Consequências Rússia-Ucrânia começam a derrubar “economias de fronteira' frágeis

- REUTERS - Rachel Savage e Marc Jones - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 4 ABR, 2022 -

Trabalhadores egípcios preparam a massa antes de assar pães tradicionais egípcios em uma padaria no distrito de Mokattam, no sudeste do Cairo, já que os preços dos produtos básicos no Egito aumentaram desde a invasão da Ucrânia pela Rússia, no Egito, em 16 de março de 2022. REUTERS/Amr Abdallah Dalsh/ Foto do arquivo

LONDRES, 4 Abr (Reuters) - As consequências da guerra entre Rússia e Ucrânia acabaram de ajudar a levar dois dos países mais pobres do mundo a uma crise total, e a lista daqueles em risco - e a fila na porta do Fundo Monetário Internacional - será só ficará mais longa daqui pra frente.



Eles podem estar longe dos combates na Ucrânia, mas uma renúncia em massa do gabinete do Sri Lanka na segunda-feira e manobras drásticas de fim de semana do primeiro-ministro do Paquistão, Imran Khan, para evitar sua remoção, mostram até que ponto o impacto econômico se espalha.


Tanto o Sri Lanka quanto o Paquistão viram sua inquietação pública de longa data sobre a má gestão econômica vir à tona, mas há uma lista de dois dígitos de outros países também na zona de perigo.


Um punhado já estava à beira de crises de dívida após a pandemia COVID, o aumento resultante da guerra nos preços de energia e alimentos, no entanto, sem dúvida piorou as coisas. consulte Mais informação


Turquia, Tunísia, Egito, Gana, Quênia e outros que também importam a maior parte de seu petróleo e gás, além de alimentos básicos, como trigo e milho, que subiram entre 25% e 40% este ano, também enfrentam pressão pesada.


Os custos crescentes das importações e subsídios para esses itens essenciais do dia a dia já haviam convencido o Cairo a desvalorizar sua moeda em 15% e buscar ajuda do FMI nas últimas semanas. A Tunísia e um Sri Lanka há muito resistente também pediram ajuda.


Enquanto isso, Gana, ainda relutante em se aproximar do Fundo, está vendo sua moeda depreciar, enquanto o Paquistão, um país que já tem 22 programas do FMI em seu nome, quase certamente precisará de mais, tendo agora mergulhado em turbulência novamente. consulte Mais informação


"Esse choque de energia certamente está contribuindo para a incerteza política no Sri Lanka e no Paquistão", disse o economista-chefe da Renaissance Capital, Charlie Robertson, sinalizando-o como um fator-chave para o Egito e Gana também.



"Não me surpreenderia se mais países fossem impactados", acrescentou, citando também a Jordânia e o Marrocos, onde uma classe média relativamente considerável a torna sensível a mudanças políticas.


FOME NA ÁFRICA


A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, fez um alerta severo de que "a guerra na Ucrânia significa fome na África".


A organização irmã do FMI, o Banco Mundial, também disse que uma dúzia dos países mais pobres do mundo podem entrar em default no próximo ano, o que seria "a maior onda de crises de dívida nas economias em desenvolvimento em uma geração".

Os preços do petróleo, gás, trigo e milho dispararam

As “economias de fronteira" superendividadas, como é chamado o grupo de países menos desenvolvidos, agora devem US$ 3,5 trilhões - cerca de US$ 500 bilhões acima dos níveis pré-pandêmicos, estima o Instituto de Finanças Internacionais (IIF).


Paquistão e Sri Lanka já gastavam o equivalente a 3,4% e 2,2% de seus respectivos PIBs em energia antes da pandemia. Na Turquia, o número foi ainda maior, 6,5%, e com os preços do petróleo acima de US$ 100 o barril há meses, as pressões estão piorando.


Cada US$ 10 adicionais gastos em um barril de petróleo adiciona 0,3% ao déficit em conta corrente da Turquia, de acordo com o IIF. Para o Líbano, é de 1,3%, enquanto a agência de classificação Fitch estima que o custo dos subsídios à eletricidade na Tunísia pode subir de 0,8% para mais de 1,8% de seu PIB este ano.

Exposição do mercado emergente de fronteira a alimentos e energia

AGITAÇÃO


Os preços dos alimentos também são um problema incisivo. Eles já estavam aumentando à medida que os países emergiam dos bloqueios, exacerbados em algumas regiões pelas secas.


Com a Ucrânia e a Rússia respondendo por 29% das exportações mundiais de trigo e 19% dos embarques de milho, os preços desses produtos subiram mais 25% / 30% este ano.


O Egito compra mais de 60% de seu trigo no exterior, 80% da Rússia e da Ucrânia. Depois de desvalorizar sua moeda e se aproximar do FMI, o governo do presidente Abdel Fattah al-Sisi também acabou de fixar os preços do pão para conter os custos descontrolados dos alimentos. consulte Mais informação


"Para muitos países, estes aumentos (dos preços da energia e dos alimentos) terão repercussões nos orçamentos, nos subsídios e na estabilidade política e social." Disse Viktor Szabo, gerente de portfólio de mercados emergentes da Abrdn em Londres.

"Se você não controla os preços, pode haver agitação, basta pensar na Primavera Árabe e no papel dos preços dos alimentos lá."


Com os custos de empréstimos globais também subindo rapidamente à medida que os principais bancos centrais começam a aumentar as taxas de juros, Max Castle, gerente de portfólio de renda fixa da Mediolanum Irish Operations, disse que vários importadores de commodities de mercados emergentes podem ter pouca escolha a não ser procurar ajuda.


“É a ocasião certa para o FMI intervir apoiando os países mais vulneráveis – particularmente aqueles com déficit em conta corrente”, disse ele.

Países com maiores importações de trigo da Rússia e da Ucrânia

Reportagem de Rachel Savage e Marc Jones; Reportagem adicional de Tommy Reggiori Wilkes e Karin Strohecker; Edição por Tomasz Janowski


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


68 views0 comments