinês.


Embora “parte disso seja certamente o Partido tirando vantagem de questões sociais muito populares para chegar ao lado certo delas”, o regime também está olhando para essas empresas como “vacas leiteiras”, disse ele.


“Mas, falando de maneira geral, há uma enorme riqueza nas grandes empresas na China, e a ideia de que elas permanecerão em cerco enquanto o Partido está desesperado por financiamento, acho isso irrealista”, disse ele. “De uma forma ou de outra, eles vão retribuir ao Partido.”


A crise de dinheiro agora está forçando o Partido a "ser criativo", disse Miller, observando que as autoridades passaram a inserir funcionários do Partido em conselhos de grandes empresas e alguns governos locais estão se tornando acionistas minoritários.


Os países que dependem das enormes "ondas de crédito" da China para abastecer suas próprias economias desde a crise financeira devem agora se preparar para uma mudança de paradigma, disse Miller.


“Havia essa crença de que o crescimento chinês poderia desafiar a gravidade para sempre”, disse ele. “Eles não planejaram a vida depois disso, e deveriam estar acolhendo isso.”


O que a crise da Evergrande sinaliza é um modelo de crescimento diferente para a China e “vai tratar alguns países ao redor do planeta de maneiras muito duras se eles não estiverem preparados”.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/evergrande-crisis-portends-a-dramatically-slowing-chinese-economy-economist-says_4057633.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


19 views0 comments