China lista quatro 'linhas vermelhas' para Biden, exige fim de tarifas e sanções pelos EUA

- THE EPOCH TIMES - 12 Fev 2021 -

NICOLE HAO - TRADUÇÃO CÉSAR TONHEIRO -


O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, fala no Fórum Lanting sobre as relações China-EUA em Pequim, China, em 22 de fevereiro de 2021. (Greg Baker / AFP via Getty Images)

O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, pediu aos Estados Unidos que atendam a quatro requisitos do regime de Xi Jinping no Lanting Forum, uma videoconferência organizada pelo Ministério das Relações Exteriores da China em 22 de fevereiro.


Os pedidos incluem: fim do apoio a Taiwan, Hong Kong, Xinjiang e Tibete; retomar o diálogo EUA-China; o fim das tarifas sobre produtos chineses e sanções às empresas chinesas; e remover todas as restrições às agências de notícias e entidades culturais da China, como os Institutos de Confúcio.

Depois que o presidente Joe Biden anunciou que venceu a eleição presidencial, o líder chinês Xi Jinping e seus diplomatas seniores instaram os Estados Unidos a mudar sua política para a China e criticaram os Estados Unidos por serem unilaterais e preconceituosos contra a China.


“Dizer que somos unilaterais é completamente falso”, disse Miles Yu, o ex-conselheiro de política para a China do ex-secretário de Estado Mike Pompeo. Em uma entrevista para o programa “American Thought Leaders” do Epoch Times . “O desafio da China era o desafio global, nosso desafio global número um ... Nós [fizemos muito esforço] para formar essa coalizão multilateral ... para forjar uma aliança multilateral para enfrentar o desafio da China.”

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=s_zB_D9DBhE&feature=emb_logo


Quatro 'linhas vermelhas' da China


Wang afirmou na conferência que o regime totalitário de partido único comunista é um sistema democrático, e que os Estados Unidos interpretaram mal a China nos últimos anos.

Wang então listou quatro sugestões ao novo governo dos EUA como pré-condições para "relações saudáveis entre a China e os Estados Unidos".


“Pare com o comportamento errado e os discursos que toleram ou até apóiam os separatistas da independência de Taiwan”, anunciou Wang no primeiro pedido. “Pare de se intrometer em questões internas chinesas relacionadas a Hong Kong, Xinjiang e Tibete.”


Taiwan é uma região com um governo eleito, sistema legislativo e sistema judicial, bem como seu próprio exército, moeda e muito mais. Mas Pequim a vê como uma província separatista e interfere regularmente nos esforços de Taiwan para se juntar à comunidade internacional.


O regime chinês foi condenado internacionalmente por quebrar sua promessa de manter a política de "um país, dois sistemas" de Hong Kong até 2047 ao lançar uma lei de segurança nacional em 30 de junho de 2020. Em Xinjiang, o regime chinês continua a deter milhões de muçulmanos uigures em campos de concentração, enquanto no Tibete, o regime torturou as pessoas por sua fé e destruiu seu patrimônio cultural.

A polícia patrulha uma aldeia na prefeitura de Hotan, na região de Xinjiang, na China, em 17 de fevereiro de 2018. (Ben Dooley / AFP via Getty Images)

O segundo pedido de Wang é a retomada do diálogo EUA-China.


O terceiro é acabar com tarifas adicionais sobre produtos chineses, suspendendo as sanções a empresas e institutos chineses e apoiar o desenvolvimento de tecnologia da China.


Nas últimas décadas, o regime chinês se engajou em uma campanha abrangente para

adquirir tecnologias avançadas dos Estados Unidos. Um grande número de espiões chineses foi detido e até mesmo condenado nos Estados Unidos depois que roubaram amostras, projetos e documentos classificados de laboratórios, fábricas e militares. Enquanto isso, as autoridades americanas também deram o alarme sobre os riscos de espionagem representados pela tecnologia chinesa, já que a lei chinesa obriga as empresas a trabalharem com agências de inteligência quando solicitadas.


O quarto pedido de Wang é remover todas as restrições às entidades chinesas de educação, cultura, notícias e relações exteriores.


O governo Trump designou várias organizações chinesas, como a mídia estatal e o Confucius Institute US Center, como missões estrangeiras, reconhecendo suas funções como órgãos do Partido Comunista Chinês (PCC). Essas entidades fazem parte do sistema de propaganda do PCCh ou do Departamento de Trabalho da Frente Unida que servem para promover os interesses do PCCh no exterior.


Convidados incluindo o ex-secretário do Tesouro dos EUA Henry Paulson (topo C), o ex-primeiro-ministro australiano Kevin Rudd (alto D), o Embaixador da China nos EUA Cui Tiankai (baixo D) são vistos em uma tela através de um link de vídeo ao vivo no Lanting Forum em Relações China-EUA em Pequim em 22 de fevereiro de 2021. (Greg Baker / AFP via Getty Images)

Resposta dos EUA


A secretária de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, respondeu ao discurso de Wang em uma coletiva de imprensa em 22 de fevereiro: “Na ocasião em que o presidente conversava com o líder Xi, acreditamos que o relacionamento com a China é de forte competição”.


Psaki reiterou que as autoridades de Biden se coordenariam “com nossos parceiros e aliados em todo o mundo, europeus, outros parceiros da região, também com democratas e republicanos no Congresso” para lidar com as relações EUA-China.


Ela disse que não tinha nenhuma atualização relacionada às tarifas.


O porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price, também respondeu às solicitações de Wang na segunda-feira: “Acho que seus comentários [de Wang] refletem o padrão contínuo da tendência de Pequim de evitar a culpa por suas práticas econômicas predatórias, sua falta de transparência, seu fracasso em honrar seus acordos internacionais , e sua repressão dos direitos humanos universais.”


Em 7 de fevereiro, Biden disse à CBS: “Haverá uma competição extrema [entre os EUA e a China]. E não vou fazer da maneira que ele [Xi Jinping] conhece, porque ele também está enviando sinais”.


Sobre a questão de Xinjiang, Biden acredita que o regime chinês cometeu "genocídio" e "crimes contra a humanidade" contra os muçulmanos uigures uma designação que foi anunciada pelo governo Trump um dia antes da posse presidencial de acordo com a porta-voz do Conselho de Segurança Nacional, Emily Horne.


Até o momento, não houve informações claras sobre a política de Biden para Taiwan, o Mar da China Meridional e as sanções às empresas chinesas.


ARTIGO ORIGINAL:

https://www.theepochtimes.com/china-lists-four-redlines-to-biden-asks-us-to-lift-tariff-and-sanctions_3706645.html

22 views0 comments