China rouba nossos dados de envio

- THE EPOCH TIMES - Anders Corr - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 23 SET, 2022

Vista aérea de contêineres empilhados no porto de águas profundas de Yangshan em Xangai, China, em 19 de maio de 2021. (Shen Chunchen/VCG via Getty Images)

Programa de logística rastreia 90% dos navios porta-contêineres em tempo real


A China roubou uma vantagem sobre os Estados Unidos ao colocar no mercado um importante sistema de tecnologia da informação enquanto cochilamos. A tecnologia, chamada LOGINK, rastreia 90% dos navios porta-contêineres do mundo em tempo real, incluindo detalhes granulares sobre milhares de contêineres por navio e pacotes por contêiner.



Pequim fornece a tecnologia gratuitamente para portos e embarcadores em todo o mundo. O custo é a confidencialidade do envio , preço, alfândega e até informações militares perdidas para Pequim, que quase certamente o hackeia através de backdoors LOGINK e sem notificar os usuários.


Começando em 2007 como uma iniciativa provincial chinesa, a LOGINK cresceu para uma rede regional com o Japão e a Coreia do Sul em 2010 e globalmente após 2014, de acordo com um relatório do Congresso dos EUA de 20 de setembro, que afirma: “A plataforma patrocinada e apoiada pelo estado tem agora expandido para fazer parceria com mais de 20 portos em todo o mundo, bem como várias empresas chinesas e internacionais.”


Somente agora, 15 anos após sua criação, os Estados Unidos estão se preparando para enfrentar o perigo. O relatório da Comissão de Revisão Econômica e de Segurança EUA-China (USCC) tem 16 páginas cheias de evidências sobre como o Partido Comunista Chinês (PCC) está roubando os dados de remessa do mundo.


Em julho, a Rep. Michelle Steel (R-Calif.) apresentou legislação para banir o LOGINK.


“Apenas a versão da Câmara foi votada”, afirmou a equipe de Steel em um e-mail. “Essa versão incluía a emenda do Rep. Steel para proibir os militares dos EUA de usar o LOGINK. O Rep. Steel apresentou um projeto de lei separado que proibiria todo o governo federal e contratados do governo de usar o LOGINK”.

Um navio porta-contêineres da Cosco Shipping passa pela Golden Gate Bridge com destino ao Porto de Oakland, em San Franciso, Califórnia, em 14 de maio de 2019. (Eric Risberg/AP Photo)

O sistema chinês pode soar como um remanso da economia global. Ainda assim, o setor de logística terceirizada vale quase US$ 1 trilhão, e o mercado de serviços de frete vale quase US$ 200 bilhões. Claro, o PCC quer uma grande parte disso.


A LOGINK “tem acordos de cooperação com pelo menos 24 portos, portos livres e operadores portuários fora da China, incluindo doze na Ásia, nove na Europa e três no Oriente Médio”, segundo o relatório do USCC.


As maiores empresas de transporte da China, incluindo Alibaba e a estatal COSCO, são parceiras da LOGINK. A COSCO “atualmente opera terminais em Long Beach, Los Angeles e Seattle, potencialmente concedendo à LOGINK uma janela para navios, contêineres e outros dados nesses portos”, diz o relatório.


O Porto de Los Angeles é membro de uma organização internacional que pode compartilhar dados com a LOGINK sobre o status de navios e contêineres de 70 portos e 10 aeroportos.


A LOGINK também está expandindo sua cooperação com organizações internacionais, incluindo as Nações Unidas e a Organização Internacional para Padronização, para estabelecer padrões regionais e internacionais que beneficiariam a liderança da China não apenas em logística de transporte, mas em outras tecnologias adjacentes.


A LOGINK está integrada à rede Cainiao da China de mais de 200 armazéns globais.


“Nos últimos anos, Cainiao concentrou-se na expansão na Europa, construindo um importante hub no Aeroporto de Liège, na Bélgica; lançar armazéns regionais em Madri, Paris, Bremen e Roma e anunciar planos para vários outros no final de 2021; e estabelecendo uma frota de caminhões intra-Europa e um sistema de armários de entrega em toda a Europa”, diz o relatório.


Ele observa que o sistema dá à China uma grande vantagem comercial, pois “a logística simplificada de uma fábrica na China para um atacadista europeu pode fazer a diferença entre o atacadista comprar da China ou de um fornecedor da zona do euro”.


O sistema de informação LOGINK usa o sistema de navegação por satélite Beidou da China, uma parte fundamental da Iniciativa Cinturão e Rota da China (também conhecida como “Um Cinturão, Uma Rota”), que é o núcleo econômico dos planos de Pequim para uma hegemonia mercantilista e global.

Um foguete Longa Marcha 3B carregando o satélite Beidou-3GEO3 decola do Centro de Lançamento de Satélites Xichang em Xichang, na província de Sichuan, sudoeste da China, em 23 de junho de 2020. (STR/AFP via Getty Images)

A LOGINK faz parte do “sistema de transporte inteligente” da China em uma “Rota da Seda Digital” que poderia eventualmente tornar possível o controle político do comércio internacional através do sistema centralizado de Pequim.


O PCC pode estender seu controle global usando dados do LOGINK para direcionar com precisão a coerção econômica contra aliados dos EUA ou interditar remessas militares dos EUA em tempos de crise, por exemplo.


Assim como em outras áreas de expansão do PCC, os Estados Unidos e seus aliados devem se tornar muito mais duros com a LOGINK – e rapidamente. Além da legislação da Steel, empresas norte-americanas, europeias, japonesas e sul-coreanas devem deixar de usar voluntariamente o sistema.


Os Estados Unidos e seus aliados devem trabalhar juntos para oferecer aos transportadores do mundo um sistema alternativo de facilitação e informações de logística de transporte que seja superior ao LOGINK e gratuito.


Esse sistema deve ser estendido à África, América Latina e Ásia, deixando claro que os privilégios comerciais nas economias dos Estados Unidos e seus aliados são um privilégio, não um direito, e que países e empresas só terão esses privilégios quando se recusam a usar sistemas de informação como o LOGINK que estão associados ao PCC e outros regimes totalitários.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


Anders Corr tem bacharelado/mestrado em ciência política pela Universidade de Yale (2001) e doutorado em governo pela Universidade de Harvard (2008). Ele é diretor da Corr Analytics Inc., editora do Journal of Political Risk, e realizou extensas pesquisas na América do Norte, Europa e Ásia. Seus livros mais recentes são “A Concentração de Poder: Institucionalização, Hierarquia e Hegemonia” (2021) e “Grandes Potências, Grandes Estratégias: o Novo Jogo no Mar da China Meridional” (2018).


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-steals-your-shipping-data_4749861.html



24 views0 comments