Como a resposta da China ao COVID-19 preparou o cenário para uma onda mundial de censura

- NEW TORKER - Joel Simon e Robert Mahoney - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 25 ABR, 2022 -

A China e seu presidente, Xi Jinping forneceram um manual para a repressão da informação que se espalhou pelo mundo ao lado do vírus. Fotografia por Kevin Frayer / Getty

Governos autoritários em oitenta nações promulgaram restrições à liberdade de expressão e expressão política que foram falsamente descritas como medidas de saúde pública.


Chen Qiushi nasceu no remoto e gélido norte da China, perto da fronteira do país com a Rússia. Filho único, adorava contar histórias e piadas para a família e colegas e sonhava em ser ator ou jornalista de televisão. Mas sua mãe se opôs, e Chen se formou em direito em uma universidade local e se mudou para Pequim, onde mais tarde conseguiu um emprego em um prestigioso escritório de advocacia.


Nas horas de folga, Chen continuou a perseguir sua paixão por atuar. Ele se interessou pela comédia stand-up em bares locais e fez dublagem. Ele se tornou um concorrente do “I Am a Speaker”, um show de talentos para oradores inspirado no “The Voice”. Em sua apresentação final, ele expôs a importância da liberdade de expressão. “Um país só pode se fortalecer quando é acompanhado por críticos”, disse Chen. “Somente a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa podem proteger um país de cair em um lugar onde os fracos são atacados pelos fortes.”


Chen ganhou o segundo lugar e usou sua fama recém-descoberta para construir um grande número de seguidores nas mídias sociais. Em 2018, ele enviou mais de quatrocentos vídeos curtos que forneceram tutoriais básicos sobre a lei chinesa no Douyin, uma plataforma semelhante ao TikTok, mas disponível apenas para usuários na China. Ele ganhou mais de 1,5 milhão de seguidores, tornando-se a personalidade jurídica mais popular em toda a plataforma.


No ano seguinte, Chen começou a fornecer jornalismo independente para seus seguidores nas mídias sociais. No verão de 2019, ele viajou para Hong Kong para relatar em primeira mão os protestos de rua pró-democracia que eclodiram na cidade. “Por que estou em Hong Kong?” Chen perguntou, em um vídeo postado em 17 de agosto. “Porque muita coisa está acontecendo em Hong Kong agora.”


Chen entrevistou manifestantes e conversou com aqueles que apoiavam a polícia. Ele mergulhou em controvérsias latentes, como o uso de violência por alguns manifestantes. Ele reconheceu que o jornalismo era uma espécie de hobby, mas disse que ainda tinha a obrigação de “estar presente” quando e onde as notícias surgissem. Ele também prometeu ser objetivo. “Não vou expressar minha opinião de forma descuidada”, prometeu Chen. “Não vou dizer com quem apoio ou com quem discordo. Todo mundo tem seu próprio preconceito subjetivo. Desejo deixar para trás meu próprio preconceito e tratar tudo com neutralidade o máximo que puder. . . porque não estou satisfeito com a opinião pública e o ambiente da mídia na China, decidi vir para Hong Kong e me tornar a mídia.”


Alarmados com o alcance das postagens de Chen nas redes sociais, as autoridades chinesas pressionaram o escritório de advocacia de Chen para que ele deixasse Hong Kong. A empresa disse a Chen que, se ele não retornasse a Pequim imediatamente, estaria em grave perigo. Quatro dias depois de postar seu primeiro vídeo de Hong Kong, Chen voou para casa em Pequim. Todas as suas contas públicas de mídia social chinesas, incluindo Weibo, WeChat e Douyin, não funcionavam mais. Quando ele tentou abrir uma nova conta Douyin algumas semanas depois, a conta foi excluída assim que seu rosto apareceu em um vídeo. Ele postou mensagens em seu YouTube e Twitter, que são proibidos na China. Depois que a polícia chinesa interrogou Chen e exigiu saber o que ele achava dos protestos de Hong Kong, ele expressou frustração. “Ninguém se importa com a verdade – tudo o que importa é a minha postura”, Chen reclamou em um vídeo do YouTube. “Esse é o problema que enfrentamos agora. Parece que a verdade não importa nada.”

Uma foto do vídeo de Chen, postado em janeiro de 2020, no qual Chen faz um monólogo denunciando as maneiras como o governo chinês falhou em sua resposta à pandemia. Imagem cedida por Chen Qiushi / YouTube

Seis meses depois, em 23 de janeiro de 2020, a cidade de Wuhan entrou em confinamento. No dia seguinte, Chen embarcou no último trem de Pequim para Wuhan. “Quando acontece um desastre, se você não corre para a linha de frente o mais rápido possível, que tipo de jornalista você é?” Ele perguntou em um vídeo que ele postou do lado de fora da estação de trem. Chen parecia acreditar que informar o público e garantir o acesso a relatórios independentes era a chave para combater a doença. “Enquanto a informação viajar mais rápido que o vírus, podemos vencer essa batalha”, disse Chen, no vídeo. “Embora eu tenha sido bloqueado na Internet na China por relatar os eventos em Hong Kong, ainda tenho uma conta no Twitter e no YouTube. Nos próximos dias, convido você a me encontrar através desses canais. Ficaria feliz em ajudar a levar a voz do povo de Wuhan ao mundo exterior.


Nos dez dias seguintes em Wuhan, Chen visitou salas de emergência e supermercados, conversou com médicos, enfermeiros e moradores da cidade e enviou relatórios diários em vídeo. Em 25 de janeiro, início do Ano Novo Chinês, Chen vestiu equipamentos de proteção individual improvisados, incluindo óculos de natação, e filmou uma cena movimentada do lado de fora de uma sala de emergência local. No dia seguinte, ele visitou o mercado úmido de Wuhan, fechado, onde um vendedor de frutos do mar, Wei Guixian, teria sido a primeira pessoa a adoecer com o vírus. Chen descreveu o mercado como um lugar colorido que vendia raposas, macacos e pangolins, e disse que “as pessoas ricas locais têm o hábito de comer animais selvagens para melhorar sua saúde”.


Como Chen relatou da cidade, as autoridades chinesas encobriram sistematicamente o surto. A Comissão Nacional de Saúde ordenou às instituições que não publicassem nenhuma informação relacionada à doença desconhecida. Chen temia que tal censura estivesse facilitando a propagação do vírus e acreditava que suas reportagens diárias em vídeo informavam o público. Ele facilitou doações de suprimentos e distribuiu alimentos para funcionários do hospital. Ele compartilhou com os espectadores uma nota encorajadora de seus pais, que o exortaram a continuar reportando, mas também a se manter seguro. Ele também criticou implicitamente a liderança do país depois que o presidente Xi Jinping inicialmente não viajou para Wuhan. “Não me importa onde Xi Jinping está”, observou Chen, dirigindo-se aos moradores da cidade. “Mas eu, Chen Qiushi, estou aqui.”


Em 10 de março de 2020, quase três meses após o suposto primeiro caso, o presidente finalmente visitou Wuhan. Ele elogiou a guerra popular contra o coronavírus e trouxe jornalistas de meios de comunicação controlados pelo Estado. Por meio de sua rede global de propaganda, a China contou sua narrativa pandêmica ao mundo. Ele usou medidas brutas – um vídeo, distribuído pela agência de notícias estatal Xinhua, com a Estátua da Liberdade falhando em defender os EUA do vírus – e estratégias mais sofisticadas, como gerar cobertura da mídia do governo chinês prestando ajuda em locais como Paquistão e Itália.


Parte do argumento do governo é que seu sistema de controle estrito de informações permitiu suprimir desinformação e rumores, ao mesmo tempo em que fornece à população informações e protocolos de saúde confiáveis para se manter seguro. Uma pesquisa global divulgada em junho de 2020 descobriu que 60% dos entrevistados acreditavam que a China havia respondido efetivamente à pandemia, enquanto apenas 1/3 achava que os EUA o haviam feito. O governo chinês usou seu controle quase total sobre a mídia doméstica—assim como as mídias sociais—para gerenciar as percepções públicas de suas políticas de coronavírus e construir apoio popular para suas ações. Bloqueou ou derrubou postagens online que lançavam dúvidas sobre a resposta do governo e, em alguns casos, prendeu e processou dissidentes. Aproveitando-se da deterioração das relações com o governo Trump, expulsou mais de uma dúzia de correspondentes estrangeiros dos EUA, alguns dos quais faziam perguntas desconfortáveis sobre Wuhan.


A China forneceu um manual para a repressão de informações que se espalhou pelo mundo junto com o vírus. Citando o covid, governos autoritários na Rússia, Irã, Nicarágua e oitenta outras nações, de acordo com a Human Rights Watch, promulgaram novas restrições à liberdade de expressão e expressão política que foram falsamente descritas como medidas de saúde pública. Em pelo menos dez países, os protestos contra o governo também foram proibidos ou interrompidos. Informações sobre o vírus que não vieram do governo foram criminalizadas como “fake news” ou propaganda.


Os regimes autoritários chamaram a censura de necessária e em grande parte temporária, mas, na realidade, a pandemia amplificou ou acelerou uma mudança em direção ao autoritarismo que, segundo a organização pró-democracia Freedom House, com sede nos EUA, estava em andamento há quatorze anos. Pelo menos noventa e um países que o grupo monitorou restringiram a mídia em resposta ao surto de vírus nos primeiros meses de 2020, incluindo sessenta e sete por cento dos estados que a organização sem fins lucrativos classifica como “não gratuitos”.


Essas repressões foram muitas vezes alimentadas por considerações políticas domésticas, descobriu a Freedom House, incluindo o desejo de esconder a extensão do surto dos cidadãos e ocultar a incompetência do governo. A repressão foi facilitada pela narrativa, criada e difundida pela China, de que governos autoritários estavam mais bem equipados para responder à pandemia, em parte, por sua capacidade de controlar e gerenciar informações. Isso estava em nítido contraste, argumentou a China, com as deficiências do mundo democrático, particularmente nos Estados Unidos, que estava atolado em divisão e desinformação e lutava para reunir uma resposta eficaz de saúde pública. Hoje, à medida que a onda mais recente da pandemia recua, um período pós-covid a ordem política global está surgindo onde as autocracias parecem fortalecidas e as democracias parecem divididas.


Durante seu tempo em Wuhan, Chen visitou o canteiro de obras do Hospital Huoshenshan, uma enorme instalação médica de emergência que o governo chinês construiu, do zero, em dez dias. O hospital foi tanto uma resposta à enorme demanda por atendimento ao paciente quanto um esforço de propaganda cuidadosamente calibrado destinado a destacar a capacidade do governo chinês de mobilizar recursos estatais e reorganizar a sociedade em caso de emergência. Durante uma volta de carro com vários moradores de Wuhan, Chen observou ruas vazias enquanto procurava um lugar para comer.


À medida que seu tempo em Wuhan passava, Chen ficou cada vez mais agitado. Ele carregou um monólogo de 27 minutos em que denunciou a escassez de kits de teste e leitos hospitalares, descreveu a exaustão de médicos e trabalhadores da construção civil e relatou que os motoristas de táxi da cidade descobriram que uma doença contagiosa estava se espalhando semanas antes das autoridades anunciarem publicamente. Apesar da tentativa do governo de controlar o fluxo de informações, eles souberam evitar o mercado de Huanan. Chen descreveu o crescente caos nos hospitais, as filas, os pacientes sendo tratados em estacionamentos e salas de espera e o corpo de um paciente morto sentado em uma cadeira de rodas.


Vários dias após a chegada de Chen, alguém do Bureau of Justice ligou para Chen e perguntou onde ele estava hospedado em Wuhan. As autoridades convocaram os pais de Chen e pediram para pressionar Chen a deixar Wuhan. "Eu quero que ele volte para casa mais do que você", disse Chen, retrucou sua mãe. Uma semana depois, Chen disse a seus pais que planejava visitar um hospital temporário. Depois de não conseguirem contatar Chen por doze horas, seus amigos, seguindo um protocolo acordado, entraram em suas contas e mudaram suas senhas. Embora não tenha havido confirmação oficial, eles suspeitavam que ele havia sido detido pelas autoridades chinesas e estava sendo preso secretamente.


Chen não foi o único jornalista ou blogueiro cidadão a documentar o surto inicial de coronavírus em Wuhan. Uma escritora premiada, Wang Fang, que atendia pelo pseudônimo Fang Fang, postou um diário detalhado de sua vida cotidiana sob bloqueio, que foi amplamente lido na China e em todo o mundo. O artista e ativista Ai Weiwei montou um documentário, que intitulou “Coroação”, a partir de imagens amadoras de moradores de Wuhan. Ofereceu um retrato vívido e íntimo de médicos e pacientes sobrecarregados.


Chen também não foi o único blogueiro a ser detido. Vários outros jornalistas cidadãos foram detidos, incluindo Fang Bin, um vendedor de roupas de Wuhan que se tornou ativista da informação, que filmou cadáveres em uma van do lado de fora de um hospital, e Li Zehua, que viajou de Pequim a Wuhan após o desaparecimento de Chen. Li conseguiu postar vídeos de Wuhan por quinze dias, incluindo um relatório amplamente visto sobre os esforços de um crematório para recrutar trabalhadores adicionais, antes de ser detido. Ele reapareceu quase dois meses depois, dizendo que havia sido colocado em quarentena à força e também elogiando a polícia que, segundo ele, agia “de maneira civilizada” e “se preocupava muito comigo”. Outra jornalista cidadã, Zhang Zhan, não teve tanta sorte. Quatro meses depois de ser detida, ela foi indiciada por “provocar brigas e causar problemas", uma ofensa comum muitas vezes usada para prender dissidentes. Três meses depois, Zhang, que está em greve de fome intermitente, foi condenada a quatro anos de prisão.


Sete meses após o desaparecimento de Chen, seu amigo, o lutador de MMA Xu Xiaodong, anunciou em um vídeo online que Chen estava “com boa saúde”, mas vivendo sob a supervisão de “uma certa instalação do governo”. Em setembro passado, Chen apareceu em um vídeo do YouTube postado por Xu dizendo que sofria de depressão e havia praticado boxe. Nos meses seguintes, Chen continuou a ser banido das plataformas de mídia social chinesas. Em novembro, Chen conseguiu twittar que o boxe lhe trouxe paz e propósito. Em outro vídeo, ele observou: “Assista até o final e você entenderá minha situação”. O vídeo mostrou três policiais sentados do lado de fora da academia de boxe e vigiando Chen.



Isso foi extraído de “The Infodemic: How Censorship and Lies Made the World Sicker and Less Free”.



PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

13 views0 comments