'Clérigos se perdem!': Irã manifesta raiva por desastre de avião

13/01/2020


- REUTERS -

Tradução César Tonheiro



ESTUDANTES IRANIANOS SE RECUSAM A PISAR NA BANDEIRA DOS EUA E ISRAEL - https://www.youtube.com/watch?v=C97o_tue4b0

DUBAI (Reuters) - Manifestantes denunciam os dirigentes clericais do Irã foram às ruas e a polícia de choque foi destacada para enfrentá-los na segunda-feira, em um terceiro dia de manifestações, depois que as autoridades reconheceram ter abatido um avião de passageiros por acidente.


Manifestações no Irã, algumas enfrentadas por uma violenta repressão, são a mais recente reviravolta em uma das mais graves escaladas entre Washington e Teerã desde a Revolução Islâmica do Irã, em 1979.


O vídeo mostrou estudantes na segunda-feira cantando slogans, incluindo “Clérigos se perdem!”, Fora das universidades da cidade de Isfahan e de Teerã, onde a polícia de choque foi filmada tomando posições nas ruas.


Imagens dos dois dias anteriores de protestos mostraram pessoas feridas sendo carregadas e poças de sangue no chão. Tiros foram ouvidos, embora a polícia tenha negado abrir fogo.


O presidente dos EUA, Donald Trump, que aumentou as apostas na semana passada ao ordenar um ataque por drone que matou o comandante militar mais poderoso do Irã, twittou aos líderes do país: "não mate seus manifestantes".


Teerã reconheceu abater o avião ucraniano por engano na quarta-feira, matando todas as 176 pessoas a bordo, horas depois de disparar contra alvos dos EUA no Iraque para retaliar a matança em 3 de janeiro do general Qassem Soleimani em Bagdá.


A ira do público iraniano, que ronca por dias, como o Irã nega repetidamente ser o culpado pelo acidente de avião, explodiu em protestos no sábado, quando os militares admitiram seu papel.


É difícil obter uma imagem completa dos protestos dentro do Irã por causa das restrições da mídia independente. Mas vídeos enviados à internet mostraram dezenas de manifestantes, possivelmente centenas, na segunda-feira em sites em Teerã e Isfahan, uma grande cidade ao sul da capital.


"Eles mataram nossas elites e os substituíram por clérigos", eles cantaram do lado de fora da universidade de Teerã, referindo-se aos estudantes iranianos que estavam no avião voltando aos estudos no Canadá.


'NÃO OS ESPANQUE'


Vídeos postados no domingo registraram tiros contra protestos na Praça Azadi, em Teerã. Feridos estavam sendo carregados e homens que pareciam ser agentes de segurança corriam enquanto seguravam rifles. A polícia de choque atingiu os manifestantes com cassetetes enquanto as pessoas gritavam "Não os espanque!"


"Morte ao ditador", outras imagens mostraram manifestantes gritando, dirigindo sua fúria diretamente contra o aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã desde 1989.


A Reuters não pôde verificar imediatamente as imagens. A mídia afiliada ao Estado registrou os protestos em Teerã e em outras cidades, mas sem todos os detalhes dos vídeos enviados.

"Em protestos, a polícia absolutamente não disparou porque os policiais da capital receberam ordens para mostrar contenção", disse o chefe de polícia de Teerã, Hossein Rahimi, em comunicado à imprensa estatal.


O confronto de Teerã com Washington chegou em um momento precário para as autoridades do Irã e as forças que eles apoiam para exercer influência no Oriente Médio. As sanções impostas por Trump martelaram a economia iraniana.


As autoridades do Irã mataram centenas de manifestantes em novembro, o que parece ter sido a mais sangrenta repressão contra os distúrbios antigovernamentais desde 1979. No Iraque e no Líbano, os governos apoiados por grupos armados pró-Irã também enfrentaram protestos em massa.


As mortes de passageiros, incluindo muitos iranianos, alguns com dupla cidadania, adicionam trauma a uma nação ainda crua com as mortes nos distúrbios de novembro, quando a polícia disparou contra manifestantes que incendiam lojas, postos de gasolina e bancos.


O assassinato de Soleimani levou a dias de luto e demonstrações públicas de solidariedade com as autoridades, mas até isso ficou sangrento, com pelo menos 56 pessoas pisoteadas até a morte em seu funeral.


Cinco nações cujos cidadãos morreram no acidente se reunirão em Londres na quinta-feira para discutir possíveis ações legais, disse à Reuters o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia.


ESCALADA


Trump twittou que “não poderia se importar menos se (os iranianos) negociarem. Depende totalmente deles, mas sem armas nucleares e 'não mate seus manifestantes'”.


O porta-voz do governo do Irã rejeitou os comentários de Trump, dizendo que os iranianos estavam sofrendo por causa de suas ações e eles lembrariam que ele havia ordenado a morte de Soleimani.


Em outro tweet, Trump disse: "Os maravilhosos manifestantes iranianos se recusaram a pisar, ou de qualquer forma denegrir, nossa Grande Bandeira Americana", uma referência a imagens que mostram estudantes parados ao invés de pisar numa bandeira dos EUA pintada no chão para que as pessoas andassem sobre ele.


Trump precipitou uma escalada com o Irã em 2018, retirando um acordo sob o qual as sanções foram atenuadas em troca do Irã restringir seu programa nuclear.


Trump diz que quer um pacto mais rigoroso. O Irã diz que não negociará enquanto as sanções dos EUA estiverem em vigor.


O recente surto começou em dezembro, quando foguetes disparados contra bases americanas no Iraque mataram um empreiteiro americano. Washington culpou a milícia pró-Irã e lançou ataques aéreos que mataram pelo menos 25 combatentes. Depois que a milícia cercou a embaixada dos EUA em Bagdá por dois dias, Trump ordenou o ataque a Soleimani.


O Irã retaliou na quarta-feira disparando mísseis nas bases iraquianas onde as tropas dos EUA estavam estacionadas, sem ferir nenhum americano. O avião ucraniano caiu pouco depois.


O presidente do Irã considerou a queda do avião um "erro desastroso". Um alto comandante disse ter dito às autoridades no dia do acidente que havia sido abatido, levantando questões sobre por que o Irã havia inicialmente negado.



Reportagem de Babak Dehghanpisheh e Parisa Hafezi; Escrito por Edmund Blair; Edição por Peter Graff

https://www.reuters.com/article/us-iran-crash/clerics-get-lost-iran-protests-rage-on-over-plane-disaster-idUSKBN1ZC0P1


© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube