China minando 'paz e estabilidade regional'

- THE EPOCH TIMES - Katabella Roberts - Tradução César Tonheiro - 5 out, 2021 -


Os comentários chegam em um momento em que Pequim voa com 56 jatos de combate perto de Taiwan


A Casa Branca expressou preocupação sobre o comportamento militar ‘provocativo’ da China para Taiwan após Pequim ter enviado 56 caças a jato à sua zona de defesa aérea em 4 de outubro, marcando o quarto dia de assédio militar sustentado contra a ilha autônoma.


Falando em uma coletiva de imprensa na segunda-feira, o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, pediu à China que ponha fim a seu comportamento instigante que, segundo autoridades, ameaça a paz e a estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e pode levar a um confronto militar total.


“Continuamos preocupados com a atividade militar provocativa da República Popular da China perto de Taiwan, erros de cálculo de risco que podem minar a paz e a estabilidade regional”, disse Psaki a repórteres.


“Instamos Pequim a cessar sua pressão militar, diplomática e econômica e coerção contra Taiwan. Temos um interesse permanente na paz e estabilidade em todo o Estreito de Taiwan. É por isso que continuaremos a ajudar Taiwan a manter uma capacidade de autodefesa suficiente.”


“Manteremos nossos compromissos, conforme descrito nos Três Comunicados, na Lei de Relações com Taiwan e nas Seis Garantias”, acrescentou ela.


Psaki também dobrou o apoio dos EUA a Taiwan, observando que seu compromisso com a ilha era "sólido como uma rocha" e "contribui para a manutenção da paz e da estabilidade em todo o Estreito de Taiwan e na região".


Os Estados Unidos têm um longo relacionamento com Taiwan e lhe fornecem apoio militar e outros tipos de apoio desde 1949, quando o Governo Nacionalista da República da China se mudou para lá após a Guerra Civil Chinesa. Embora os Estados Unidos e Taiwan tenham uma relação não oficial estreita, ainda não criaram laços oficiais com a ilha, devido aos seus múltiplos acordos com Pequim.


“Temos sido claros privado e publicamente sobre nossa preocupação com a pressão e coerção da RPC em relação a Taiwan e continuaremos a observar a situação de perto”, disse Psaki.


Os comentários da Casa Branca foram feitos depois que Pequim enviou 56 caças à zona de defesa aérea de Taiwan na segunda-feira, incluindo 34 caças J-16 e 12 bombardeiros H-6, de acordo com o Ministério da Defesa Nacional de Taiwan.


Outros quatro J-16 chineses apareceram na parte sudoeste da “Zona de Identificação de Defesa Aérea” de Taiwan - a área-tampão fora do espaço aéreo da ilha. Taiwan disse que havia embaralhado jatos e implantado mísseis para alertar os aviões militares do continente.

Dois caças SU-30 chineses decolam de um local não especificado para fazer uma patrulha no Mar do Sul da China em uma foto de arquivo. (Jin Danhua / Xinhua via AP)

As tensões vêm piorando entre Taiwan e a China há mais de um ano, à medida que Pequim aumentou drasticamente sua pressão militar e diplomática na tentativa de intimidar a ilha autônoma, que ela vê como seu território que deve ser tomado sob seu controle.


A força aérea do regime fez mais de 500 incursões militares nos nove meses deste ano, em comparação com 380 em 2020, de acordo com autoridades taiwanesas.


As últimas demonstrações “provocativas” começaram em 1º de outubro, que marca o 72º aniversário da fundação do regime. Desde então, 149 aviões de guerra chineses sobrevoaram o território e incluíram incursões diurnas e noturnas com caças a jato, bombardeiros e aeronaves anti-submarinas.


O governo australiano também opinou na segunda-feira sobre as incursões chinesas, declarando que queria “uma região indo-pacífica que seja segura, próspera e baseada no Estado de Direito”.


“A Austrália está preocupada com o aumento das incursões aéreas da China na zona de defesa aérea de Taiwan na semana passada”, disse um porta-voz australiano de relações exteriores ao The Guardian.


“A resolução das diferenças sobre Taiwan e outras questões regionais deve ser alcançada pacificamente por meio do diálogo e sem a ameaça ou uso de força ou coerção”, disse o porta-voz.


Diante de críticas crescentes, Pequim na segunda-feira culpou Washington, acusando-o de ser “irresponsável” com seus comentários públicos e alertando que suas vendas de armas para Taiwan e navios de guerra dos EUA navegando pelo Estreito de Taiwan afetariam as relações bilaterais.


Eva Fu contribuiu para este relatório.


PUBLICAÇÃO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/chinese-military-undermining-regional-peace-and-stability-with-provocative-incursions-aimed-at-taiwan-white-house_4032259.html


Para acessar o Conteúdo acima: https://www.heitordepaola.online/


19 views0 comments

Related Posts

See All