China quer dominar o mundo: secretário de Estado dos EUA

- THE EPOCH TIMES - Victoria Kelly-Clark - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 11 FEV, 2022 -

Um homem é detido pela polícia de choque durante uma manifestação em um shopping no distrito de Sheung Shui em Hong Kong em 28 de dezembro de 2019. (Anthony Kwan/Getty Images)

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, em sua primeira viagem oficial à Austrália para o QUAD Security Dialogue, disse que a China está buscando instituir uma nova ordem mundial caracterizada pelo iliberalismo que lhe permitirá dominar o mundo.


Falando ao jornal The Australian em uma entrevista exclusiva, Blinken disse que nos últimos anos o mundo viu a China se tornar mais agressiva internacionalmente e mais repressiva internamente.


“Na minha opinião, há poucas dúvidas de que a ambição da China ao longo do tempo é ser a principal potência militar, econômica, diplomática e política não apenas na região, mas no mundo”, disse o secretário de Estado. “O que vimos nos últimos anos é a China agindo de forma mais repressiva em casa e de forma mais agressiva na região.”


Ele enfatizou que acredita que é importante que países como Austrália, Estados Unidos e outras nações com ideias semelhantes resistam a esse comportamento e observou que essas nações estavam defendendo uma ordem positiva e liberal.


Ele reiterou esse ponto no relatório das 7:30 da Australian Broadcasting Corporation, dizendo que o que os aliados estão focados é defender as normas, regras e valores que unem a ordem mundial baseada em regras.


“O que estamos fazendo é defender as normas, as regras, os padrões, os valores que... nos unem. Portanto, não se trata de se opor a ninguém em particular; trata-se de defender uma ordem baseada em regras, certificando-se de que defendemos essas regras e princípios se forem desafiados”, disse Blinken.

Navios de guerra e caças da Marinha do Exército de Libertação Popular da China (PLA) participam de uma exibição militar no Mar do Sul da China em 12 de abril de 2018. (Reuters)

“Porque é exatamente isso que sustentou a paz, a segurança e as oportunidades para as pessoas por décadas. Então, quando eles estão sendo desafiados, temos a obrigação de nos levantar.”


Os comentários de Blinken vêm depois que o secretário de Estado agradeceu ao primeiro-ministro da Austrália, Scott Morrison, por sua liderança na formação do QUAD no início do Diálogo na sexta-feira.


“Agradecemos não apenas sua hospitalidade em nos reunir, mas sua liderança no avanço do Quad nos últimos meses e demonstrando que nossas quatro democracias se unindo podem produzir resultados construtivos e concretos para todo o nosso povo – na verdade, além”, disse ele.


“As pessoas merecem viver livremente. Os países merecem ter a liberdade de trabalhar em conjunto e associar-se com quem escolherem. E juntos, podemos demonstrar que somos eficazes em trazer benefícios a todas as nossas pessoas. Esse é o espírito com o qual estamos conduzindo isso e somos gratos pela liderança da Austrália.”


A visita de Blinken ocorre em meio a revelações do chefe do serviço de inteligência da Austrália, diretor-geral da ASIO, Mike Burgess, de que o partido de oposição da Austrália, o Partido Trabalhista Australiano (ALP), foi alvo de Pequim para instalar candidatos trabalhistas da Manchúria no governo australiano durante as próximas eleições federais.


Burgess disse que a agência de espionagem interrompeu a trama e que ele havia informado tanto o primeiro-ministro australiano quanto o líder do ALP Anthony Albanese.

Albanese disse à Australian Broadcasting Corporation em 11 de fevereiro que havia falado com Burgess naquele dia e Burgess havia “reafirmado” que nenhum dos potenciais candidatos visados pelo Partido Comunista Chinês (PCC) foi pré-selecionado pelo Partido Trabalhista para concorrer à eleição.


Além disso, Albanese disse que havia falado que “não levantou preocupações sobre nenhum dos meus candidatos” na eleição federal – que ainda não foi convocada.


O Partido Trabalhista australiano tem uma conexão histórica com o regime comunista chinês, com o líder trabalhista mais antigo, Gough Whitlam, sendo um dos primeiros líderes políticos ocidentais a se encontrar com o primeiro-ministro do regime comunista Zhou Enlai na China em 1971, pouco antes da visita do conselheiro de segurança nacional dos EUA, Henry Kissinger.


Segundo o Dr. Stephan FitzGerald, do Instituto Whitlam da Western Sydney University, a visita de Whitlam abriu o caminho para as relações diplomáticas e a retomada do comércio internacional com a China, além de influenciar a forma como a Austrália interagiu com o PCC e a China.


Victoria Kelly-Clark é uma repórter australiana que se concentra na política nacional e no ambiente geopolítico na região da Ásia-Pacífico, Oriente Médio e Ásia Central.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-is-seeking-to-dominate-the-world-us-secretary-of-state_4271524.html


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/


23 views0 comments