China usa propaganda pandêmica para espalhar ideologias totalitárias: colunista de Hong Kong

- THE EPOCH TIMES - Hannah NgeJan Jekielek - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 23 AGO, 2022 -

Simon Lee, ex-colunista do Apple Daily, na conferência FreedomFest em Las Vegas em 15 de julho de 2022. (The Epoch Times)

O regime chinês alavancou sua propaganda em relação à pandemia de COVID-19 para espalhar suas ideologias totalitárias para o Ocidente, de acordo com o ex-colunista, Simon Lee, do Hong Kong Apple Daily.


“Quando o COVID começou, a China [estava] preocupada apenas com uma coisa – como eles poderiam capitalizar essa crise para mostrar ao mundo que o sistema da China é superior ao resto do mundo”, disse Lee recentemente ao programa “American Thought Leaders” da EpochTV.


Lee pontuou como o regime destacou sua capacidade de construir um hospital de quarentena em uma semana, “depois eles propagandearam a conquista como 'esta é a eficiência chinesa'”.


O Partido Comunista Chinês (PCC) deu um passo adiante ao espalhar a retórica: “Nós, China, controlamos a propagação da doença. Seus países, o mundo ocidental, devem aprender conosco sobre como gerenciar esse vírus”, de acordo com Lee.


Sempre que outros países falhavam com suas políticas de bloqueio, a China dizia: “Olha, esse é o fracasso, a fraqueza das instituições democráticas ocidentais, porque você não pode fazer as coisas”.


Exportando o totalitarismo


O Ocidente comprou a retórica do regime e aplicou suas ideologias totalitárias, opinou Lee.


Ele apontou ainda para o Dr. Anthony Fauci defendendo o controle estrito do COVID-19, dizendo: “Ele pensou que estava se defendendo contra o vírus, mas está introduzindo um vírus ideológico do totalitarismo em sua nação”.


“Se as pessoas podem desenvolver imunidade, se o seu sistema de saúde pode lidar com a doença, essa é uma questão científica muito objetiva”, disse Lee.


Na opinião de Lee, o PCC ainda insiste em uma política de COVID-zero porque “eles querem dizer ao mundo que, se você tem pessoas morrendo da doença, é porque seu governo é incompetente”.


“O mundo não está apenas imune ao COVID, o mundo está realmente mais imune à ideia maluca de que você precisa de um governo forte para manter as pessoas saudáveis”, disse ele.


O Epoch Times entrou em contato com Fauci para comentários.


A ameaça da liberdade


O regime vê a liberdade como uma ameaça que precisa ser eliminada, de acordo com Lee.


“É da natureza deles destruir tudo o que representa liberdade. Eles queriam destruir a liberdade de seu próprio povo e das pessoas de outras nações, conscientemente [e] intencionalmente”, disse Lee.


Lee explicou ainda por que o regime trata Hong Kong e Taiwan como uma ameaça à sua existência.


“Em primeiro lugar, Hong Kong forneceu uma alternativa para o povo chinês. Hong Kong mostra que os chineses podem viver em uma sociedade livre e prosperar”, disse Lee.


“Quando os chineses em um regime autoritário não podem prosperar, então todos farão a pergunta: 'Por que não podemos ser mais como Hong Kong?' Acrescentou.

Segundo Lee, a mesma lógica é aplicada em relação a Taiwan.


Na opinião de Lee, Taiwan mostra que o povo chinês pode ter uma sociedade aberta, funcional e democrática e ter uma sociedade civil que defenda o povo.


“Quando as coisas não estão indo bem na China, como agora com a implosão da bolha imobiliária econômica... as pessoas vão perguntar: 'Por que não podemos ser mais como taiwaneses, tendo essa vida certa, humilde, mas livre?'” Lee disse.


A China “tem que eliminar Hong Kong e Taiwan, para que pelo menos possam dizer ao mundo que só há uma possibilidade para a sociedade chinesa”, acrescentou.


Um país, dois sistemas de firewall


Lee apontou para o princípio constitucional de “Um país, dois sistemas” descrevendo a governança de Hong Kong depois que o território foi devolvido à China. Foi formulado no início dos anos 1980 durante as negociações sobre Hong Kong entre a China e o Reino Unido.


O colunista chamou o princípio de “um firewall que protege um país e um sistema que eles têm”.


“É um firewall que protege a China de mudar a si mesma, porque na maioria das vezes, se você precisa de acesso ao mercado financeiro internacional, tem que mudar suas regras”, disse.


“A China transformou com sucesso seu setor estatal [e] modernizou-o sem mudar a cultura totalitária da nação. Na verdade, torna-se ainda mais totalitária do que antes”, acrescentou Lee.


Hannah Ng é uma repórter que cobre notícias dos EUA e da China. Ela possui mestrado em economia internacional e do desenvolvimento pela Universidade de Ciências Aplicadas de Berlim.


Jan Jekielek é editor sênior do Epoch Times e apresentador do programa "American Thought Leaders". A carreira de Jan abrange a academia, a mídia e o trabalho internacional de direitos humanos. Em 2009, ele se juntou ao Epoch Times em tempo integral e atuou em várias funções, inclusive como editor-chefe do site. Ele é o produtor do premiado documentário sobre o Holocausto "Finding Manny".


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-uses-pandemic-propaganda-to-spread-totalitarian-ideologies-hk-columnist_4678876.html?utm_medium=social&utm_source=twitter&utm_campaign=digitalsub


12 views0 comments