Contribuintes americanos estão financiando os mísseis hipersônicos da China

DAILY MAIL - Harriet Alexander - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 19 OUT, 2022


Como os contribuintes americanos estão financiando os mísseis hipersônicos da China: relatório devastador revela como Pequim está usando tecnologia especializada dos EUA produzida por empresas financiadas pelo Pentágono

Um míssil Hypersonic Air-breathing Weapons Concept (HAWC) é visto na concepção de um artista. China e EUA estão envolvidos em uma corrida armamentista para construir as melhores armas hipersônicas

  • O Washington Post descobriu evidências de mais de 300 vendas de tecnologia de origem americana para dezenas de entidades envolvidas nos mísseis hipersônicos da China

  • Os investigadores analisaram registros que datam de 2019 e descobriram que as vendas – muitas vezes por meio de intermediários – foram realizadas por quase 50 empresas

  • Sob a lei dos EUA, as empresas não podem vender tecnologia à China para uso em seus programas de mísseis, e dizer que não sabiam não é escudo

  • Analistas dizem que os controles precisam ser reforçados, observando que os EUA e a China estão envolvidos em uma corrida armamentista hipersônica

As empresas americanas financiadas pelo Pentágono estão vendendo sua tecnologia para empresas chinesas envolvidas em mísseis hipersônicos, de acordo com uma nova análise.



De acordo com a lei dos EUA, a venda de produtos americanos para a China é proibida se houver conhecimento ou mesmo suspeita razoável de que eles serão usados para desenvolver um míssil.


No entanto, uma investigação do The Washington Post, publicada na segunda-feira, encontrou vários exemplos de empresas americanas que fornecem software ou equipamentos a entidades chinesas — muitas vezes com o uso de intermediários.


O Washington Post descobriu evidências de mais de 300 vendas desde 2019 de tecnologia de origem americana para dezenas de entidades envolvidas nos programas hipersônicos ou de mísseis da China, realizados por quase 50 empresas.


Ainda mais preocupante, disseram os analistas, foi que muitas das empresas americanas eram frequentemente financiadas pelo Pentágono e trabalhavam com os militares dos EUA, enquanto vendiam os produtos e programas procurados para empresas chinesas.


“É muito perturbador, porque o resultado final é que a tecnologia que pode ser usada para hipersônicos militares foi financiada pelos contribuintes dos EUA, através do governo dos EUA, e acabou na China”, disse Iain Boyd, diretor do Centro de Iniciativas de Segurança Nacional da Universidade do Colorado em Boulder, falando ao The Post.

Os militares chineses são fotografados em 4 de agosto testando seus mísseis de longo alcance. Na segunda-feira, o Washington Post informou que a tecnologia financiada pelo Pentágono estava sendo vendida por meio de intermediários para a China.

Boyd realiza pesquisas computacionais sobre hipersônicos — tecnologia através da qual os mísseis viajam a mais de cinco vezes a velocidade do som e potencialmente escapam das defesas atuais.


Os Estados Unidos e a China estão atualmente envolvidos em uma corrida armamentista para criar as armas mais avançadas, disseram autoridades do Pentágono.


Em julho e agosto de 2021, os militares chineses lançaram um foguete que usou um sistema de 'bombardeamento orbital fracionado' para impulsionar um 'veículo hipersônico planador' com capacidade nuclear ao redor da Terra pela primeira vez.


O teste deixou os Estados Unidos atordoados, mostrando que a capacidade da China estava muito além do que era conhecido anteriormente.


Em outubro de 2021, o general Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, reconheceu o teste pela primeira vez e disse que o míssil — projetado para evitar as defesas nucleares americanas — estava "muito próximo" de um "momento Sputnik" para os Estados Unidos.


A equipe do Washington Post descobriu evidências de que empresas americanas venderam equipamentos, por meio de intermediários, para uma empresa chinesa que descreveram como “instrumental” no projeto do teste de 2021.

O general Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, em outubro de 2021, disse que os EUA estavam profundamente preocupados com o teste de mísseis chinês e estavam observando de perto


Uma das empresas era a Zona Technology, com sede no Arizona, que vendia tecnologia por meio de revendedores para a Academia Chinesa de Aerodinâmica Aeroespacial (CAAA).


A academia, CAAA, esteve altamente envolvida no teste de 2021.


A Zona Technology tem contratos para serviços de pesquisa e desenvolvimento com a Força Aérea dos EUA e recebeu US$ 31,6 milhões em doações do programa de Pesquisa em Inovação para Pequenas Empresas (SBIR) do Pentágono.


Ping-Chih Chen, presidente-executivo da Zona Technology, disse que não tinha conhecimento de uma venda de seu software de simulação de aeroelasticidade — um tipo de software de aerodinâmica — diretamente para a CAAA, mas disse que eles venderam para outra empresa que, de acordo com os contratos de vendas da época, passou para a CAAA.


O distribuidor da Zona Technology na China, Jon Ding, disse que licenciou o software Zona para uma empresa com sede em Pequim, Hifar, em 2019.


Ding disse ao The Washington Post que confiava que seus clientes não violariam as regras e, portanto, não verificou se a tecnologia estava sendo vendida.


"Eu não fiz, porque eles me prometeram e eu confio neles, então não faço esse tipo de rastreamento", disse ele, acrescentando que alertou Hifar para não vender para grupos restritos.

Soldados chineses são fotografados realizando exercícios em Shenyang, província de Liaoning, nordeste da China. China está competindo com os EUA para obter os melhores mísseis hipersônicos

A Zona Technology, no Arizona, é financiada parcialmente por meio de doações do Pentágono e vendeu equipamentos e tecnologia para intermediários que os venderam para a China

Outra empresa do Arizona, a 4D Technology, também está vendendo tecnologia por meio de intermediários para Pequim

Outra das empresas que vende através de intermediários para a CAAA foi a Metacomp Technologies, com sede na Califórnia, que, como a Zona Technology, trabalha com os militares dos EUA e recebeu uma doação da SIBR — no caso da Metacomp, de US$ 13,9 milhões.


David Habib, consultor jurídico da Metacomp, disse ao The Washington Post que a empresa 'não tem conhecimento de se ou como essas empresas adquiriram o software Metacomp ou o transferiram para outras'.


Ele disse que a empresa é 'escrupulosa em cumprir as leis de controle de exportação dos EUA e exige que seus clientes também cumpram'.


Outra empresa com sede no Arizona, a 4D Technology Corp, fabrica um instrumento usado para coletar dados em testes hipersônicos, chamado interferômetros.


A empresa recebeu mais de US$ 2,5 milhões em subsídios do Pentágono SBIR de 2010 a 2017 e, em janeiro, vendeu através de seu distribuidor no país a tecnologia de interferômetro, que foi para o Instituto de Pesquisa de Mísseis Ar-Ar da China.

Eles não comentaram sobre a venda.


Até a Siemens, empresa alemã de renome, esteve envolvida nas vendas, segundo o Washington Post.


O jornal informou que uma divisão americana da gigante de tecnologia, Siemens Digital Industries Software, vendeu por meio de uma tecnologia de revenda para o Instituto de Tecnologia de Pequim em dezembro de 2020.


Em um comunicado, a Siemens disse que 'está comprometida com o cumprimento dos regimes nacionais de controle de exportação aplicáveis'.


A empresa disse: "Monitoramos nossa base de clientes para facilitar a conformidade com esses regulamentos e descontinuamos proativamente e rotineiramente a venda de nosso portfólio de software para entidades sujeitas a restrições do governo dos EUA".


A Siemens Digital Industries Software anunciou um acordo em julho para adquirir a Zona Technology, e o acordo continua pendente.

Autoridades do Pentágono estão acompanhando de perto o progresso da China

O valor da tecnologia dos EUA para a China é claro.


“Neste caso, a tecnologia americana é superior — não podemos fazer certas coisas sem tecnologia estrangeira”, disse um cientista chinês, falando ao The Post, que o jornal disse trabalhar em um laboratório universitário que realiza testes para veículos hipersônicos.


"Não existe a mesma base técnica."


Um pesquisador dos EUA disse que a compra do software e da tecnologia economizaria muito tempo e despesas para as equipes chinesas.


"Vou projetar [um míssil hipersônico] com essas ferramentas de software", disse o pesquisador.


'Vou colocá-lo em um computador e analisá-lo com essas ferramentas. E assim que o modelo chegar ao ponto em que ele cumpre minha missão, posso testá-lo em um túnel de vento.


Matthew S. Borman, subsecretário adjunto do Departamento de Comércio para administração de exportações, disse que as empresas americanas não podem culpar apenas seus intermediários pelo problema.


Mesmo um exportador que pretenda enviar um lápis fabricado nos Estados Unidos para um conhecido usuário final de míssil na China terá sua licença negada, disse ele.


"O que sempre dissemos às empresas é que você não pode se cegar", disse ele.

'Você não pode simplesmente dizer, 'Oh, estou vendendo para um distribuidor, não sei o que eles vão fazer com isso.'


“Especialmente se for um partido em que é facilmente verificável que eles são um fornecedor para as forças armadas chinesas.


“A primeira responsabilidade é da empresa. E se não exercerem essa responsabilidade, correm o risco de cometer uma violação.'


ORIGINAL >

https://www.dailymail.co.uk/news/article-11329649/How-Pentagon-FUNDING-Chinas-hypersonic-missiles.html

18 views0 comments