China treina 2.500 policiais em 62 países em desenvolvimento de 2002 a 2017

- THE EPOCH TIMES - 25 Nov, 2020 -

FRANK YUE -


O dissidente chinês e refugiado da ONU Xing Jian foi preso pela polícia tailandesa a pedido da polícia chinesa em 25 de novembro de 2019. Fornecido ao Epoch Times pelo entrevistado

Pequim aprofunda influência no sudeste da Ásia por meio de treinamento policial para agentes da lei da região

POR FRANK YUE 25 de novembro de 2020

O regime chinês conduziu inúmeros programas de treinamento policial no Sul e no Sudeste Asiático, revelam documentos internos, que fazem parte de seu programa para expandir a influência nas regiões.

A Faculdade de Polícia de Yunnan, na cidade de Kunming, capital da província de Yunnan, no sudoeste, conduziu 115 sessões de treinamento policial para mais de 2.500 policiais em 62 países em desenvolvimento de 2002 a 2017, disse um documento interno datado de 1º de novembro de 2017.

O documento destacou que as sessões de treinamento visavam impulsionar a “cooperação internacional na aplicação da lei” e “servir a estratégia BRI da China (a Iniciativa do Cinturão e da Estrada)” nessas regiões. O BRI é um grande projeto de investimento em infraestrutura que abrange a Ásia, Europa, Oriente Médio e África, com o objetivo de reforçar a influência política e econômica do regime nessas áreas.

O documento disse que os programas internacionais da faculdade foram conduzidos por 15 anos “sob a firme liderança do Departamento de Segurança Pública da Província de Yunnan do Partido Comunista Chinês e do comitê local do Partido” para atender às necessidades da “estratégia nacional” da China e aos requisitos gerais da polícia.

De acordo com o jornal, as designações que o colégio recebeu vieram do Ministério de Segurança Pública do PCC, do Ministério do Comércio e do Governo Provincial de Yunnan. Quanto ao seu plano de trabalho futuro, o documento dizia que “construir conexões pessoais” estaria no topo da agenda.

O documento também revelou que projetos de pesquisa foram realizados na faculdade, incluindo “Um Estudo de Mecanismos de Prevenção de Secessão, Infiltração e Subversão por Forças Hostis nas Regiões da Fronteira de Yunnan”.

O regime continuou a sua cooperação com os estados da ASEAN nos últimos anos, com os países concordando em 2016 estabelecer uma Academia de Execução da Lei China-ASEAN, a ser criada pelo Yunnan Police College, de acordo com a mídia estatal. O pacto envolveu o compromisso da China em fornecer treinamento gratuito de curto e médio prazo para 2.000 policiais da região da ASEAN de 2016 a 2020.

O comentarista chinês Li Linyi observou que, ao mesmo tempo que o regime aumentou seu treinamento policial para os países do sudeste asiático, o sequestro de dissidentes chineses nessas áreas também aumentou.

Por exemplo, em 2015, o livreiro sueco Gui Minhai desapareceu na Tailândia apenas para reaparecer na China detido pelas autoridades, sob suspeita de operação comercial ilegal. Ele era acionista da Causeway Books, com sede em Hong Kong, que despertou a ira do regime por causa de seus livros lascivos que criticavam os principais líderes do Partido.

Três outros ativistas chineses estão “desaparecidos” na Tailândia desde 2015, para emergir detidos na China.

Em novembro passado, Xing Jian, um ativista chinês e já refugiado aceito pelo ACNUR na Tailândia, foi invadido por policiais tailandeses e chineses em sua casa e enviado para detenção de imigrantes. Mais tarde, ele foi libertado após pressão da comunidade internacional e desde então mudou-se para a Nova Zelândia.


ARTIGO ORIGINAL: https://www.theepochtimes.com/beijing-deepens-influence-in-southeast-asia-through-police-training-for-regions-law-enforcement_3585822.html


CONFIRA O MEU LIVRO:


"RUMO AO GOVERNO MUNDIAL TOTALITÁRIO

As Grandes Fundações, Comunistas, Fabianos e Nazistas":

A História da Formação do Governo Mundial



16 views0 comments

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube