Como uma suscetível investida da China por Taiwan pode se parecer com a crise dos mísseis cubanos

THE EPOCH TIMES - James Gorrie - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 23 NOV, 2022


Pequim testará a disposição de Biden de trocar Taiwan por uma guerra total quando os EUA já estão sobrecarregados econômica e militarmente?


Dizem que a história não só se repete, mas também rima. Isso pode ser uma mistura de provérbios, mas em relação aos Estados Unidos, China e Taiwan, ambos podem se aplicar.


Fatores geopolíticos semelhantes

Vamos considerar as semelhanças geográficas entre Cuba e Taiwan.


Cuba fica a 145 quilômetros da costa dos Estados Unidos, uma superpotência global. Era uma aliada da antiga União Soviética, um regime comunista que competiu com os Estados Unidos pelo poder e influência global de 1945 até seu colapso em 1991.


Da mesma forma, de 1949 até hoje, Taiwan tem sido uma aliada dos EUA localizada a cerca de 160 quilômetros do regime comunista da China continental. Essa superpotência global também está competindo com os Estados Unidos pelo controle e influência sobre o mundo.


Em 1962, a aliança de Havana com Moscou foi um trunfo crítico para os soviéticos de várias maneiras. Cuba era um espinho ideológico para os Estados Unidos, pois mostrava ao mundo, e especialmente à região, que o poderio americano tinha seus limites, mesmo em seu próprio quintal.


A revolução comunista de Cuba também mostrou ao mundo que o poder da Rússia se estendia até as Américas. Como resultado, a influência e o apoio militar da Rússia geraram movimentos e governos simpatizantes da União Soviética em toda a América Latina. Os mais notáveis foram Chile, Peru, Argentina, Nicarágua, Brasil e, claro, a outrora joia da região, a Venezuela.


Quase o mesmo pode ser dito sobre Taiwan, com algumas diferenças críticas, é claro. Por exemplo, assim como Cuba foi uma inspiração e talvez até uma catalisadora para as revoluções comunistas na região, uma Taiwan segura, livre e independente é um fator chave para a segurança, independência e liberdade lideradas pelos EUA em toda a região da Ásia-Pacífico.


Um Espinho ao Lado de Xi


Além disso, Taiwan é um espinho ideológico para o Partido Comunista Chinês (PCC). A pequena, livre e capitalista nação insular de cerca de 23 milhões de habitantes mostra aos 1,4 bilhão de chineses que vivem sob o comando do PCCh que eles não precisam do Partido para governá-los para que a China tenha sucesso. A pequena — porém rica — nação insular é uma prova inegável desse fato.


É por isso que Xi Jinping, em sua ascensão ao poder absoluto, prometeu colocar Taiwan sob o controle de Pequim até 2027, se não antes. À medida que seu poder sobre a economia cresce, mais ela se contrai em termos reais.


Importância Estratégica Global de Taiwan


Mas na comparação Cuba-Taiwan, a principal distinção é o valor econômico e tecnológico estratégico único de Taiwan para o mundo. Ao contrário de Cuba, que não produzia nada do que o mundo realmente precisava, exceto excelentes charutos, um pouco de açúcar e rum, bem como jazz latino e mercenários para exportação, Taiwan produz microchips que são essenciais para praticamente todas as economias desenvolvidas.

Um logotipo da TSMC em sua sede na cidade de Hsinchu, Taiwan, em 31 de agosto de 2018. (Tyrone Siu/Reuters)

A importância estratégica da Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) e de um punhado de outros fabricantes não pode estar exagerada. Estima-se que o fabricante de chips forneça até 92% dos chips mais importantes do mundo para comunicações por satélite, orientação, inteligência artificial, robótica e muitos outros segmentos verticais de alta tecnologia. Nenhuma economia avançada do mundo pode funcionar sem eles.


O eixo central da hegemonia dos EUA


Como Taiwan é o eixo central do poder americano na região e, possivelmente, no mundo, alteraria fundamentalmente a ordem mundial se caísse sob o controle de Pequim. A credibilidade militar e econômica dos EUA seria destruída.


Outras nações da região teriam que repensar sua aliança com os Estados Unidos, assim como todas as outras nações aliadas da América. Podemos ver uma cascata de nações asiáticas abandonando os Estados Unidos para fazer uma paz separada com Pequim.


O cálculo do bloqueio perdedor em Cuba


Há pelo menos um outro paralelo na matriz Cuba-Taiwan que pode acontecer. A resolução da Crise dos Mísseis de Cuba no outono de 1962 não foi realizada com força militar em si, mas sim pelo bloqueio naval dos EUA à ilha.


O bloqueio forçou os russos a escalar a situação enfrentando a Marinha dos Estados Unidos a 90 milhas da costa dos Estados Unidos ou a recuar. Se Moscou tentasse romper o bloqueio, seria visto como o início da Terceira Guerra Mundial ou pelo menos enfrentando a possibilidade de um ataque nuclear.


Foi uma situação de perda para Moscou. Se os russos atacassem a Marinha dos Estados Unidos, seriam vistos como os agressores em uma batalha naval contra os Estados Unidos. Isso seria ruim o suficiente. Mas eles também certamente perderiam essa batalha e sofreriam uma derrota militar e ideológica. Pior ainda, envolver os EUA militarmente também poderia desencadear uma escalada nuclear.

A União Soviética trocaria Moscou por Havana? Claro que não.


Os EUA violariam um bloqueio chinês a Taiwan?


A China precisa muito de acesso aos microchips da TSMC e precisa das instalações de produção intactas. Uma invasão pode levar Taiwan à destruição de suas fábricas.

(ED) A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi (D-Calif.) posa para fotos com a presidente taiwanesa Tsai Ing-wen no gabinete da presidente em Taipei, Taiwan, em 3 de agosto de 2022. (Folheto/Imagens Getty)

Mas e se a China decidisse implantar um bloqueio naval em torno de Taiwan? E se Pequim declarasse que qualquer violação do bloqueio, ou do espaço aéreo associado, seria considerada um ato de guerra?


Mais especificamente, o governo Biden estaria preparado para quebrar tal bloqueio se alguém se manifestasse?


Muitos dos mesmos argumentos acima também podem se aplicar a este cenário. O ônus de iniciar uma guerra real recairia sobre os Estados Unidos, e certamente haveria risco de escalada. Tal escalada provavelmente envolveria Taiwan, Japão e talvez a Coreia do Sul. Também poderia desencadear um ataque norte-coreano à Coreia do Sul e ao Japão.


Vários fatores negativos adicionais teriam que ser considerados também. A fraqueza econômica dos EUA, uma marinha esgotada e o declínio na prontidão militar geral das forças dos EUA desempenhariam um papel em tal decisão. O envolvimento crescente e estendido dos EUA na guerra da Ucrânia contra a Rússia também seria um fator significativo.


O rumo potencialmente imenso e desconhecido dos acontecimentos caso os Estados Unidos quebrem um bloqueio chinês em torno de Taiwan pode causar hesitação por parte do governo Biden, que tem mostrado preferência por evitar ou resolver desentendimentos. Outro fator crítico é o arsenal de mísseis anti-navio hipersônicos da China, contra os quais os navios dos EUA podem ter pouca ou nenhuma defesa.


Retirada dos EUA na Ásia?


Qual seria a posição dos Estados Unidos em tal cenário?


Apesar da retórica agressiva do presidente sobre defender Taiwan, no caso de um bloqueio da China, em vez de uma invasão, é concebível que os Estados Unidos cheguem a um acordo negociado para salvar a face. O governo se caracterizaria como um pacificador, acreditado apenas por partidários obstinados em casa, mas ninguém mais, principalmente na região.


Pouco depois disso, Pequim provavelmente quebraria os termos acordados para terminar o trabalho em Taiwan, humilharia o governo Biden (novamente) e potencialmente acabaria com as pretensões americanas de hegemonia na região, senão no mundo.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


James R. Gorrie é o autor de “The China Crisis” (Wiley, 2013) e escreve em seu blog, TheBananaRepublican.com. Ele reside no sul da Califórnia.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/dire-straits-how-a-china-taiwan-takeover-could-look-like-the-cuban-missile-crisis_4882380.html

6 views0 comments