CPDC - NÃO FINANCIE OS NOSSOS INIMIGOS

26/04/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro


Pandemia deve abalar a parceria de Wall Street com a China, dizem especialistas

26 de abril de 2020 por Cathy He

A crescente desconfiança de como o  regime chinês lidou com o surto de vírus deve levar Wall Street a repensar suas relações com a China, diz Kyle Bass, gerente de fundos de hedge.

encobrimento de Pequim da epidemia na China, a subnotificação dos números de infecções e número de mortos e a campanha de desinformação com o objetivo de desviar a culpa da pandemia provocaram raiva em todos os níveis da sociedade.

Os americanos comuns estão começando a entender que "o governo chinês não é confiável, eles não são nossos amigos, e pode-se considerar que eles são nossos inimigos mortais", disse Bass, fundador da Hayman Capital Management, com sede em Dallas, ao programa "American Thought Leaders" do Epoch Times.

“Breve o relacionamento de Wall Street terá que mudar. E acho que está acontecendo agora” — ele disse.

Desacoplamento financeiro?

Enquanto a pandemia continua a exigir enormes custos humanos e econômicos em todo o mundo, um número crescente de países e regiões está reavaliando seus laços com o regime comunista.

Enquanto isso, o rompimento das cadeias de suprimentos globais forçou as empresas a considerar reduzir sua dependência da China como base de fabricação, acelerando o processo de "dissociação" da China.

Com o vírus do PCC causando devastação particular nos estados do nordeste dos EUA — com Nova York e Nova Jersey como as duas regiões mais atingidas da América — residentes, instituições e governos nessas regiões devem estar sintonizados com o fato de que a disseminação global do vírus ocorreu do encobrimento do regime pelo surto, disse o comentarista chinês Heng He.

"Se o Partido Comunista Chinês não tivesse mentido e relatado com sinceridade a situação do surto ... então talvez isso pudesse estar contido na China", disse Heng à NTD, afiliada do Epoch Times.

No entanto, resta saber se as instituições financeiras dos EUA começarão a se desvencilhar do regime como resultado da crise.

"Wall Street sempre foi realmente cooperativa com a China, alimentando a economia chinesa", disse ao Epoch Times Frank Xie, professor associado da Escola de Administração de Empresas da Universidade da Carolina do Sul.

Xie disse que recentes medidas de Pequim para abrir seu setor financeiro em meio a tensões comerciais entre EUA e China desde a guerra comercial de 2018 significavam que era improvável que Wall Street deixasse a China tão cedo. O Morgan Stanley e o Goldman Sachs, em março, se tornaram os mais recentes bancos estrangeiros a receber aprovações regulatórias chinesas para obter participações majoritárias em suas joint ventures chinesas de valores mobiliários.

Fatia de mercado

Antes disso, mesmo que o regime não tivesse cumprido sua promessa de abrir seu setor bancário ao ingressar na Organização Mundial do Comércio (OMC) em 2001, os bancos estrangeiros "ainda assim trabalharam duro para conquistar uma fatia do mercado chinês", disse Xie.

Ele observou que os bancos de Wall Street ajudaram muitas empresas chinesas a listar nas bolsas de valores dos EUA. Em setembro de 2019, havia 172 empresas chinesas listadas nas principais bolsas dos EUA com uma capitalização de mercado de mais de US $ 1 trilhão, de acordo com a Comissão de Revisão Econômica e Segurança dos Estados Unidos-China.

Ao mesmo tempo, algumas empresas ocidentais contrataram parentes de autoridades chinesas em um esforço para conquistar negócios no país, observou o professor. O JPMorgan Chase, em 2016, concordou em pagar US $ 264 milhões em multas após contratar familiares e amigos de autoridades chinesas de alto nível para obter acesso a acordos bancários — uma prática que violava as leis de suborno dos EUA. O Credit Suisse e o Deutsche Bank também pagaram grandes multas aos reguladores americanos por práticas semelhantes.

Os casos de contabilidade fraudulenta nas empresas chinesas, com o Luckin Coffee, listado nos EUA, sendo o mais recente escândalo de alto perfil, também não impediram as empresas de investimento, disse Xie.

"Acho que eles sabem que muitas empresas [chinesas] são fraudulentas, que muitas não cumprem as regras financeiras, de comunicação e de contabilidade", disse ele. "Mas, a menos que existam empresas como a Muddy Waters que revelem seus erros, elas continuarão a investir."

No início de abril, as ações da Luckin Coffee entraram em colapso depois que a marca chinesa de bebidas disse que uma investigação interna descobriu que seu diretor de operações falsificou as vendas de 2019 em cerca de US $ 310 milhões. Em janeiro, uma estratégia especulativa da Muddy Waters Research sinalizava que apostaria contra as ações, com base em um relatório de que a empresa estava cometendo fraude.

O site de streaming de vídeo chinês iQiyi também foi acusado recentemente pela empresa de pesquisa financeira ativista Wolfpack Research de exagerar sua receita em 2019 entre US $ 1,1 bilhão e US $ 1,9 bilhão em 2019.

Blindagem

Bass criticou as companhias e empresas financeiras dos EUA por ignorar os abusos dos direitos humanos na China em busca do mercado chinês.

"Você pode imaginar se explicar a alguém que está negociando com um regime que tem mais de um milhão de prisioneiros de consciência trancados, e que realiza diariamente a extração de órgãos vivos dessa população de presos políticos?" ele disse, referindo-se à prática sancionada pelo regime de matar prisioneiros de consciência, principalmente de praticantes do Falun Gong, para venderem seus órgãos no mercado de transplantes.

"E, no entanto, pessoas como Blackstone mal podem esperar para investir outro dólar na China", continuou Bass.

"Você sabe por quê? Porque eles apenas deixaram o dinheiro cegá-los ... aos flagrantes abusos dos direitos humanos de talvez um dos regimes mais tirânicos que já existiram. É uma loucura."

Ação dos EUA

O primeiro passo para remediar essa situação seria fazer com que as empresas chinesas listadas nas bolsas de valores dos EUA abrissem seus livros de auditoria para os reguladores dos EUA, disse Bass. Atualmente, o regime bloqueia a SEC (Comissão de Valores Mobiliários) ou os reguladores dos EUA para examinar documentos de trabalho de auditoria de empresas chinesas, dizendo que eles contêm "segredos de estado".

“Qualquer empresa que queira listar nos Estados Unidos — esqueça se é apenas da China ou de qualquer outro lugar do mundo — você precisa aderir a auditorias reais, assim como as empresas americanas, precisa seguir os mesmos padrões que os EUA. empresas listadas”, disse ele.

"Vamos nivelar o campo de jogo — isso não é punitivo."

Em junho passado, um grupo bipartidário de legisladores apresentou projetos de lei ao Senado e à Câmara para forçar empresas chinesas e outras estrangeiras listadas nos EUA a cumprirem os regulamentos americanos de divulgação financeira, ou então enfrentar a exclusão da lista.

Os fundos públicos de pensão dos EUA também estão sob intenso escrutínio sobre seus investimentos em empresas chinesas, incluindo aquelas que apóiam os abusos militares, espionagem e direitos humanos do regime.

Um grupo de legisladores está supostamente fazendo campanha à administração Trump para barrar a aposentadoria do Investment Board Thrift Federal, o principal fundo de pensão dos funcionários do governo federal, que comece a rastrear o índice administrado pelo Morgan Stanley Capital International (MSCI) que negocia ações de empresas localizadas na China sob escrutínio em Washington.

Nos últimos anos, os provedores globais de índices de ações, como MSCI e FTSE, adicionaram ações chinesas a seus índices de mercados globais e emergentes, permitindo que bilhões de dólares em investimentos dos EUA fluissem em ações chinesas.

Entre as empresas incluídas no índice MSCI está o fabricante chinês de equipamentos de vigilância Hangzhou Hikvision Digital Technology, que foi colocado em uma lista negra comercial dos EUA no ano passado porque sua tecnologia estava sendo usada para a repressão aos muçulmanos uigures na região ocidental de Xinjiang, na China.

O índice também inclui a AviChina Industry & Technology Ltd., listada em Hong Kong, empresa atrelada a estatal chinesa Aviation Industry Corporation of China (AVIC). A AVIC e suas subsidiárias desenvolvem aeronaves e sistemas de armas para os militares chineses.

"É absolutamente louco que nossos funcionários militares e federais contribuam indiretamente para as operações militares da China — e o pior é que quase todas essas pessoas desconhecem completamente essa situação", disse o deputado Mike Waltz (R-Fla.) Em uma declaração de 24 de abril.

Jan Jekielek contribuiu para este relatório. 


https://www.theepochtimes.com/pandemic-should-shake-up-wall-streets-partnership-with-china-experts-say_3327241.html

Notícias e Artigos Conservadores de diversos sites num só lugar.

Esqueça as Fake News.

02-08_Banner728x90_site.png

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube