Comunismo maoísta por trás das quedas de estátuas nos EUA

The Epoch Times - Tradução César Tonheiro

21/06/2020



As pessoas param e tiram fotos com a estátua do general confederado Albert Pike, depois que foi derrubada por manifestantes na praça do Judiciário em Washington no final de 19 de junho de 2020. (ERIC BARADAT / AFP via Getty Images)

Trump denuncia onda de queda de estátua

21 de junho de 2020 por Bowen Xiao


Estátuas de figuras históricas americanas, incluindo dois de seus fundadores, George Washington e Thomas Jefferson, estão sendo derrubadas com ímpeto em todo o país — uma recente escalada que o presidente Donald Trump denunciou explicitamente. 


Embora não esteja claro quem está exatamente por trás da profanação de cada monumento, o procurador-geral William Barr disse recentemente que o Departamento de Justiça tem evidências de que o Antifa e outros grupos similares "sequestraram" protestos inicialmente  pacíficos desencadeados recentemente pela morte de George Floyd.


Em sua primeira campanha de reeleição em Tulsa, Oklahoma, Trump ligou a recente onda de queda de estátua a uma tentativa de revolução no estilo comunista. 


"Essa cruel campanha de censura e exclusão viola tudo o que consideramos os americanos estimam", disse o presidente em 20 de junho. "Eles querem demolir nossa herança para poder impor seu novo regime opressivo em seu lugar".


O senador Ted Cruz (R-Texas), enquanto isso, chamou os manifestantes que derrubaram uma estátua de Cristóvão Colombo em Minnesota como "talibã americano".


O presidente disse no comício que uma " multidão de esquerda desequilibrada" está tentando "vandalizar nossa história ... derrubar nossas estátuas e punir, eliminar e perseguir qualquer pessoa que não esteja em conformidade com suas demandas por controle absoluto e total". 


"Não estamos em conformidade", disse ele. 


Estátuas foram demolidas em vários estados. Em Portland, Oregon, manifestantes derrubaram  uma estátua de Washington em  18 de junho; alguns deles enrolaram a cabeça da estátua em uma bandeira americana e queimam a bandeira. Uma estátua de Jefferson também foi derrubada em Portland. 


Manifestantes na Califórnia derrubaram  uma estátua de Junipero Serra, um padre espanhol católico romano amplamente considerado como um dos fundadores das missões religiosas da Califórnia. Em resposta, a Embaixada da Espanha em Washington publicou uma série de posts no Twitter afirmando que “lamentam profundamente a destruição da estátua… e gostariam de lembrar seus grandes esforços em apoio às comunidades indígenas”.


"Também estamos expressando nossa profunda preocupação em relação a esses ataques às autoridades federais, estaduais e locais, pedindo que a memória de nossa rica história compartilhada seja protegida, sempre com o maior respeito pelos debates atualmente em andamento", acrescentaram funcionários da embaixada.


Vândalos na Califórnia derrubaram  estátuas de Francis Scott Key, que escreveu o hino nacional, e Ulysses S. Grant, o famoso general que ajudou a vencer a Guerra Civil, pondo fim à escravidão nos EUA. Um  vídeo  mostra a cena de um grupo de pessoas vestidas de preto aplaudindo enquanto usaram uma corda para puxar para baixo a estátua de Key.


Grant foi um abolicionista que ajudou a vencer uma série de batalhas contra a Confederação durante a Guerra Civil, forçando o general confederado Robert E. Lee a se render em 1865. Grant passou a servir como o 18º presidente da nação e usou tropas federais para processar os Ku Klux Klan. Ele trabalhou para fazer valer os direitos civis dos negros e os nomeou para posições de destaque em sua administração.


Grant, acusado por alguns ativistas de ser proprietário de escravos, adquiriu um escravo por casamento em uma família proprietária de escravos, mas o libertou cerca de um ano depois.

Uma estátua de Mohandas Gandhi foi vandalizada no Central Park de Nova York, bem como uma estátua de Miguel de Cervantes  em San Francisco, um escritor espanhol que foi escrav