Chineses ordenados a transformar florestas em campos de grãos ante ameaça de crise alimentar

- THE EPOCH TIMES - Ellen Wan - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 21 MAR, 2022 -

Uma agricultora está trabalhando em um campo em frente a Zhongba, uma pequena ilha perto da cidade de Chongqing, no sudoeste da China, em 29 de novembro de 2020. (NOEL CELIS/AFP via Getty Images)

Um vídeo que circulou nas mídias sociais da China mostrou que as autoridades locais em Weifang, província de Shandong, ordenaram aos camponeses que "removessem árvores” para disponibilizar a terra para a produção de grãos. Isso ocorre porque muitos na China temem que a escassez de alimentos em breve se torne um problema sério.


No vídeo, um camponês, que gravou como uma selfie, disse: “Acabamos de receber um aviso de que somos obrigados a cortar essas árvores e cultivar grãos, mesmo que financeiramente acabe sendo uma perda. Os preços das commodities estão tão altos hoje em dia – fertilizantes, pesticidas e os preços são ridiculamente altos.”


Ao fundo, muitas árvores já haviam sido derrubadas, algumas com raízes expostas. Outros camponeses haviam removido uma grande área de árvores maduras.


Ao mesmo tempo, um orador na aldeia estava fazendo um anúncio, dizendo que as árvores não podem ser plantadas em terras agrícolas, e a terra não pode ser usada para viveiros de peixes ou árvores frutíferas. As árvores devem ser cortadas dentro de um prazo limitado, caso contrário, serão “mortas” à força pelas autoridades.


Então, outro homem que se identificou como um homem em Jining, província de Shandong, disse que as autoridades locais os forçaram a remover árvores para cultivar, pois a China está passando por uma crise de escassez de alimentos.


“Motosserras para cortar árvores estão esgotadas nas lojas locais. No passado, nos diziam: 'se você quer ficar rico, antes de tudo, plante algumas árvores', agora eles nos disseram que estamos proibidos de plantar árvores”, disse o homem.


Um funcionário do governo local da província disse ao Epoch Times em chinês: “Até os tanques de peixes devem ser preenchidos para cultivar. De qualquer forma, você tem que fazer o que o Partido Comunista Chinês exige que você faça.”


O comentarista de assuntos atuais do Japão, Yang Si, apontou que a maior parte do solo na província de Shandong é amarelo e a área é propensa à seca. A remoção de árvores pode facilmente levar à erosão do solo.


Além disso, a terra onde as árvores estavam terá que receber uma quantidade acima da média de fertilizantes e pesticidas para poder produzir uma boa colheita, disse ele.

“Os camponeses terão dificuldade em lucrar, devido aos custos crescentes de fertilizantes e pesticidas”, explicou Yang.

Foto de arquivo de uma fazenda na província de Ningxia, China. (Fotos da China/Imagens Getty)

Impacto da Guerra


A guerra russo-ucraniana também impactou as importações de alimentos da China.

Em um artigo de 17 de março, a Rede de Informação da Indústria de Alimentos da China informou que devido à guerra, a Rússia suspendeu as exportações de grãos como trigo e milho; enquanto a Ucrânia proibiu a exportação de trigo e commodities a granel. O artigo também admitiu que a taxa de autossuficiência da China em grãos, milho e soja é relativamente baixa.


Em 2021, a Ucrânia substituiu os Estados Unidos para se tornar o maior fornecedor de milho da China, em parte por causa da guerra comercial EUA-China. De acordo com dados da alfândega chinesa, 70% das importações de milho da China vieram da Ucrânia em 2021.

A Ucrânia também é o principal fornecedor de cevada da China. Cerca de 54% das exportações de cevada da Ucrânia foram vendidas para a China de 2020 a 2021, representando 28% das importações totais de cevada da China.


Segundo dados da Administração Geral de Alfândegas da China, o país importou um total de 164,539 milhões de toneladas de grãos em 2021, um aumento anual de 18,1%. As importações representaram 24,1% da produção total de grãos de 682,85 milhões de toneladas. Isso significa que a dependência da China das importações estrangeiras de safras chega a 19,4%.

Um trabalhador ao lado de uma máquina que transporta grãos de arroz recém colhidos para um armazém em Yangzhou, província de Jiangsu, China, em 25 de outubro de 2019. (Stringer/Reuters)

Governança Desajeitada e Incompetente


Xue Chi, um estudioso de questões da China, disse ao Epoch Times que a crise alimentar da China está profundamente enraizada na governança desajeitada e incompetente do Partido Comunista Chinês (PCC).


“O PCC nunca estabeleceu com sucesso um sistema de produção agrícola moderno. Seu desenvolvimento agrícola está muito atrás de seu desenvolvimento industrial”, disse Xue.

“A sua indústria agrícola não só é incapaz de competir com os países desenvolvidos, como também não consegue atender à demanda interna. Isso é causado pelo sistema do PCC”, disse ele.


Zhang Sutian, um comentarista independente baseado nos EUA com 20 anos de experiência na indústria de alimentos, disse ao Epoch Times que a fraude e a corrupção do PCC são os principais impulsionadores da crise alimentar na China.


Muitos depósitos de grãos estão vazios devido à corrupção, mas a situação foi encoberta, um problema que se torna cada vez mais grave ano após ano.


Por exemplo, em maio de 2013, a Comissão Central de Inspeção Disciplinar enviou uma equipe para inspecionar as Reservas de Grãos da China pela primeira vez em maio de 2013. Logo depois, 78 depósitos de grãos diretamente sob as Reservas de Grãos da China na Província de Heilongjiang “pegaram fogo”.


As reservas de grãos da China são equivalentes a uma enorme dívida incobrável, com muitos grupos de interesse envolvidos, disse ele.


Xue acredita que, historicamente, desastres naturais, pandemias e fomes sempre estiveram interligados, e desta vez não há exceção.


“Além disso, devido ao engano do PCCh, fraude e todo tipo de conduta confusa, a crise alimentar na China de hoje está entre as piores da história contemporânea da China. Uma vez que a cortina escura seja perfurada e a verdade exposta, o desastre estará fora de controle”, disse Xue.


Ellen Wan trabalha para a edição japonesa do Epoch Times desde 2007.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/



10 views0 comments