top of page

China novamente é classificada como 'o pior ambiente do mundo para a liberdade na Internet'

THE EPOCH TIMES - Dorothy Li - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO - 20 OUT, 2022


A China foi novamente classificada como o pior abusador da liberdade na internet do mundo por um grupo de defesa dos direitos humanos, que também informou que o regime comunista há muito tempo procura empurrar seu modelo repressivo no exterior.


“Pelo oitavo ano consecutivo, a China continua sendo o pior ambiente do mundo para a liberdade na internet”, disse a Freedom House em seu último relatório publicado em 18 de outubro.



Dos 70 países pesquisados, o relatório descreveu a internet da China como “a mais repressiva do mundo”. A organização sem fins lucrativos com sede em Washington descobriu que as informações sobre os Jogos Olímpicos de Pequim 2022 e a pandemia de COVID-19 foram fortemente restritas.


Além disso, o órgão de vigilância disse que o regime chinês cedeu seu poder sobre a indústria de tecnologia por meio de regulamentação e regras. As autoridades elaboraram regras para punir as empresas que ajudam os usuários da Internet a contornar o firewall da Internet, de acordo com o relatório.


Tendo controlado com sucesso o fluxo de informações em casa, a China e a Rússia estão se voltando para fora, promovendo um modelo cibernético repressivo com controles estatais maiores. Pesquisadores da Freedom House alertaram que Pequim e Moscou lideraram os esforços para reformular os padrões e regras da Internet explorando seus papéis em órgãos internacionais.


“Poderes autoritários, como China e Rússia, fizeram incursões [em direção a fóruns internacionais], e isso é particularmente verdadeiro em uma agência da ONU, conhecida como União Internacional de Telecomunicações, ou UIT. Os autoritários estão tentando transformar esse órgão em um regulador global da Internet que promova seus interesses”, disse Allie Funk, diretora de pesquisa de tecnologia e democracia da Freedom House.


Censura Doméstica


Ao pesquisar os desenvolvimentos nos direitos humanos online entre junho de 2021 e maio de 2022, os pesquisadores da Freedom House descobriram que Pequim reforçou ainda mais a censura durante períodos específicos.


Por exemplo, o conteúdo relacionado aos direitos das mulheres estava sob censura intensificada depois que a tenista Peng Shuai fez alegações de agressão sexual contra um alto funcionário aposentado do Partido Comunista, Zhang Gaoli, na plataforma Weibo, semelhante ao Twitter.

A tenista Peng Shuai, da China, durante a partida da primeira rodada de simples feminino no torneio de tênis Aberto da Austrália em Melbourne, em 16 de janeiro de 2017; O vice-primeiro-ministro chinês Zhang Gaoli durante uma visita à Rússia no Fórum Internacional de Investimentos de São Petersburgo em São Petersburgo em 18 de junho de 2015. (Paul Crock e Alexander Zemlianichenko/AFP via Getty Images)

A postagem de Peng foi imediatamente retirada de sua conta verificada no Weibo, e ela desapareceu dos olhos do público, levantando preocupações internacionais sobre seu bem-estar. Peng mais tarde negou a alegação quando reapareceu.


O Partido Comunista Chinês (PCC) também lançou uma campanha agressiva para suprimir informações sobre a pandemia de COVID-19, especialmente quando os moradores de Xangai compartilharam suas experiências em meio a um estrito bloqueio de dois meses que começou no final de março, segundo o relatório.


O bloqueio prolongado da cidade mais cosmopolita da China causou escassez de alimentos e necessidades diárias. Os pacientes não COVID lutaram para obter medicamentos ou atendimento de emergência. Moradores, incluindo idosos e crianças, foram separados de suas famílias e enviados para instalações de quarentena. Muitos moradores foram ao Weibo para pedir ajuda, enquanto outros expressaram raiva e frustração na internet rigidamente controlada. Mas vários posts foram retirados pelos censores da China, disse a Freedom House em sua página na China.


Residentes chineses que compartilharam informações sobre o COVID podem enfrentar punições severas. O relatório citou Xu Na como exemplo. Xu foi detida depois de compartilhar informações e fotos com a edição em chinês do Epoch Times durante o início do surto de COVID-19 em Pequim. Em janeiro, Xu, que também é adepta do grupo espiritual perseguido Falun Gong, foi condenada a oito anos de prisão.

Uma foto sem data de Xu Na. (Cortesia do Centro de Informações do Falun Dafa)

Reformulando a Internet Global


A Freedom House alertou que poderes autoritários, como o regime comunista na China, há muito procuram substituir o atual modelo de governança global da Internet por “um que promova a soberania cibernética ou maior controle pelos Estados”.


O relatório destacou que a China tem feito propostas para a ITU, uma agência das Nações Unidas responsável pelo desenvolvimento e determinação de padrões globais para novas tecnologias. A ITU é liderada por Zhao Houlin, um engenheiro de telecomunicações chinês, desde 2014.


Como secretário-geral da UIT, Zhao pede “uma mudança de controle sobre o estabelecimento de padrões técnicos para longe dos órgãos multissetoriais, onde a sociedade civil e outros especialistas não governamentais têm mais influência, e para a própria UIT, onde apenas os governos têm contribuições”, de acordo com ao relatório.


Durante o mandato de Zhao, a gigante de tecnologia chinesa Huawei, China Mobile, China Unicom e o Ministério da Indústria e Tecnologia da Informação da China propuseram conjuntamente um novo conjunto de padrões chamado “Novo IP” (protocolo de internet) em 2019. O plano, segundo o relatório, seria “alterar fundamentalmente a interoperabilidade da infraestrutura global da Internet redesenhando protocolos comuns para facilitar um maior controle estatal sobre as redes domésticas”.


A iniciativa foi rejeitada, mas analistas da Freedom House observaram que os elementos da proposta remarcados desde então reapareceram em vários órgãos de padronização.

O líder chinês Xi Jinping discursa durante a Conferência Mundial da Internet em Wuzhen, província de Zhejiang, leste da China, em 16 de dezembro de 2015. (STR/AFP via Getty Images)

Enquanto isso, o PCC transformou sua Conferência Mundial da Internet anual em uma organização permanente em julho de 2022. De acordo com o relatório, o órgão foi projetado para “servir como uma comunidade global 'compartilhada' que determinaria padrões técnicos e governança”. Por meio da organização, o PCC poderia “promover e incentivar outros governos a adotar seu modelo autoritário de controle digital”.


“Em casa e no cenário internacional, os autoritários estão em uma campanha para dividir a internet aberta em uma colcha de retalhos de enclaves repressivos”, disse a Freedom House no relatório. “Mais do que nunca os governos estão exercendo controle sobre o que as pessoas podem acessar e compartilhar online, bloqueando sites estrangeiros, acumulando dados pessoais e centralizando a infraestrutura técnica de seus países.”


“Como resultado dessas tendências, a liberdade global na internet diminuiu pelo 12º ano consecutivo.”


Dorothy Li é repórter do Epoch Times com sede na Europa.


ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/china-again-ranks-as-the-worlds-worst-environment-for-internet-freedom-report_4808174.html

13 views0 comments

Related Posts

See All
bottom of page