China vê saídas de caixa 'sem precedentes' após ataque russo à Ucrânia: IIF

- THE EPOCH TIMES - Rita Li - 25 MAR, 2022 -

Um funcionário de um banco chinês conta notas de 100 yuans e notas de dólar americano em um balcão de banco em Nantong, na província de Jiangsu, leste da China, em 6 de agosto de 2019. (STR/AFP via Getty Images)

Dados de alta frequência detectaram fluxos de caixa sem precedentes da China após a invasão da Ucrânia pela Rússia, sinalizando uma diminuição da confiança dos investidores em meio a conflitos geopolíticos e incertezas.

CLIQUE AQUI E CONHEÇA OS MEUS LIVROS >


Uma mudança “muito incomum” surgiu nos fluxos globais de capital nos mercados emergentes no final de fevereiro, quando a China viu os investidores saírem de seu mercado enquanto o resto se sustenta, disseram analistas do Instituto de Finanças Internacionais (IIF) após compilar números diários.


“As saídas da China na escala e intensidade que estamos vendo são sem precedentes, especialmente porque não estamos vendo saídas semelhantes do resto dos mercados emergentes”, escreveram o economista-chefe do IIF Robin Brooks e seus colegas, em um relatório de 24 de março.


“O momento das saídas – que ocorreram após a invasão da Ucrânia pela Rússia – sugere que os investidores estrangeiros podem estar olhando para a China sob uma nova luz, embora seja prematuro tirar conclusões definitivas a esse respeito”, diz o relatório.


Economistas disseram que a Rússia pode ver seus ganhos financeiros em mais de uma década evaporarem sob as sanções dos EUA e da União Europeia, além de uma rápida auto-sanção de empresas estrangeiras.


Esmagado por uma série de sanções pela invasão da Ucrânia, a economia do país encolherá em 2022 em cerca de 15%, de acordo com uma análise anterior do IIF, e a contração econômica pode ser duas vezes mais acentuada que a recessão russa durante a crise financeira global.


Embora o IIF não espere um amplo contágio dos mercados emergentes, os efeitos colaterais da guerra preocupam os observadores do mercado da China.


Dados oficiais mostraram que investidores estrangeiros venderam US$ 5,5 bilhões em títulos do governo chinês no mês passado, a maior saída mensal já registrada, segundo a Bloomberg. Observadores do mercado especularam que Moscou pode vender sua participação em ativos chineses para levantar fundos, uma vez que as reservas estrangeiras mantidas em euros e dólares do banco central russo foram congeladas.


Alguns temiam que a possível postura pró-Rússia da China pudesse desencadear uma rodada de sanções ocidentais após Moscou.


Em 11 de março, a Securities and Exchange Commission especificou cinco empresas chinesas negociadas nos EUA, solicitadas a enviar em tempo hábil documentos de auditoria detalhados aos reguladores ou serão forçadas a sair das bolsas americanas. A notícia desencadeou a venda das ações das empresas chinesas nos Estados Unidos e em Hong Kong.

Homens com malas e malas caminham no centro de Kiev em 25 de fevereiro de 2022. (Daniel Leal/AFP via Getty Images)

Em vez de alavancar sua influência com Moscou para mediar um cessar-fogo na Ucrânia, Pequim se recusou a denunciar a agressão da Rússia ou aderir a sanções, enquanto prometia laços comerciais normais com Moscou e abraçava ativamente as narrativas pró-Rússia em casa, apesar de um papel autoproclamado neutro.


“A China não deve fornecer apoio econômico ou militar para a invasão russa”, disse o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, em uma entrevista coletiva em 24 de março, depois de acusar Pequim um dia antes de espalhar “mentiras descaradas e desinformação”.


No mesmo dia, a Casa Branca alertou Pequim para não aproveitar as oportunidades de negócios criadas pelas sanções, oferecendo à Rússia linhas de vida econômicas, já que o embaixador da China na Rússia instou os empresários chineses em Moscou a não perder tempo e “preencher o vazio” na economia russa.


O presidente Joe Biden alertou o líder chinês Xi Jinping na semana passada sobre “consequências” se Pequim der ajuda material à Rússia para a guerra.


“Neste estágio, é muito cedo para dizer se a guerra está gerando fluxos de saída ou se outros fatores são os culpados”, disse Brooks. Uma nova onda de ressurgimento do COVID-19 em todo o país e repressões regulatórias por Pequim também causaram pânico nos investidores.


O mercado de ações chinês se recuperou desde a semana passada, quando o principal formulador de políticas da China garantiu apoio oficial para estabilizar os mercados de capitais.


Rita Li é repórter do Epoch Times, com foco em tópicos relacionados à China. Ela começou a escrever para a edição em chinês em 2018.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >



13 views0 comments