Corrupção armada pela china é uma ameaça à segurança nacional

- THE EPOCH TIMES - Austin Bay - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 12 MAI, 2022 -


[O termo “corrupção armada” implica que a corrupção está sendo usada propositalmente como uma ferramenta de estadística para interferir, cooptar, enfraquecer e desestabilizar instituições e processos democráticos]


Em novembro de 2018, sob a direção do então presidente Donald Trump, o Departamento de Justiça dos EUA, o FBI e outras agências federais de segurança e economia lançaram a Iniciativa China para interromper a transferência maciça de informações e tecnologia americanas para a China e combater a espionagem chinesa em empresas americanas, instituições de pesquisa e universidades.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

No final de fevereiro deste ano, o governo Biden encerrou o projeto, alegando que a iniciativa era racialmente tendenciosa e ineficaz.


Talvez. Há evidências de que o FBI tratou mal vários casos.


No entanto, os problemas estratégicos colocados pelas agressivas operações de espionagem e influência da China nos Estados Unidos não desapareceram.


Por que o governo Biden não abordou os problemas da Iniciativa da China em vez de eliminar o esforço?


Essa não é apenas uma pergunta justa, é uma questão fundamental de segurança nacional que merece respostas melhores do que as fornecidas pelo governo.


No início de janeiro, escrevi uma coluna esboçando quatro desafios estratégicos que os Estados Unidos enfrentam.


O desafio nº 4 é relevante para esta coluna: nº 4 – A corrupção generalizada de indivíduos e instituições venais influentes, mas venais, em nações democráticas. A corrupção é tão internamente corrosiva para essas nações que a resposta política e militar oportuna e eficaz aos Desafios Nº 1 a 3 é sistematicamente atrasada, minada ou imobilizada.


Os outros desafios eram o número 1: potências imperialistas empenhadas em recuperar impérios perdidos; Nº 2: Estados fracassados semeando a anarquia regional; Nº 3: Extremistas militantes tentando adquirir armas de destruição em massa.


Eles ainda nos atormentam, e o Desafio No. 4 exacerba todos eles.


O Pentágono, o Departamento de Estado e o FBI levam muito a sério a ameaça da corrupção à segurança nacional. Eles se referem às estratégias, táticas e técnicas de corrupção empregadas por inimigos visando líderes e instituições como “corrupção armada”.


A China é inquestionavelmente o empregador mais difundido de corrupção armada no mundo.


Considere suas atividades na África Subsaariana, particularmente no notório “Acordo da China” do Congo. O presidente do Congo, Felix Tshisekedi, ordenou a revisão do multibilionário acordo com a China; os investigadores descobriram cerca de US$ 55 milhões em propinas (talvez mais). O plano de suborno usou empresas de fachada para fazer a operação parecer legítima.


A China enganou definitivamente o Congo. Prometeu investir vários bilhões em projetos de infraestrutura, mas até o final de 2021 havia investido menos da metade do que o contrato estipulava.


O Congo é muito mais vulnerável do que os EUA, mas é um exemplo da China empregando técnicas de corrupção econômica e financeira. As empresas estatais chinesas são escravas do Partido Comunista Chinês (PCC). Isso significa que eles são ferramentas da política do PCC. As empresas podem ser coagidas financeiramente e seus funcionários fisicamente intimidados – a fazer coisas como espionagem nos Estados Unidos.


Todos os inimigos da América atacam líderes e instituições americanas corruptíveis. A China, no entanto, dominou a arte sombria de visar líderes e influenciadores corruptos dos EUA usando estratagemas de investimento, subornos diretos, esquemas de propina e chantagem. Certamente parece que Pequim armou uma chantagem sexual “armadilha do mel” para o deputado Eric Swalwell (D-Calif.) – confira seu romance com a suspeita espiã chinesa Christine Fang, também conhecida como Fang Fang.


A China também emprega ameaça física. A mídia informou que agentes do FBI que investigam suspeitas de espionagem chinesa e operações de influência disseram que cidadãos de etnia chinesa que vivem nos EUA alegaram que oficiais de inteligência chineses lhes disseram que suas famílias na China enfrentariam represálias se se recusassem a espionar ou fornecer dados solicitados por Pequim. Isso é uma ameaça física.


Em última análise, a China usa a corrupção individual e institucional como uma arma estratégica para enfraquecer as defesas dos EUA, prejudicar a economia dos EUA, enfraquecer o estado moral americano e fazer avançar a ciência e a tecnologia chinesas.

Os Estados Unidos precisam de um esforço concentrado para combater a ameaça da China, e isso inclui punir políticos, empresários e acadêmicos corruptos.


Mas o governo Biden encerrou em vez de melhorar a Iniciativa da China.


No ano passado, o Washington Free Beacon informou que a China deu à Universidade da Pensilvânia US$ 72 milhões depois que Penn abriu o Biden Center for Diplomacy and Global Engagement (Biden Center). É um quiprocó habilmente disfarçado? Depois, há o notório laptop de Hunter Biden, que contém detalhes sobre seu acordo multimilionário com a empresa CEFC China Energy.


As fontes de nossa corrupção e os corruptos individualmente devem ser identificadas publicamente e confrontadas judicialmente.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Austin Bay é coronel da reserva do Exército dos EUA, autor, colunista sindicalizado e professor de estratégia e teoria estratégica na Universidade do Texas-Austin. Seu último livro é “Cocktails from Hell: Five Wars Shaping the 21st Century”.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/chinese-weaponized-corruption-is-a-national-security-threat_4463484.html

17 views0 comments