Como a Ucrânia se preparou para a guerra total

- NATIONAL INTEREST - Samo Burja TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 29 ABR, 2022 -

Imagem: Reuters

Embora as forças armadas da Ucrânia permaneçam amplamente desarmadas pela Rússia, a mudança de estratégia e as reformas realizadas desde 2014 conseguiram criar um exército e uma sociedade capazes de assumir uma posição de guerra total.


À medida que a invasão da Ucrânia pelos militares russos está paralisada, é fácil esquecer que muitos inicialmente acreditavam que a Ucrânia entraria em colapso em questão de dias. No início de fevereiro, o presidente do Estado-Maior Conjunto dos EUA, general Mark Milley, alertou os legisladores americanos que Kiev poderia cair dentro de setenta e duas horas. Quando a invasão começou, várias fontes confirmaram a expectativa de Washington de que Kiev cairia dentro de um a quatro dias. Autoridades ucranianas alegam que o ministro das Finanças da Alemanha pensou que a Ucrânia cairia dentro de horas. Por um momento, ocorreu uma rara convergência entre narrativas ocidentais e russas. E, no entanto, mais de um mês após a invasão, Kiev ainda está firmemente nas mãos da Ucrânia. As excursões russas para cercar rapidamente a capital ucraniana foram completamente retiradas. Este sucesso levou alguns comentadores a declararem que não só a Ucrânia não está a perder, como também está a ganhar. Isso é provavelmente muito otimista: as tropas russas ocuparam grandes áreas do território ucraniano e estão se preparando para uma nova grande ofensiva no leste. No entanto, está claro que a Ucrânia superou as expectativas até mesmo dos principais analistas ocidentais e, por enquanto, lutou contra a Rússia até esse arrefecimento.


CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >

O baixo desempenho tático e logístico russo, bem como a ajuda militar ocidental à Ucrânia, desempenharam um papel nesse resultado surpreendente. Mas o fator muito maior é uma falha geral em reconhecer a força e prontidão das Forças Armadas da Ucrânia. Em dezembro passado, o ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, escreveu um artigo de opinião para o Conselho do Atlântico, onde previu com precisão que a superioridade aérea e os sistemas de foguetes da Rússia seriam capazes de devastar os centros urbanos ucranianos enquanto suas forças poderiam “superar as tropas ucranianas e tomar território”. Sua aparente serenidade com o aumento militar da Rússia era simplesmente porque a Ucrânia estava se preparando para uma invasão como essa nos últimos oito anos. “Os poderosos militares da Rússia certamente podem avançar em força”, escreveu ele, mas “a terra ucraniana queimará sob seus pés”. O plano, ao que parece, era comprometer a maior parte da força na defesa das cidades da Ucrânia, onde as formações blindadas russas estariam mais vulneráveis a emboscadas e uma defesa bem-sucedida negaria à Rússia o controle dos principais centros ferroviários, vitais para as operações de reabastecimento. Este é um plano que surgiu após uma reavaliação dolorosa, seguindo a experiência militar de Kiev após a Revolução Euromaidan de 2014 (Revolução da Dignidade) e a incursão da Rússia na Crimeia e Donbas.


O Estado das Forças Armadas da Ucrânia, por volta de 2014


Em 2014, os militares da Ucrânia não conseguiram impedir a anexação da Crimeia pela Rússia e a invasão híbrida em Donbas. Tropas russas sem insígnias entraram na Crimeia e ocuparam a península em grande parte sem disparar um tiro, tomando bases militares e grande parte da marinha ucraniana. Em Donbas, meses de guerra brutal levaram a um cessar-fogo e depois a um conflito congelado. A análise pós-conflito revelou que dos mais de 100.000 soldados ucranianos na época, apenas 6.000 estavam prontos para o combate. Muitos soldados simplesmente desertaram devido ao baixo moral, e foi apenas graças a divisões voluntárias motivadas que a linha em Donbas conseguiu ser mantida. De acordo com fontes de notícias russas, mais de 16.000 ex-militares ucranianos e funcionários civis foram reempregados nas forças armadas russas em abril de 2014.


Para completar, muitos dos principais oficiais de defesa e segurança da Ucrânia eram essencialmente quinta-colunistas (infiltrados) russos, com vários oficiais militares de alto escalão desertando para a Rússia durante a crise. O contra-almirante ucraniano Denis Berezovsky, por exemplo, foi nomeado comandante da marinha ucraniana em 1º de março de 2014. No dia seguinte, ele ordenou que a marinha depusesse suas armas contra a Rússia. Ele foi prontamente demitido e depois desertou. Pavlo Lebedyev, que serviu como ministro da Defesa da Ucrânia desde 2012, também desertou para a Rússia, mudando-se para a Crimeia e participando da cerimônia oficial de anexação em Moscou.


Isso talvez não seja surpreendente, uma vez que o presidente pró-Rússia da Ucrânia, Viktor Yanukovych, que serviu de 2010 até sua deposição em 2014, deu poder aos serviços de segurança enquanto os empilhava com figuras pró-Rússia e até cidadãos russos. O primeiro ministro da Defesa de Yanukovych, Mykhailo Yezhel, fugiu para a Bielorrússia em 2016 depois que o Estado ucraniano o acusou de vender ilegalmente equipamentos militares para a Rússia em 2011 e embolsar o dinheiro. Sua filha é casada com um almirante russo. Igor Kalinin, a quem Yanukovych nomeou chefe da SBU ucraniana em 2012 (o equivalente à KGB ucraniana pós-soviética), era um cidadão russo nascido em Moscou que só se tornou cidadão ucraniano em 2004, aos quarenta e cinco anos.


Viktor Muzhenko, que serviu como chefe do Estado-Maior ucraniano de 2014 a 2019, resumiu a situação na Ucrânia na época como tendo “um exército literalmente em ruínas, generais russos à frente das forças armadas [ucranianas] e agências de segurança, [e] total desmoralização.” De muitas maneiras, as lutas militares da Ucrânia refletem as da Rússia após o colapso da União Soviética. Afinal, até 1991, era o mesmo Exército Vermelho. A Ucrânia herdou 40% de todo o pessoal após o colapso soviético, resultando em um exército inchado e desatualizado com fortes laços com a Rússia. As reformas militares iniciais foram focadas exclusivamente na redução do tamanho do exército. O exército da Ucrânia permaneceu um resquício soviético até a década de 2010, o que se refletiu em sua estrutura organizacional, sistema de recrutamento, grandes estoques de equipamentos da era soviética e estratégia militar. Os documentos de defesa ucranianos anteriores a 2014 nem sequer mencionavam a Rússia como um adversário em potencial. A falta de reforma também significava que o posicionamento das forças ucranianas se baseava inteiramente nas preocupações soviéticas da época da Guerra Fria, com a maioria das tropas estacionadas no oeste do país, aguardando uma ameaça inexistente da OTAN.


Reformas ucranianas


Alguns dos problemas atuais da Rússia na Ucrânia podem ser explicados pela suposição equivocada de que o estado lamentável dos militares ucranianos em 2014 refletiu o estado dos militares ucranianos hoje. Há ampla evidência de que a liderança da Rússia esperava que a Ucrânia entrasse em colapso rapidamente. Mas após a Revolução Euromaidan, a derrubada de Yanukovych e o cessar-fogo em Donbas, a reforma militar tornou-se uma das principais prioridades do governo ucraniano. Em 2015, entrou em vigor uma mudança na doutrina e na estratégia militar , com a reescrita dos documentos estratégicos do governo. Uma nova Estratégia de Segurança Nacional foi publicada naquele ano, juntamente com uma nova Doutrina Militar e Conceito para o Desenvolvimento dos Setores de Segurança e Defesa.


Essa estratégia revisada tinha dois objetivos: afastar a agressão armada russa e criar condições favoráveis para a “libertação de territórios temporariamente ocupados”. Em outras palavras, retomar a Crimeia e Donbas. Isso exigia a construção de um exército capaz de defender a Ucrânia de uma invasão convencional e combater algo semelhante à “invasão híbrida” da Rússia em 2014. Equipamentos, treinamento, logística e muito mais precisavam ser completamente revisados. Demorou até 2016 para o presidente Petro Poroshenko instituir um plano de reforma abrangente, organizado em cinco categorias: comando e controle, planejamento, operações, medicina e logística e desenvolvimento profissional dos militares.


Os três objetivos principais dessa reforma eram profissionalizar as forças armadas do país, recriar as Forças de Defesa Territoriais e criar forças especiais que pudessem operar atrás das linhas inimigas. O objetivo de tudo isso era singular, com esses documentos nomeando a Rússia como um “adversário militar” e enfatizando a alta probabilidade de uma invasão em grande escala. Sendo um país com menos de 1/3 do tamanho da Rússia, isso foi reconhecido como um grande desafio. A grande disparidade de poder militar entre os dois países foi francamente reconhecida nesses documentos. A solução foi fomentar uma “cultura de resistência”, permitindo que o Estado mobilizasse toda a sociedade para infligir baixas maciças a qualquer invasor e aproveitando a profundidade estratégica do país para compensar a relativa fraqueza militar.


Essas grandes reformas não são fáceis de realizar. Mas, aprendendo com as demissões e deserções de comandantes pró-Rússia em 2014, o governo ucraniano colocou indivíduos mais confiáveis no comando. Aqueles que realizaram as reformas militares de Poroshenko permaneceram relativamente constantes ao longo de sua administração de 2014 a 2019. Muzhenko é um exemplo, mas o ministro da Defesa de Poroshenko, Stepan Poltorak, também serviu de 2014 a 2019. O chefe da SBU, Vasyl Hrytsak, serviu de 2015 a 2019.


A fim de profissionalizar as forças armadas, foi feita uma transição de uma estrutura de comando pesada no estilo soviético para uma mais flexível, onde os suboficiais de nível inferior são capazes de tomar decisões no campo de batalha. Antes, os oficiais de nível inferior precisavam pedir permissão aos oficiais de alto escalão para alterar as ordens, mesmo que as condições do campo de batalha as tornassem obsoletas. Essa mudança na cultura militar foi auxiliada em grande parte pelo treinamento militar ocidental. E embora os instrutores militares ocidentais tenham sido fundamentais para profissionalizar as forças armadas ucranianas, os militares russos também desempenharam um papel importante. A guerra de baixo nível, mas ativa em Donbas desde 2014, deu a centenas de milhares de ucranianos uma experiência real de combate com russos em seu território natal. Antes de 2014, os militares existiam em grande parte no papel e dependiam completamente de divisões voluntárias para repelir os separatistas russos no leste. A maioria dessas divisões de voluntários altamente motivadas e endurecidas pela batalha já foi integrada às forças armadas ucranianas.


Os países da OTAN há muito hesitam em se comprometer demais com a Ucrânia, tanto pelo desejo de não provocar a Rússia quanto por uma profunda suspeita do sucesso e seriedade das reformas ucranianas. A corrupção continua a ser um grande problema enfrentado pelos militares, e seu lento monopólio estatal da indústria de defesa, Ukroboronprom, continua sendo uma fonte flagrante de corrupção. No final, no entanto, a vasta enxurrada de equipamentos militares ocidentais, desde mísseis guiados anti tanque NLAW ou Javelin e sistemas de defesa aérea portátil Stinger (MANPADs), até tanques e veículos de combate de infantaria, fez muito para compensar um processo de aquisição corrupto e lento. Embora grande parte desse equipamento tenha chegado apenas nas últimas semanas antes da invasão, e as tropas ucranianas tenham tido tempo de treinamento limitado com ele. O fornecimento de equipamentos ocidentais combinado com a nova postura militar da Ucrânia tem sido eficaz em prejudicar severamente a capacidade da Rússia de corroer a resistência da Ucrânia por meio do desgaste. As forças ucranianas foram atraindo as forças russas para as chamadas “caixas de morte” – áreas onde são então atingidas por intensos ataques direcionados. Emboscadas persistentes ajudaram os militares ucranianos a repelir o ataque a Kiev.


Antes da guerra, as opiniões estavam divididas sobre se as reformas militares da Ucrânia tiveram sucesso. Alguns analistas os viram como um fracasso. Outros, embora reconhecendo suas deficiências, acreditavam que foram bem-sucedidos o suficiente para a Ucrânia infligir sérios danos a uma força invasora russa. Este último parece estar se confirmando. Embora as forças armadas da Ucrânia permaneçam amplamente desarmadas pela Rússia, a mudança de estratégia e as reformas realizadas desde 2014 conseguiram criar um exército e uma sociedade capazes de assumir uma posição de guerra total. Ainda não se sabe se isso será suficiente para repelir as forças russas, mas já demonstrou sua eficácia e reverteu decisivamente a tendência de um exército ineficaz e inútil de antes de 2014.


Samo Burja é o fundador e presidente da Bismarck Analysis, uma consultoria que investiga o cenário político e institucional da sociedade. Ele também é pesquisador da Long Now Foundation, onde estuda como as instituições podem durar séculos e milênios, e pesquisador sênior em ciência política no Foresight Institute, onde aconselha como as instituições podem moldar o futuro da tecnologia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://nationalinterest.org/feature/how-ukraine-prepared-itself-total-war-202110

17 views0 comments