China não é páreo para o PCC vírus

06/04/2020


- THE EPOCH TIMES -

Tradução César Tonheiro


460.000 empresas chinesas afundaram no primeiro trimestre, destacando o impacto do vírus na economia


6 de abril de 2020 por Nicole Hao


Quase meio milhão de empresas na China fecharam no primeiro trimestre de 2020, de acordo com dados coletados por bancos de dados online, revelando a extensão do impacto da epidemia na economia do país.


Enquanto isso, os empresários começaram a protestar pelo apoio financeiro do governo, já que seus negócios estão à beira da falência.


Desde que as autoridades perceberam a gravidade do surto e começaram a implementar medidas de bloqueio em janeiro, as atividades comerciais pararam em grande parte da China. Atualmente, Wuhan, a cidade onde o surto começou, ainda está em quarentena. Algumas áreas, como o condado de Jia, na província de Henan, tiveram políticas de isolamento levantadas brevemente, antes que outro surto levasse as autoridades a bloquear a área novamente.


"Queremos [dos proprietários] redução do aluguel pela metade e [do governo] redução pela metade das taxas de administração e serviços públicos", disse Cheng Dong, proprietário de uma fábrica de roupas na cidade de Zhuzhou, província de Hunan.


"Não recebi pedidos. Os atacadistas me disseram que as pessoas não estão comprando roupas no momento [devido a medidas de bloqueio]", disse Cheng ao Epoch Times, em chinês, em uma entrevista por telefone em 3 de abril.


Enquanto isso, os trabalhadores têm medo de ir trabalhar, preocupados com a possibilidade de contrair o vírus do PCC (Partido Comunista Chinês), comumente conhecido como novo coronavírus . Na fábrica de Cheng, apenas 12 dos 35 trabalhadores típicos apareceram.


Cheng juntou-se a cerca de 8.000 empresários locais que protestaram em frente ao governo municipal em 31 de março.


“Marchamos 3 quilômetros do mercado atacadista para o governo municipal. Ocupamos todas as estradas [devido à grande multidão]. A polícia prendeu mais de dez mulheres empresárias no local ... tentando nos assustar e dispersar”, disse Cheng. "No segundo dia [1º de abril], muitos empresários continuaram protestando."


Nas últimas semanas, empresários de Guangzhou, Shenzhen, Guiyang, Nanning e várias cidades do nordeste da China organizaram protestos semelhantes .

Negócios Fechados


A mídia estatal China Securities Journal informou em 2 de abril que o banco de dados chinês Tianyancha divulgou os dados mais recentes sobre empresas chinesas.


O banco de dados registrou que 460.000 empresas chinesas fecharam permanentemente no primeiro trimestre de 2020. Cerca de 57% delas foram fundadas nos últimos três anos.


Enquanto isso, 3,33 milhões de novas empresas foram fundadas no primeiro trimestre de 2020, 28,9% a menos que no mesmo período do ano passado. As empresas recém-fundadas estavam localizadas principalmente nas províncias de Guangdong, Jiangsu e Shandong, com 46,12% delas sendo empresas atacadistas e varejistas.


Os negócios de educação on-line surgiram devido a políticas de quarentena, com escolas fechadas por tempo indeterminado. Atualmente, a China possui 194.000 empresas de educação on-line, 6.753 delas foram fundadas no primeiro trimestre deste ano, segundo o China Securities Journal.


O negócio de jogos também recebeu um impulso. Até o momento, 5.025 empresas de jogos foram fundadas em 2020, 60,53% superior ao mesmo período de 2019.


O setor de viagens foi duramente atingido. Em 30 de março, o site do portal chinês Sohu citou outro banco de dados on-line, Qichacha: "Em 25 de março, 11.268 empresas de viagens fecharam em 2020".


O relatório afirma que, desde o final de janeiro, a indústria de viagens teve quase zero renda na China devido ao impacto do vírus PCC.


A indústria de viagens contribuiu 11% para o PIB do país em 2019, segundo dados do Ministério da Cultura e Turismo da China. As empresas de viagens criaram 79,87 milhões de empregos, o equivalente a 10,31% da população empregada do país.

Epicentro


Na cidade onde o surto começou, Wuhan, 150 donos de restaurantes, entregaram uma carta ao governo municipal pedindo ajuda financeira.


O Sr. Li opera uma empresa de churrasco em Wuhan, que possui 15 restaurantes na cidade. Li disse que a carta exigia que o governo fornecesse subsídios aos funcionários, exigisse que os proprietários cortassem o aluguel e pedisse aos bancos que concedessem empréstimos a restaurantes.


“Durante esses meses, não tivemos renda, mas precisamos pagar os salários dos funcionários. Também precisamos pagar aluguel no restaurante e nos dormitórios dos funcionários ”, disse Li ao Epoch Times, em língua chinesa, em 4 de abril.“ Perdi quase 10 milhões de yuans (US $ 1,41 milhão).”


Li disse que não estava otimista com o futuro, embora a cidade levante restrições no dia 8 de abril.


"Tenho certeza de que ninguém se atreveria a comer em restaurantes", disse Li. Ele estimou que cerca de 10.000 a 20.000 restaurantes na cidade seriam fechados permanentemente devido à epidemia.


O jornal estatal Yangtze Daily informou em 6 de abril que quando a cidade foi fechada em 23 de janeiro, 93% dos restaurantes em Wuhan optaram por fechar. Para o jantar somente na véspera do Ano Novo Chinês (24 de janeiro), 550.000 mesas reservadas foram canceladas em Wuhan, fazendo com que os restaurantes perdessem 1 bilhão de yuans (US $ 141 milhões), segundo o relatório.


O regime chinês não forneceu subsídios para ajudar cidadãos comuns afetados pelo vírus. Foi prometido à equipe médica nas linhas de frente da luta contra o vírus um complemento ao salário, mas alguns disseram ao Epoch Times que não receberam seus pagamentos.


https://www.theepochtimes.com/460000-chinese-firms-went-under-in-first-quarter-underscoring-impact-of-virus-on-economy_3300743.html

69 views

© Todos os Direitos Reservados - heitordepaola.online

  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube