CIA cria novo grupo missionário para combater ameaças da China

- THE EPOCH TIMES - Eva Fu - Tradução César Tonheiro -

Um homem cruza o logotipo da Agência Central de Inteligência (CIA) no saguão da sede da CIA em Langley, Virgínia, em 14 de agosto de 2008. (Saul Loeb / AFP via Getty Images)

A Agência Central de Inteligência disse que vai criar um grupo de trabalho de alto nível voltado para a China , chamando Pequim de "a ameaça geopolítica mais importante" que a América enfrenta hoje.


A formação do China Mission Center anunciada em 7 de outubro visa abordar "o desafio global apresentado pela República Popular da China", disse o diretor da CIA William Burns na quinta-feira, acrescentando que tal desafio "atravessa todas as áreas de missão da Agência."

Um alto funcionário da CIA disse que a agência contratará fluentes em mandarim e mobilizará especialistas chineses em todo o mundo.


A nova unidade de trabalho "fortalecerá ainda mais nosso trabalho coletivo sobre a ameaça geopolítica mais importante que enfrentamos no século 21, um governo chinês cada vez mais adversário", disse Burns em um comunicado, ressaltando que a ameaça é do governo chinês, não do povo chinês.


“Ao longo de nossa história, a CIA se esforçou para enfrentar quaisquer desafios que surgissem”, disse ele à força de trabalho. “E agora, enfrentando nosso teste geopolítico mais difícil em uma nova era de grande rivalidade de poder, a CIA estará na vanguarda desse esforço.”


O Departamento de Justiça em 2018 lançou a Iniciativa da China para conter a espionagem econômica da China. A primeira linha da página inicial da iniciativa afirma que cerca de 80% dos processos por espionagem econômica beneficiaram o Estado chinês. Em setembro, o diretor do Federal Bureau of Investigations (FBI), Christopher Wray, disse que sua agência "está abrindo uma nova investigação de contra-espionagem na China a cada 12 horas ”.


As iniciativas de Burns marcam suas primeiras grandes mudanças desde que assumiu o cargo em março e estão de acordo com as prioridades que ele definiu antes de assumir o cargo.

Durante sua audiência de confirmação em fevereiro, Burns caracterizou a “concorrência competitiva da China” como “chave para nossa segurança nacional nas próximas décadas”, embora ele também tenha destacado questões como mudança climática e desnuclearização como áreas de “interesses mútuos”.

William Burns, nomeado diretor da Agência Central de Inteligência, testemunha durante sua audiência de confirmação do Comitê de Inteligência Selecionado do Senado no Edifício Russel do Senado no Capitólio em Washington, em 24 de fevereiro de 2021. (Tom Williams-Pool / Getty Images)

Como parte da reorganização da organização, a CIA fundirá centros de missão no Irã e na Coréia do Norte — ambos criados durante a administração de Trump — com a unidade mais ampla do Oriente Médio e outra no Leste Asiático-Pacífico, respectivamente. A agência também tratará dos atrasos de recrutamento devido à conclusão de verificações de antecedentes e autorizações de segurança, com o objetivo de reduzir o tempo de processamento para uma média de seis meses.


As mudanças refletem a “natureza regional dessas questões de várias maneiras”, disse o alto funcionário, que acrescentou que “a China é realmente global”.


Um escritório adicional, denominado Transnational and Technology Mission Center, irá “abordar questões globais críticas para a competitividade dos EUA”, como tecnologias emergentes, segurança econômica, mudança climática e saúde global, de acordo com Burns.

O vice-diretor da CIA, David S. Cohen, supervisionará a implementação.


O senador Mark Warner (D-Va.), que preside o Comitê de Inteligência do Senado, disse que espera trabalhar com a CIA para garantir que as mudanças “atendam aos desafios que enfrentamos”.


“O ambiente de ameaças estratégicas está mudando e a comunidade de inteligência precisa se adaptar para atender a esse novo ambiente”, disse ele em um comunicado.


O vice-presidente do comitê, senador Marco Rubio (R-Fla.), também deu boas-vindas às notícias do grupo de trabalho da China.


“A ameaça representada pelo Partido Comunista Chinês é real e crescente”, disse ele em um comunicado. “Cada parte de nosso governo precisa refletir essa grande competição de poder em mensagem, estrutura e ação.”


Os especialistas observaram anteriormente os desafios para enfrentar as provocações da China.


O regime “fez incursões maciças, basicamente correndo pelos Estados Unidos com um aspirador de pó gigante por décadas, roubando todos os segredos que temos sobre qualquer assunto sob o sol”, disse o oficial de operações aposentado da CIA Sam Faddis ao Epoch Times em uma entrevista anterior. Para ele, “a ideia de que, em 2021, o PCCh agora é visto como um grande problema, [a CIA] retarda um pouco o partido”.


Eva Fu é redatora do Epoch Times em Nova York, com foco nos EUA-China, liberdade religiosa e direitos humanos. PUBLICAÇÃO ORIGINAL: https://www.theepochtimes.com/cia-creates-mission-group-to-counter-threats-from-china_4037503.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


11 views0 comments