Contendo a China em meio à crise na Ucrânia

- THE NATIONAL INTEREST - Zalmay Khalilzad - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 24 JUN, 2022 -


O envolvimento deve ser feito a partir de uma posição de força com uma apreciação clara das realidades assustadoras que enfrentamos


Entre os desafios de política externa atualmente enfrentados pelos Estados Unidos, dois representam o maior risco potencial para nossa segurança e o futuro da ordem global. Um deles é o desafio colocado pela China como potência em ascensão que busca ultrapassar os Estados Unidos como potência mais proeminente do mundo. A outra é a Rússia, uma potência em declínio cometendo um ato chocante de agressão contra a Ucrânia em uma tentativa inútil de restauração imperial.

Embora o desafio da guerra russa na Ucrânia seja urgente, do ponto de vista da segurança nacional, a China, é claro, apresenta a ameaça mais séria e abrangente, com dimensões econômicas, políticas, tecnológicas e militares. Mesmo quando lidamos com a Ucrânia, o desafio chinês deve continuar sendo nosso foco central. Durante a maior parte do período pós-Guerra Fria, esse não foi o caso, permitindo a ascensão contínua da China, para a qual continuamos a contribuir.


Após a desintegração do Pacto de Varsóvia e da União Soviética, focamos na Europa. Expandimos a OTAN para o leste e assumimos uma responsabilidade desproporcional pela segurança europeia ao lidar com os desafios dos Balcãs, enquanto nossos aliados não conseguiram carregar sua parte justa do fardo. Após o 11 de setembro, nos concentramos na Guerra ao Terror, que se expandiu para projetos de construção de nações no Afeganistão e no Iraque.


Em vez de nos concentrarmos seriamente na crescente ameaça chinesa, continuamos essencialmente com a mesma política sobre a China que durante a Guerra Fria, alterando apenas a lógica que a acompanhava. Havíamos abraçado a China durante a última fase da Guerra Fria por causa de nossa crença de que os soviéticos estavam ficando mais fortes em relação aos Estados Unidos. O pensamento era que, dada a hostilidade soviético-chinesa, uma China mais forte serviria aos nossos interesses. Mas mesmo quando ficou claro que a União Soviética era muito mais fraca do que sabíamos, e mesmo depois de se desintegrar, continuamos a celebrar nosso abraço à China em vez de questioná-la. Nossa política em relação à China teria sido a mesma se tivéssemos uma avaliação mais precisa das fraquezas soviéticas e da possível dissolução do Pacto de Varsóvia e da União Soviética? Talvez — mas tivemos oportunidades de reavaliar e reconfigurar, e essas foram perdidas.


Em vez disso, após a Guerra Fria, continuamos a perseguir políticas que fortaleceram a China na suposição de que o progresso econômico a democratizaria e minaria o governo do Partido Comunista Chinês (PCC). Isso não aconteceu. A China continua autoritária e, com seu progresso no emprego da tecnologia digital, tornou-se um estado de vigilância, tratando seu povo com brutalidade. Para ilustração, precisamos olhar apenas para o tratamento de suas pessoas e seus animais de estimação nos últimos meses em lugares como Xangai, em nome do controle do COVID-19.


A China está se movendo em muitas frentes em sua busca para se tornar a potência mais proeminente do mundo. Em relação à tecnologia, agora pode estar à frente dos Estados Unidos em algumas áreas. Seu poder militar está crescendo. Os chineses também alcançaram um grande progresso econômico. Em grande parte disso, os ganhos críticos chineses foram alcançados por meio de nossa própria cumplicidade e pelo uso astuto das oportunidades oferecidas pelo setor privado americano.


Atraídas por mão-de-obra barata, instalações de produção rápidas e baratas e a promessa de um mercado consumidor massivo, as empresas americanas transferiram uma produção significativa para a China – no processo, muitas vezes também abrindo mão de propriedade intelectual valiosa. O governo dos EUA não impediu isso e até recentemente o encorajou. Como resultado, enquanto a China se tornou mais próspera e poderosa, nos tornamos criticamente dependentes da China para o fornecimento de produtos essenciais em áreas-chave, e até lhes concedemos acesso sem precedentes ao nosso capital intelectual e recursos científicos. Estamos apenas começando a acordar para essa realidade indesejável.


O PCC está usando o poder econômico para estender os tentáculos da influência chinesa ao redor do mundo. Muitos países ficaram fortemente endividados com Pequim. Eles estão alavancando seus laços econômicos e a chamada Iniciativa do Cinturão e Rota (sigla em inglês BRI) para obter vantagens geopolíticas. Eles seguiram uma estratégia para controlar minerais de terras raras na África e estão em posição dominante no que diz respeito ao processamento de alguns deles. O objetivo é tornar outros, incluindo os Estados Unidos, catastroficamente dependentes. Eles também estão se posicionando em todo o mundo para ameaçar rotas marítimas críticas para o comércio global.


A China procura sobrecarregar demais os Estados Unidos externamente, apoiando adversários dos EUA, como Irã e Coréia do Norte. Também nos prejudica por dentro, promovendo a desunião, prejudicando a confiança do povo americano nas instituições dos EUA por meio de instrumentos como o TikTok e tornando os jovens de nosso país viciados em drogas fabricadas na China, como o fentanil. Estas são vulnerabilidades que devemos reconhecer e abordar.


Agora, nesta situação, vem a Ucrânia. Se isso resultará em benefício da China ou de um Ocidente revigorado, dependerá de nós. A invasão de Putin traz sérios riscos, mas também oportunidades importantes. Nossos aliados europeus parecem estar percebendo, finalmente, que enfrentam riscos de segurança muito reais e devem levá-los a sério. Isso pode ser feito orçando para uma defesa realista e reduzindo sua dependência do fornecimento de energia russo. Em ambos, eles estão se comprometendo a dar passos reais na direção certa.


O fraco desempenho da Rússia na Ucrânia também criou novas oportunidades para mais cooperação em defesa com países como a Índia e outros que dependiam fortemente de equipamentos militares russos. A vigorosa resposta ocidental, claramente uma surpresa para a Rússia, demonstrou ao mundo que o Ocidente pode se unir quando desafiado. Devemos garantir que a resposta inicial positiva da Europa continue e resulte cada vez mais em aliados europeus fazendo o trabalho pesado dentro de sua própria vizinhança. Um conflito prolongado e caro na Europa, que absorve o poder militar e a atenção diplomática dos EUA e torna a Rússia cada vez mais dependente da China, servirá a propósitos chineses semelhantes ao que aconteceu após o 11 de setembro. Portanto, é importante um fim rápido para esse conflito por meio de um acordo negociado aceitável tanto para a Rússia quanto para a Ucrânia.


Também é importante que os Estados Unidos prestem atenção ao Oriente Médio impedir a hegemonia iraniana na região, limitar o crescimento da influência chinesa e buscar oportunidades. Por exemplo, a Rússia poderá em breve não conseguir sustentar sua posição na Síria. É improvável que o Irã desista de sua busca por uma capacidade de armas nucleares, com ou sem um acordo com os Estados Unidos, e isso continuará sendo um desafio contínuo. Devemos manter e construir parcerias mais fortes com aliados e amigos no Oriente Médio, com estados que possam trabalhar uns com os outros e conosco para combater o terrorismo e lidar com acontecimentos imprevisíveis nesta região turbulenta. Devemos garantir que os Estados Unidos não fiquem sobrecarregados e reforçar nossa presença militar com uma forte pegada econômica e diplomática. Basear-se nos Acordos de Abraão, por exemplo, atende aos interesses regionais dos EUA e à estabilidade global, criando laços de cooperação entre os estados que estão focados na paz e no crescimento.


Na Ásia Central e do Sul, devemos promover a conectividade, a reforma e a cooperação regionais. Há uma oportunidade de obter a cooperação do Talibã em questões que beneficiam a estabilidade regional, pois eles também têm um grande problema com o ISIS. A plataforma para obter essa cooperação está prontamente à mão, nos elementos do Acordo de Doha que foram assinados pelos Estados Unidos e pelo Talibã, mas ainda não implementados. Muitos ex-altos funcionários da ex-república estão agora adotando o acordo de Doha como o caminho mais viável para a paz e a unidade no Afeganistão. É fortuito que não estejamos mais em guerra no Afeganistão com milhares de soldados no terreno: Moscou muito provavelmente teria enviado suprimentos militares significativos, como sistemas antiaéreos, para o Talibã em retaliação por nosso apoio à Ucrânia.


Quando se trata da China, os Estados Unidos devem buscar uma estratégia abrangente de contenção e fazê-la em uma base bipartidária. Enfrentamos uma grave ameaça que deveria concentrar nossa atenção e nos unir. Os elementos-chave de tal estratégia devem ser:


Primeiro, os Estados Unidos devem fortalecer seu poder para a variedade de desafios que a China pode representar. Isso também significa trabalhar para construir e sustentar um equilíbrio de poder adequado na Ásia. Dada a ameaça chinesa a Taiwan, devemos pré-posicionar suprimentos militares em Taiwan porque reabastecer a ilha após o início de um ataque chinês será muito mais difícil do que enfrentamos na Ucrânia – uma nação que compartilha uma fronteira com a Polônia, aliada da Otan.


Em segundo lugar, precisamos garantir nossa liderança tecnológica, seja em 5G, hipersônicos, inteligência artificial ou fabricação de chips semicondutores de alta qualidade. Em algumas dessas áreas-chave, somos deficientes – na fabricação de chips de qualidade, por exemplo, somos extremamente dependentes de fornecedores externos. Um desses fornecedores é Taiwan, que só aumenta sua importância para os Estados Unidos.


Terceiro, devemos examinar e abordar deficiências e vulnerabilidades em nossa cadeia de suprimentos. A dependência contínua da China para as principais necessidades, seja em tecnologia, minerais, medicina ou processamento, é imprudente. Os processos de ally-shoring, nearshoring e offshoring devem ser monitorados e acelerados.


Quarto, precisamos responder ao uso chinês de relações comerciais e econômicas para mudar o equilíbrio de interesses em regiões-chave, especialmente na Ásia. Essa mudança no equilíbrio de interesses tornará mais desafiador e difícil obter cooperação de segurança contra ameaças da China. Com a retirada dos Estados Unidos da Parceria Transpacífico, um novo plano para abordar o expansionismo econômico chinês e sua implementação será central para a eficácia de uma estratégia de contenção.


Quinto, precisamos estar alertas para as fraquezas chinesas – e decidir a melhor forma de ampliá-las ou aumentá-las, especialmente considerando suas medidas ativas para minar os Estados Unidos por dentro. A vulnerabilidade energética chinesa é importante e exige que a levemos em consideração em nossas negociações com a Rússia, Oriente Médio e Ásia Central.


Para perseguir esses objetivos, precisamos de uma parceria entre os setores público e privado. Grande parte da força dos Estados Unidos está em sua indústria privada, que precisa ser melhor e mais deliberadamente incentivada. O setor privado precisa reconhecer – como muitos dentro dele certamente começaram a fazer – que os riscos das tensões geopolíticas que se espalham pelo setor privado e prejudicam as estratégias de longo prazo das empresas são reais e significativos.


Perseguir esse tipo de estratégia não significa se desvincular da China nem significa evitar trabalhar com a China em questões importantes para a segurança regional e internacional ou evitar a colaboração em mudanças climáticas. Mas o engajamento deve ser feito a partir de uma posição de força com uma avaliação clara das realidades assustadoras que enfrentamos.


Zalmay Khalilzad foi embaixador dos EUA na ONU.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://nationalinterest.org/feature/containing-china-amid-ukraine-crisis-203179



14 views0 comments