China não mostra sinais de afrouxar sua agressão contra Taiwan em 2022

- THE EPOCH TIMES - Frank Fang - Tradução César Tonheiro - 24 JAN, 2022 -

Pilotos da força aérea de Taiwan correm para seus caças armados F-16V fabricados nos EUA em uma base da força aérea em Chiayi, sul de Taiwan, em 5 de janeiro de 2022. (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Taiwan responde quando a China envia 39 aeronaves militares para sua zona de identificação de defesa aérea


TAIPEI, Taiwan – A China não mostra sinais de afrouxar sua agressão contra Taiwan em 2022, depois que os militares chineses enviaram 39 aeronaves militares para a zona de identificação de defesa aérea da ilha (ADIZ) em 23 de janeiro, um recorde em um único dia este ano.


A última incursão envolveu 34 caças J-16 e J-10, um bombardeiro H-6 e quatro aeronaves com capacidade de guerra eletrônica, de acordo com o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan. Em resposta, os militares de Taiwan enviaram caças, emitiram alertas de rádio e implantaram sistemas de mísseis de defesa aérea para monitorar as atividades.


Aviões de guerra chineses estão fazendo incursões na ADIZ da ilha desde setembro de 2020, quando o Ministério da Defesa de Taiwan começou a divulgar informações sobre a incursão em meio a um aumento significativo no número desses voos.


Houve cerca de 380 missões em 2020, de acordo com o ministério. O número mais que dobrou para cerca de 961 missões em 2021. No ano passado, a maior demonstração de força do regime chinês aconteceu em 4 de outubro, quando 56 aeronaves militares atingiram a ADIZ da ilha.


Até agora este mês, houve apenas cinco dias em que o ministério não relatou qualquer incidência da incursão da China.


O Partido Comunista Chinês está tentando desgastar a Força Aérea de Taiwan com suas repetidas incursões aéreas. Mais importante, o regime comunista espera intimidar a ilha até a submissão – para que Pequim possa tomar Taiwan sem a necessidade de recorrer a conflitos militares.


Mas a guerra sempre foi uma opção para o regime chinês, uma vez que nunca renunciou ao uso da força contra o governo autônomo de Taiwan. Em outubro do ano passado, o ministro da Defesa de Taiwan alertou que Pequim seria capaz de montar uma invasão em larga escala da ilha até 2025.

Militares de Taiwan ficam ao lado do navio da classe corveta produzido no país Tuo Chiang durante um exercício na cidade de Keelung, no norte, em 7 de janeiro de 2022. (Sam Yeh/AFP via Getty Images)

Lin Ying-yu, professor associado de assuntos da Ásia-Pacífico na Universidade Nacional Sun Yat-sen de Taiwan, disse à agência de notícias local Central News Agency que a incursão de domingo pode ser uma maneira de Pequim mostrar seu poder militar, em resposta à ação conjunta dos EUA e Atividades militares japonesas em águas próximas ao Japão.


Durante seis dias que terminaram em 22 de janeiro, 10 navios militares dos EUA — incluindo os porta-aviões USS Carl Vinson e o USS Abraham Lincoln, um destróier e um navio de assalto anfíbio — participaram de um exercício conjunto com a Força de Autodefesa Marítima do Japão, segundo a mídia japonesa NHK. O exercício ocorreu em águas ao sul da prefeitura japonesa de Okinawa.


Em 24 de janeiro, a Força de Autodefesa Marítima do Japão escreveu no Twitter que o exercício conjunto era “fortalecer a capacidade da Aliança Japão-EUA para dissuasão e resposta efetivas”.


Outro porta-aviões dos EUA, USS Reagan, retornou à cidade japonesa de Yokosuka, após meses de movimentação, de acordo com o Comando de Sistemas Navais da Marinha dos EUA.


No início de janeiro, em uma reunião de defesa online entre as principais autoridades japonesas e norte-americanas, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, nomeou a China como uma ameaça ao Indo-Pacífico, segundo o Pentágono.


“Estamos nos reunindo em um cenário de crescentes tensões e desafios à região do Indo-Pacífico livre, estável e segura que ambos buscamos… desafios colocados pelas ambições nucleares da Coreia do Norte e pelo comportamento coercitivo e agressivo da República Popular da China. ", disse Austin.


A incursão aérea da China em 4 de outubro do ano passado também coincidiu com atividades semelhantes da Marinha dos EUA. De acordo com o Instituto Naval dos EUA, seis nações – Canadá, Japão, Holanda, Nova Zelândia, EUA e Grã-Bretanha – participaram de um exercício naval conjunto em águas próximas a Okinawa entre 2 e 3 de outubro de 2021.


Dezessete navios de superfície participaram do exercício, incluindo quatro porta-aviões — USS Ronald Reagan, USS Carl Vinson, britânico HMS Queen Elizabeth e o porta-helicópteros japonês JS Ise.


Frank Fang é um jornalista baseado em Taiwan. Ele cobre notícias na China e em Taiwan. Ele possui mestrado em ciência dos materiais pela Universidade de Tsinghua, em Taiwan.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL >

https://www.theepochtimes.com/taiwan-responds-as-china-sends-39-military-aircraft-into-its-air-defense-id-zone_4231941.html?utm_source=News&utm_campaign=breaking-2022-01-24-1&utm_medium=email&est=FkGxT8edhCfgO3HvY7T9q0tjBTAplG3DhTS1%2BQnKPbRm%2Fs1%2BcVfCuQ5XvN0A


Acesse a minha HOME PAGE, para assistir meus vídeos e ler meus livros: https://www.heitordepaola.online/




4 views0 comments