COVID-19 é originado de laboratório chinês, afirma repórter investigativa

- THE EPOCH TIMES - Frank Fang - Tradução César Tonheiro - 11 OUT, 2021 -

A premiada repórter investigativa australiana Sharri Markson disse que há evidências convincentes de que o vírus que causou a pandemia COVID-19 se originou de um laboratório chinês com ligações com os militares do regime comunista.


As descobertas de Markson foram publicadas em seu novo livro “What Really Happened in Wuhan”, e as evidências sugerem que Pequim sabia sobre o vírus meses antes do início da pandemia.


"Acho que as evidências apontam claramente para um vazamento no Instituto de Virologia de Wuhan, seja em meados de setembro ou pelo menos foi quando o Instituto de Virologia de Wuhan tomou conhecimento disso, em meados de setembro, e depois disso, houve uma decisão deliberada das autoridades chinesas de encobrir isso”, disse ela em uma entrevista recente ao “American Thought Leaders”da EpochTV.


O regime chinês negou veementemente que o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês) escapou do Instituto de Virologia de Wuhan (WIV), apesar das evidências apontarem para isso. O instituto tem feito pesquisas sobre coronavírus de morcegos há mais de uma década e está localizado a uma curta distância de um mercado local em Wuhan, uma cidade na província de Hubei, no centro da China, onde surgiu o primeiro grupo de casos de infecção.

Mais importante ainda, um informativo divulgado pelo Departamento de Estado dos EUA em janeiro afirmou que vários pesquisadores do WIV adoeceram com sintomas semelhantes aos do COVID-19 no outono de 2019.


Markson disse que apresentou mais evidências implicando o WIV em seu livro, incluindo como um banco de dados contendo 22.000 vírus no instituto foi “colocado offline misteriosamente” pela primeira vez em 12 de setembro de 2019 — três meses antes da China alertar que o vírus era contagioso.


No mesmo dia, o WIV lançou uma licitação para atualizar sua segurança, disse Markson. Nas semanas seguintes, o instituto começou a gastar muito, pagando meio milhão de dólares para aumentar sua segurança, incluindo a compra de novos sistemas de CFTV e a contratação de novos vigias.


Eventualmente, a compra também incluiu um novo sistema de ventilação de ar, um incinerador de ar medicinal e uma máquina de PCR para teste de coronavírus (reação em cadeia da polimerase), de acordo com Markson.


Descobriu-se que a China estava comprando significativamente mais equipamentos de PCR em 2019 em comparação com os anos anteriores na província de Hubei, de acordo com um relatório recente da empresa australiana de segurança cibernética Internet 2.0.


Cerca de 67,4 milhões de yuans (cerca de US $ 10,5 milhões) foram gastos em equipamentos de PCR em 2019, um aumento de cerca de 83% em comparação com o total em 2018. Com base no resultado, o relatório concluiu: “Avaliamos com grande confiança que a pandemia começou muito antes da China informou a OMS [Organização Mundial da Saúde] sobre COVID-19.”


“E então há as evidências que se seguiram sobre o general Chen Wei. Ela foi a principal oficial do exército que entrou e assumiu o Instituto de Virologia de Wuhan, a ordem de silêncio e o fato de que [o líder chinês] Xi Jinping emitiu uma nova lei de biossegurança. Portanto, há muitas outras evidências que apontam para um vazamento de laboratório também”, disse Markson.


A lei de biossegurança foi acelerada — a legislação foi adotada em outubro do ano passado, oito meses depois de ter sido proposta por Xi. A lei entrou em vigor em abril deste ano.

Uma operária é vista dentro do laboratório P4 em Wuhan, capital da província chinesa de Hubei, em 23 de fevereiro de 2017. (Johannes Eisele / AFP via Getty Images)

Narrativa sobre as origens do vírus


Markson disse que as pessoas estavam muito enganadas em 2020 sobre a origem do vírus. Na verdade, a narrativa da China — de que o vírus tinha uma origem natural — pegou "às custas de descobrir a verdade", acrescentou ela.


“Tivemos a falsa impressão de que havia um consenso científico de que se tratava de um vírus natural. Fomos informados naquela carta do Lancet que era uma conspiração para sugerir que isso era um vazamento de laboratório. No final das contas, muitos dos cientistas por trás dessa carta ficaram incrivelmente conflitantes”, ela explicou.


Em 19 de fevereiro de 2020 — menos de um mês depois que os Estados Unidos relataram seu primeiro caso COVID-19 local no estado de Washington — 27 cientistas emitiram uma declaração conjunta publicada na revista médica The Lancet. Eles declararam: “Estamos juntos para condenar veementemente as teorias da conspiração, sugerindo que o COVID-19 não tem uma origem natural.”


No entanto, descobriu-se que um dos 27 cientistas tinha um conflito de interesses. Em junho, o The Lancet atualizou a carta, nomeando Peter Daszak por não divulgar “interesses conflitantes”, uma exigência do Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas.


A organização de Daszak, EcoHealth Alliance, uma fundação de pesquisa sem fins lucrativos com sede em Nova York, recebeu milhões de dólares em doações do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas (NIAID) e parte do dinheiro foi enviado para o WIV.


Antes de The Lancet fazer a atualização, veio à tona que a EcoHealth vinha trabalhando com cientistas chineses por mais de 15 anos e que a organização sem fins lucrativos recebia financiamento chinês.


Em contraste, pesquisas científicas que iam contra a narrativa da China sobre a origem do vírus estavam sendo rejeitadas, disse Markson, apontando como o imunologista australiano Nikolai Petrovsky teve problemas para publicar seu trabalho.


Markson disse: “Quando ele não conseguiu publicar seu artigo, até mesmo os servidores de pré-impressão o rejeitaram. Os servidores de pré-impressão são projetados para levar ciência ao mundo enquanto são revisados por pares. Até eles estavam batendo em retirada.

“Para mim, na época, quando estava escrevendo o livro, havia uma censura inacreditável da ciência”, disse Markson.


Petrovsky, professor da Flinders University da Austrália, acabou publicando seu trabalho no servidor de pré-impressão ArXiv. Desde então, a pesquisa foi revisada por pares e publicada na revista Nature Scientific Reports. Usando modelagem de computador, sua pesquisa descobriu que a proteína spike no vírus PCC pode se ligar mais fortemente a uma proteína chamada ACE2 em células humanas do que na mesma proteína em outras espécies testadas, incluindo morcegos e pangolins.


“Isso é um argumento contra a transmissão direta do vírus dos morcegos para os humanos. Portanto, se o vírus tem uma origem natural, ele só poderia ter chegado aos humanos por meio de uma espécie intermediária que ainda não foi encontrada”, disse Petrovsky em um comunicado.


Seguindo em frente, Markson sugeriu que deveria haver um órgão confiável além da OMS para investigar as origens do vírus. Ela recomendou uma comissão presidencial ou um inquérito parlamentar bipartidário.


Ela disse: “Há caminhos muito claros a seguir aqui, mesmo que a China se recuse a cooperar e não haja nenhum sinal de que o regime do Partido Comunista se tornará subitamente transparente”.


Frank Fang é um jornalista baseado em Taiwan. Ele cobre notícias na China e em Taiwan. Ele tem mestrado em ciência dos materiais pela Universidade Tsinghua em Taiwan.

Jan Jekielek é editor sênior do Epoch Times e apresentador do programa " American Thought Leaders ". A carreira de Jan abrange a área acadêmica, a mídia e o trabalho internacional de direitos humanos. Em 2009, ele se juntou ao Epoch Times em tempo integral e atuou em uma variedade de funções, incluindo como editor-chefe do site. Ele é o produtor do premiado documentário sobre o Holocausto "Finding Manny".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/covid-19-originates-from-a-chinese-laboratory-australian-journalist-says_4042461.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


13 views0 comments