China quer controlar dois dos maiores oceanos do mundo

- THE EPOCH TIMES - John Mac Ghlionn - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - COMENTÁRIO E LINKS IMPORTANTES HEITOR DE PAOLA - 17 JUN, 2022 -

Barcos de pesca partiram para o Mar da China Oriental a partir de um porto em Zhoushan, província de Zhejiang, China, em 1º de agosto de 2021. (Chen Yongjian/VCG via Getty Images)

Começo contestando a primeira frase: "Com a maior força marítima do planeta, a China está em uma posição forte para controlar os oceanos do mundo."


Se força significa marinha de guerra, é falso. A maior força marítima do planeta é Americana. Isto me parece frase de efeito para impressionar. Com 2 porta-aviões movidos a diesel, sem poder se afastar muito da base ou levar navios tanque para abastecê-los, a China não é páreo para os 11 Americanos movidos a energia nuclear. Sendo que cada um é flagship de uma frota completa movida a energia nuclear.

HEITOR DE PAOLA -

LINKS >

China launches EM catapults-equipped 3rd aircraft carrier in Shanghai

(https://www.globalsecurity.org/wmd/library/news/china/2022/06/china-220617-globaltimes01.htm?_m=3n%2e002a%2e3356%2egg0ao00o6a%2e3443

USS GERALD R. FORD

https://www.airlant.usff.navy.mil/cvn78/



Com a maior força marítima do planeta, a China está em uma posição forte para controlar os oceanos do mundo.


O controle vem em muitas formas. O Partido Comunista Chinês (PCC) está ocupado mobilizando frotas de pesca para saquear os oceanos do mundo. O PCC também está reescrevendo as regras marítimas de engajamento. De muitas maneiras, o PCCh se nomeou governante de dois dos oceanos mais importantes do mundo, o Pacífico e o Índico, ditando quem pode entrar – e mais importante, quem não pode. Tudo isso está ocorrendo acima da superfície.



Mas e abaixo? Mais uma vez, a China está liderando o caminho, minerando ativamente o fundo dos oceanos em busca de minerais valiosos. Com operações de mineração tão extensas, as consequências de uma China incontestada são, por falta de uma palavra melhor, inimagináveis.


No ano passado, o autor Stephen Chen perguntou se os mares profundos do mundo poderiam se tornar a próxima fronteira de mineração da China. Doze meses depois, a resposta é um retumbante sim.


Na última década, a China expandiu agressivamente seus compromissos no Oceano Índico. O PCC também expandiu sua presença no Pacífico. Isso não é por acaso. Isso faz parte da estratégia de “dois oceanos” da China; as sementes desta operação foram plantadas há duas décadas. Embora os planos mais bem elaborados muitas vezes dêem errado, o plano do PCC de dominar os dois oceanos está indo muito bem. A estratégia de “dois oceanos” foi projetada por um único motivo: dar ao PCC um maior controle de ambos os corpos d'água.


Para colocar essa estratégia do Indo-Pacífico em perspectiva, ajuda a avaliar a importância dos dois oceanos. O Pacífico é o maior e mais profundo oceano do mundo, cobrindo cerca de 1/3 da superfície da Terra. Enquanto isso, as águas do Oceano Índico chegam a 28 países; esses países representam mais de 1/3 da população mundial. O Oceano Índico, de acordo com pesquisadores do Sri Lanka, “detém 16,8% das reservas comprovadas de petróleo do mundo e 27,9% das reservas comprovadas de gás natural”. O Oceano Pacífico também tem um potencial significativo de petróleo e gás.


Em seu artigo, Chen discutiu o fato de que vários eminentes pesquisadores chineses identificaram toda uma série de “depósitos minerais do fundo do mar estrategicamente importantes”. Muitos desses depósitos minerais estão localizados nos oceanos Pacífico e Índico. De fato, ambos os oceanos abrigam muitos dos mesmos minerais que encontramos em terra, fato que não passa despercebido em Pequim.

Um navio de pesca chinês opera ilegalmente na zona econômica exclusiva da Argentina em 4 de maio de 2020. A pesca ilegal da China em oceanos distantes está saqueando os recursos pesqueiros globais e destruindo os meios de subsistência tradicionais de muitos países. (Assessoria de Imprensa da Marinha da Argentina/AFP via Getty Images)

Explorar e extrair


Entrei em contato com Baban Ingole, um especialista em oceanos de reputação considerável, para comentar o assunto.


Ele me disse que ambos os oceanos têm “ricos depósitos de minerais importantes, como cobalto, níquel e cobre”, os “principais constituintes” das baterias de veículos elétricos. Até 2030, o mundo abrigará pelo menos 145 milhões de veículos elétricos. Os chineses – mais uma vez, plenamente conscientes desse fato – pretendem ser líderes mundiais tanto na produção quanto na distribuição desses veículos.


Bramley J. Murton, chefe de geociências marinhas do National Oceanography Center, Southampton, Reino Unido, ecoou o ponto de Ingole, afirmando que os países estão interessados na mineração oceânica para “adquirir segurança de fornecimento de fontes de elementos que são atualmente críticos para novas tecnologias de geração de energia renovável, armazenamento e eletrificação de transporte”.



Cobalto, níquel e telúrio são os principais, disse ele. À medida que a demanda por tecnologias verdes aumenta exponencialmente, Murton acredita que “a oferta terrestre terá dificuldades para acompanhar a demanda”, daí o desejo da China de minerar os oceanos.


Murton, um geólogo de formação, me disse que a mineração em alto mar (DSM) é muito “menos invasiva para as sociedades humanas do que a mineração terrestre – não há infraestrutura que precise ser instalada (estradas, planta de produção, tanques de rejeitos, etc.), portanto, não há comunidades que precisem ser afetadas ou deslocadas”.


Que tipo de aspectos negativos estão associados à mineração em alto mar?

“A mineração do fundo do mar para metais de bateria pode causar impactos negativos irreversíveis e duradouros na ecologia e na biodiversidade do fundo do mar”, disse-me Ingole.


Como observei em outro lugar, o PCC já é excelente na destruição da biodiversidade. Além de ser uma questão ambiental, a mineração em alto mar também é geopolítica.


“O DSM exige o cumprimento da comunidade internacional”, disse Murton. “Sob a lei do mar das Nações Unidas”, as áreas “além da jurisdição nacional” estão “abertas à exploração sustentável”, observou ele. Para garantir segurança e justiça, isso “exige que todos os estados cumpram o tratado”.


Não surpreendentemente, Pequim se recusa a seguir as regras. O PCC constantemente e conscientemente distorce e aplica mal as regras.


“Além disso, para alguns estados”, acrescentou Murton, “o controle do fornecimento de metais críticos é um fator importante em seus cálculos estratégicos – se eles perdem o controle sobre o fornecimento, perdem influência geopolítica”.


As más notícias não param por aí. Como os pesquisadores indianos observaram, o Indo-Pacífico, uma região muito multipolar, responde por mais de 60% do PIB global e mais da metade da população mundial.


Além disso, muitos dos “pontos de estrangulamento mais importantes do mundo para o comércio global estão localizados nesta região, incluindo o Estreito de Malaca, que são cruciais para o crescimento econômico global”, observaram os pesquisadores.


Enquanto o mundo dormia, o PCC roubou dois dos oceanos mais importantes do mundo.


As opiniões expressas neste artigo são as opiniões do autor e não refletem necessariamente as opiniões do Epoch Times.


John Mac Ghlionn é pesquisador e ensaísta. Seu trabalho foi publicado pelo New York Post, The Sydney Morning Herald, Newsweek, National Review e The Spectator US, entre outros. Ele cobre psicologia e relações sociais, e tem um grande interesse em disfunção social e manipulação de mídia.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-wants-to-control-two-of-the-worlds-biggest-oceans_4537497.html





34 views0 comments