Coerção econômica da China está falhando

- THE EPOCH TIMES - 3 SET, 2021 - Peter Dahlin - Tradução César Tonheiro -

O senador Cory Gardner (R-Colo.) (L) e o senador Ed Markey (D-Mass.) Em uma audiência sobre o uso da coerção econômica pela China como governante, em Washington, em 24 de julho de 2018. (Samira Bouaou / Epoch Times)

A coerção econômica de Pequim está enfrentando resistência de outros países.

Recentemente, a Lituânia se recusou a ceder sob pressão em meio a ameaças crescentes do regime chinês, e as convicções dos lituanos parecem ter se fortalecido, não enfraquecido. O que é notável é que isso está acontecendo apesar da falta de sólido apoio dos Estados Unidos e da União Europeia no estabelecimento de políticas para conter a guerra econômica de Pequim.

A Austrália tem estado sob os holofotes como vítima da guerra econômica do Partido Comunista Chinês, mas não foi o primeiro e não será o último país a enfrentar tal tratamento. O ataque de Pequim em várias frentes contra a economia australiana, junto com as infames “14 demandas”, foi e é um alerta para a comunidade internacional.

No entanto, a Austrália até agora se recusou a ceder e não há indicação de que isso vá mudar em breve. Na verdade, o ato de agressão conseguiu apoio popular e político para uma linha mais dura contra a China e, embora sua economia tenha sido prejudicada, o dano foi bem menor do que muitos previram. Mesmo as empresas australianas, embora façam lobby para apaziguamento no setor privado, têm evitado em grande parte assumir uma posição pública e, em vez disso, estão trabalhando cada vez mais com o apoio do governo para identificar novos mercados em potencial.

O Japão, vendo a crise econômica prolongada e vendo o que o futuro reserva, já incorporou a redução da dependência da cadeia de suprimentos para sua indústria em seu pacote de resgate econômico, percebendo que nenhuma grande economia pode continuar a depender de uma China instável e cada vez mais paranoica para sua indústria.

No Canadá, como na maioria dos países, a dependência econômica da China é uma fração da Austrália. O fracasso da política de Xi Jinping de sanções econômicas mais duras provou que a vontade política e o planejamento econômico de longo prazo permitiriam que até mesmo os países mais expostos enfrentassem Pequim. Também estimulou uma discussão sobre quão dependentes somos da China, economicamente, o que é muito prejudicial para a China, porque um de seus principais pontos fortes é como as pessoas, a mídia e os políticos acreditam que a dependência econômica e o domínio chinês são muito maiores do que eles realmente são. Essa mudança na discussão é uma correção necessária.

Mais recentemente, a Lituânia está atraindo a ira da China e a mídia estatal está se entregando para proclamar o horror que está por vir à Lituânia por minar as tentativas chinesas de dividir a UE e oferecer um mínimo de legitimidade a Taiwan como país. Até agora, é um fracasso abjeto. A Lituânia, é claro, tem pouco ou nenhum intercâmbio econômico com a China e, sem quaisquer opções de política real, o PCCh fica bravo e, francamente, constrangendo-se por causa de um país com menos de 3 milhões de habitantes. Até agora, a Lituânia se recusou a ceder e o pecado original — minar o projeto “17 + 1” da China, que visa dividir a UE, passando de um fracasso a um constrangimento. Novamente, não é surpreendente. Esses países do Leste Europeu começaram a perceber que as promessas de longa data de investimentos e oportunidades de exportação não se concretizaram [considerado mecanismo zumbi], talvez da Hungria e da Grécia, e eles veem cada vez menos valor em irritar Bruxelas, um parceiro muito mais importante, quando conseguem pouco atrás de Pequim.

E não vamos esquecer a Noruega, um exemplo infame, onde a chamada guerra econômica significou, na realidade, um redirecionamento das exportações de peixes via Hong Kong em vez de diretamente para a China, e perdendo a oportunidade de beber coquetéis em banquetes durante missões de intercâmbio comercial. No entanto, essas falhas são apenas da China, e não por causa de uma política unificada e bem pensada dos Estados Unidos e da UE. As empresas americanas estão arrematando as exportações perdidas da Austrália, e a UE ainda não formalizou uma resposta adequada à declaração de guerra econômica da China contra a Lituânia. O verdadeiro teste ainda está por vir. A UE já está lutando por relevância política e econômica, e seu fracasso em apoiar a Austrália, ou a Noruega, está colocando mais pressão sobre ela para chegar a um conjunto coerente de respostas políticas, agora que um de seus próprios estados-membros está sendo visado.

Deixar de responder e oferecer apoio político e econômico de todo o coração não só seria uma oportunidade perdida e encorajaria a China a empregar o mesmo método contra outros Estados membros, mas deixaria os países europeus menores questionando o valor da UE como um todo.

Pois os Estados Unidos, que estão tentando construir uma coalizão entre democracias para diminuir a ameaça de Estados autoritários — a China, em particular — também precisam desesperadamente mostrar liderança, especialmente no contexto dos eventos em andamento no Afeganistão.

Se for uma partida, a China começou marcando vários gols contra; Austrália e Lituânia, de maneiras diferentes, expuseram a fraqueza inerente à política do PCCh. Mas a vitória só pode vir de respostas políticas fortes e coerentes dos dois atores principais — os Estados Unidos e a UE.

As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times. Peter Dahlin é o fundador da ONG Safeguard Defenders e co-fundador da ONG chinesa China Action (2007-2016). Ele é o autor de Trial By Media e colaborador de The People's Republic of the Disappeared. Ele morou em Pequim desde 2007, até ser detido e colocado em uma prisão secreta em 2016, posteriormente deportado e banido. Antes de morar na China, ele trabalhou para o governo sueco com questões de igualdade de gênero e agora mora em Madri, na Espanha.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL: https://www.theepochtimes.com/chinas-big-gamble-on-economic-coercion-is-failing_3976264.html

Para acessar o Conteúdo acima, acesse a Home Page aqui. https://www.heitordepaola.online/



18 views0 comments