Construindo um Relacionamento Construtivo EUA-Rússia

- NATIONAL INTEREST - John Herbst - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 8 FEV, 2022 -

Pode parecer absurdo em nosso momento atual, com a Europa Oriental em pé de guerra e novas ameaças híbridas russas surgindo constantemente em todo o mundo, mas uma Rússia pacífica e próspera é uma possibilidade distinta.


As rachaduras dentro da elite russa estão começando a aparecer. O coronel-general aposentado Leonid Ivashov publicou recentemente uma notável carta aberta pedindo ao presidente russo Vladimir Putin que não invada ainda mais a Ucrânia, dizendo até mesmo que Putin deveria renunciar. Embora Ivashov seja um crítico de longa data de Putin e sua Assembleia de Oficiais de Toda a Rússia, um grupo de nacionalistas linha-dura, não necessariamente reflete a opinião da maioria dentro do extenso estado de segurança de Putin, a dissidência do ex-general é notável pelo argumento convincente que ele faz.

Ivashov argumenta que as próprias políticas internas do Kremlin representam uma ameaça muito maior para a Rússia do que quaisquer ameaças imaginadas da OTAN e da Ucrânia. Isso é precisamente o que argumentamos em um novo documento de estratégia do Conselho do Atlântico que tem uma visão de longo prazo sobre o relacionamento do Ocidente com a Rússia em um momento de tensões sobrecarregadas sobre a Ucrânia. Washington deve buscar construir um relacionamento com Moscou no longo prazo – provavelmente, mas não necessariamente, pós-Putin – baseado no respeito mútuo, adesão ao direito internacional e respeito à ordem internacional que surgiu após a Segunda Guerra Mundial e a Guerra Fria. Esta é uma Rússia com a qual os Estados Unidos cooperariam em muitas questões políticas e com a qual haveria uma cooperação econômica substancial. Também seria uma Rússia cujo povo prosperaria. Os Estados Unidos devem construir esse relacionamento com uma estratégia de quatro partes.

Primeiro, trabalhe com aliados e parceiros para combater o perigo imediato de Moscou.


Isso significa fortalecer o flanco nordeste da OTAN, reforçar a presença naval no Mar Negro e apoiar movimentos democráticos da Bielorrússia à Venezuela. Igualmente importante, os Estados Unidos precisam permanecer na mesma página com a Europa e apresentar uma frente unida em sanções, postura de força e diplomacia. Os Estados Unidos devem fazer isso hoje, como fizeram durante a Guerra Fria, não atendendo aos instintos políticos mais fracos do continente, mas persuadindo seus aliados e parceiros a adotarem políticas fortes, mas necessárias, que sirvam aos interesses de todos na comunidade transatlântica. A crise em curso criada pela ameaça de Putin de lançar uma nova invasão da Ucrânia mostrou como isso é difícil, mas crucial.

Esta é a base necessária para qualquer política bem-sucedida em relação a Moscou.

Em segundo lugar, estabeleça linhas vermelhas claras sobre o comportamento de Moscou.


E quando essas linhas vermelhas forem cruzadas, aja rapidamente. Isso começa com a atual crise sobre a Ucrânia, que precisa de armas mais avançadas agora. Os Estados Unidos precisam enviar mísseis Stinger antes que seja tarde demais. Washington deve atingir Moscou com as sanções mais efetivas possíveis contra o sistema financeiro da Rússia e seus oligarcas se isso aumentar na Ucrânia. E os Estados Unidos deveriam fazer mais para expor a corrupção do regime russo, quer isso signifique desclassificar informações sobre a riqueza de Putin ou aumentar substancialmente o financiamento da Voz da América e da Rádio Free Europe/Radio Liberty para divulgar a palavra ao povo russo. Os Estados Unidos também devem trabalhar para explorar qualquer atrito entre Rússia e China, incluindo disputas territoriais, mesmo que Putin e Xi Jinping tenham procurado consolidar uma parceria nos últimos dias.

Terceiro, trabalhem juntos sempre que possível.


Os Estados Unidos e a Rússia têm alguns interesses em comum, desde o controle de armas até deter a disseminação do terrorismo islâmico na Ásia Central e conter o Covid-19. Existem oportunidades de parceria no futuro do Afeganistão e no futuro do nosso planeta, à medida que as mudanças climáticas se aceleram. Os Estados Unidos podem perseguir esses objetivos compartilhados enquanto ainda se opõem fortemente às provocações do Kremlin.

Quarto, apresentar uma visão para relações futuras estreitas com uma Rússia próspera.


Esta é a cenoura para acompanhar os muitos paus dos Estados Unidos. Agora é a hora de começar a condicionar o governo russo, as elites e os cidadãos comuns de que as intenções dos EUA em relação à Rússia não são hostis e que boas relações podem levar à prosperidade e segurança. Os Estados Unidos devem aumentar os intercâmbios educacionais e culturais com a Rússia. As duas nações podem lançar a diplomacia da Faixa 1.5 ou Faixa 2 sobre como poderia ser um relacionamento alternativo. Os Estados Unidos também devem envolver a oposição “não sistêmica” da Rússia (ou seja, candidatos da oposição não oficialmente sancionados como Alexei Navalny) e a diáspora russa.

Também propomos o passo ousado de congelar e manter os ativos de altos funcionários do Kremlin e seus associados em um fundo fiduciário para devolução ao povo russo quando for estabelecido um governo russo que respeite o estado de direito.

As atuais políticas russas estão aumentando a corrupção, aumentando a repressão em casa e o revisionismo e a coerção no exterior. A economia está estagnada há uma década e o padrão de vida tem caído constantemente. É comum na Rússia hoje ouvir falar de um novo período de “zastoi” ou estagnação, como na década anterior à queda da União Soviética. Se essas políticas continuarem, o status da Rússia como grande potência começará a cair.

A visão que estamos oferecendo é de uma Rússia onde seus cidadãos talentosos lucrem com seus próprios esforços e criem uma economia moderna vibrante. Tal Rússia atrairia naturalmente seus vizinhos e parceiros mais distantes por seu dinamismo; não haveria necessidade de exercer influência por coerção.

Pode parecer absurdo em nosso momento atual, com a Europa Oriental em pé de guerra e novas ameaças híbridas russas surgindo constantemente em todo o mundo, mas uma Rússia pacífica e próspera é uma possibilidade distinta. Isso exigirá um novo pensamento e uma abordagem realista da política dos EUA.

John E. Herbst é ex-embaixador dos EUA na Ucrânia e no Uzbequistão e diretor sênior do Centro da Eurásia do Conselho Atlântico.

Este artigo é baseado no documento de estratégia do Conselho Atlântico Estratégia Global 2022: Impedindo a agressão do Kremlin hoje para relações construtivas amanhã.

PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://nationalinterest.org/feature/building-constructive-us-russia-relationship-200431


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


41 views0 comments