Com a inflação, notas e cartões de ouro chegam à carteira dos Estados Unidos

- REUTERS - Karen Brettell - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 27 ABR, 2022 -

O dinheiro Goldbacks é infundido com partículas de ouro e vem em denominações que variam de 1, que é 1/1.000 de onça de ouro, a 50, que é 1/20 de onça. Goldbacks Inc/via REUTERS

Com a inflação atingindo seus níveis mais altos em quatro décadas, o empresário de Utah, Steve Allred, está preocupado com o declínio do poder de compra do dólar americano.


Para ajudar a se proteger contra a possibilidade de piorar, a Allred, como muitos investidores, comprou ouro. Ele também começou a aceitar algumas formas do metal precioso como pagamento nas três lojas de ferragens que possui com seu irmão.



Allred está entre um grupo de americanos que estão cada vez mais se voltando para o ouro como moeda alternativa, já que gastos governamentais sem precedentes e a flexibilização do Federal Reserve ameaçam corroer ainda mais o valor do dólar.


O dólar perdeu 86% de seu poder de compra desde 1971, segundo dados do governo americano, quando o presidente Richard Nixon encerrou a conversibilidade fixa de dólares em ouro. Os preços do ouro saltaram de cerca de US$ 40 por onça para US$ 1.900 durante esse período.


Além de seu uso em joias, reservas do banco central e algumas aplicações industriais, o ouro há muito tempo tem alguns defensores apaixonados que acreditam que ele mantém seu valor melhor do que moedas fiduciárias como o dólar, porque os governos podem emitir dívidas e imprimir dinheiro à vontade.


Os dólares americanos em circulação são de US$ 2,25 trilhões, acima dos US$ 1,80 trilhão no início de 2020 e pouco mais de US$ 800 bilhões em 2007, mostram dados do Federal Reserve.



Dólares


O uso do ouro como moeda começou a ganhar força após a crise financeira de 2007-2009 e se acelerou durante a pandemia desde 2020, quando o governo gastou trilhões e o Federal Reserve comprou quantidades sem precedentes de títulos em um esforço para reviver a economia.


Embora não desafie a primazia do dólar, seu uso está crescendo rapidamente. Inovações que permitem que as pessoas usem o metal até para as menores transações diárias estão ajudando a impulsionar o movimento.



Allred começou a aceitar Goldbacks em suas lojas há cerca de três meses. Este dinheiro é infundido com partículas de ouro e vem em denominações que variam de 1, que é 1/1.000 de onça de ouro, a 50, que é 1/20 de onça.


Naquela época, os clientes da Allred compraram cerca de US$ 3.000 a US$ 4.000 em mercadorias usando a moeda. Ele espera que o uso das notas aumente e que possa ser usado para uma ampla variedade de produtos e serviços em sua comunidade, especialmente se o dólar continuar se desvalorizando.


Jeremy Cordon, fundador e presidente da Goldback Inc, disse que cerca de um quarto a metade das pequenas empresas de Utah aceitarão as notas. A empresa vendeu cerca de US$ 30 milhões em todo o país e Cordon acredita que os Goldbacks podem crescer para cerca de US$ 1 bilhão nos próximos cinco ou seis anos, embora a velocidade de crescimento seja limitada pela rapidez com que a empresa pode imprimir o dinheiro.


Jason Cozens, fundador e CEO do aplicativo de negociação e investimento de ouro Glint Pay, também viu uma forte demanda para usar o ouro como moeda.


Os clientes podem usar o Glint para comprar ouro, que é mantido em um cofre na Suíça, e gastar suas posses usando um Mastercard. Cozens diz que cerca de metade de seus 105.000 clientes estão nos Estados Unidos, e os usuários registrados aumentaram 500% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre.


“O dinheiro que estamos usando na vida de menos de uma pessoa perdeu a maior parte de seu poder de compra e é isso que está impulsionando tudo”, disse Cozens. “Você começa a pensar: 'Bem, por que o dinheiro está se depreciando? Por que está fora do meu controle?'”



Ouro


De certa forma, o interesse em moedas de ouro se sobrepõe ao movimento de criptomoedas, que é popular, pelo menos em parte, devido ao desejo de sistemas financeiros descentralizados. As pessoas estão buscando mais privacidade à medida que o dinheiro se torna menos comum e as moedas digitais propostas pelo banco central correm o risco de dar a algumas instituições mais controle sobre as finanças das pessoas do que nunca.


Os números exatos sobre a frequência com que o ouro é usado como leilão não estão disponíveis, pois as transações são privadas. Joe Cavatoni, CEO regional dos EUA, no World Gold Council, disse que o ouro é mais popular como investimento porque tem um bom desempenho em tempos de incerteza, embora os governos estaduais também estejam removendo algumas barreiras ao seu uso como moeda.


Utah reconheceu ouro e prata como moeda legal em 2011, e Oklahoma e Arizona seguiram. Os estados estão levantando cada vez mais as restrições fiscais.


Jp Cortez, diretor de políticas da Sound Money Defense League, disse que 41 estados isentaram total ou parcialmente o ouro e a prata dos impostos sobre vendas, com outros 5 considerando a legislação para fazer o mesmo.


O grupo também está trabalhando com legisladores para remover os impostos sobre ganhos de capital. O Arizona eliminou o imposto estadual sobre ganhos de capital sobre metais preciosos, embora a maioria dos estados continue a cobrar isso e os impostos também sejam pagos em nível federal.


Cortez observa que, em última análise, “se você não pode amortizar perdas de capital no valor do dólar, não devemos ser tributados por ganhos de capital quando esse ganho no preço do ouro não é realmente um ganho - é apenas uma representação da perda do poder de compra do dólar”.


Reportagem de Karen Brettell em Nova York Edição de Alden Bentley e Matthew Lewis


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.reuters.com/business/with-inflation-gold-notes-cards-find-their-way-into-americas-wallet-2022-04-27/

65 views0 comments